Paixão que virou livro! A história do italiano 'louco' por Sócrates e pela Democracia Corinthiana

35 mil visualizações 27 comentários

Riccardo vem promovendo eventos na Itália nos últimos meses para divulgar seu livro

Riccardo vem promovendo eventos na Itália nos últimos meses para divulgar seu livro

Reprodução

Não é de se estranhar que um amante de futebol se apaixone pela história do Corinthians e, mais precisamente, pela Democracia Corinthiana e por Sócrates. Certamente, boa parte da Fiel se tornou torcedora do Timão justamente assim. O que causa espanto – no melhor sentido da palavra – é descobrir alguém que, mesmo a 10 mil quilômetros de distância do Parque São Jorge, encaixa-se perfeitamente em tal perfil.

Essa é a história de Riccardo Lorenzetti. Natural de Toscana, região centro-oeste da Itália, ele tem 50 anos, acumula experiência profissional na área do jornalismo e do teatro e é autor de um livro chamado La libertà è un colpo di tacco (A liberdade é um toque de calcanhar, em tradução livre), dedicado ao Corinthians do início da década de 80.

Como o próprio Riccardo faz questão de esclarecer, seu livro não tem pretensão de ser uma biografia sobre um período da história do Corinthians. Trata-se de um romance que mistura traços de realidade – resultados de jogos do Timão, por exemplo – com ficção – o apoio à Democracia Corinthiana por jornalistas de um periódico brasileiro fictício chamado O Pintassilgo em meio à perseguição sofrida pela imprensa durante a Ditadura Militar.

"O resultado foi absolutamente irresistível, pelo menos para mim. Longos diálogos entre Sócrates, Wladimir e Casagrande e demais personagens criados por mim têm um efeito muito engraçado", conta Riccardo, em entrevista concedida ao Meu Timão.

Riccardo lançou livro sobre Sócrates e a Democracia Corinthiana

Riccardo lançou livro sobre Sócrates e a Democracia Corinthiana

Divulgação

O livro de Riccardo teve sua primeira edição lançada em 2014. Nos primeiros meses de 2017, o autor se dedicou a palestras de divulgação do romance em diversos locais da Itália.

Motivação

A ideia de escrever um romance com a Democracia Corinthiana como pano de fundo surgiu justamente em meio à paixão de Riccardo pela história revolucionária que se desenvolveu no início da década de 80 nos vestiários e bastidores do Corinthians. A possibilidade de o futebol ser utilizado como instrumento de combate à repressão de um regime ditatorial "é absolutamente fantástica", na opinião do "ítalo-corinthiano" em questão.

"É uma história muito bonita. Bonita e muito romântica. Uma história tipicamente sul-americana, no mais charmoso sentido. Estamos acostumados a associar futebol e esportes em geral a resultados e campeonatos. Personagens da história como Jesse Owens, que peitou Hitler na Olimpíada de 1936, ou o boxeador Muhammad Ali mostram que é possível ser esportista e protagonista de algo ainda mais importante", argumenta. "A Democracia Corinthiana faz parte desse rol, ela fala com o coração das pessoas."

Sócrates jogou na Fiorentina em 1984 e 1985

Sócrates jogou na Fiorentina em 1984 e 1985

Reprodução

A Democracia Corinthiana chegou ao conhecimento de Riccardo graças à transferência de Sócrates do Corinthians à Fiorentina, em 1984. Durante o bate-papo com a reportagem do Meu Timão, ficou evidente o desapontamento do autor do livro diante da banalidade com a qual os torcedores italianos tratavam o então meia da Seleção Brasileira durante o período em que defendeu as cores do clube toscano.

"Apesar de o começo de Sócrates na Fiorentina ter sido muito positivo, a Itália de forma geral não mostrou muita simpatia por Sócrates. Ele era considerado um personagem muito estranho e, acima de tudo, fora do contexto", lamenta Riccardo.

Paixão pelo Timão

Mesmo sem nunca ter passado nem mesmo perto de Itaquera ou do Parque São Jorge, Riccardo se tornou "um louco do bando". Seja pelo conhecimento prévio a respeito da história do Corinthians e os ídolos que pelo clube passaram ou pela pesquisa que fez para escrever seu livro, o italiano entendeu a dimensão do Timão no cenário do futebol brasileiro.

"Eu rapidamente percebi que o Timão não é apenas um clube esportivo. É uma espécie de tribo, uma nação com uma população orgulhosa. Eu acho que seus torcedores interpretam a filosofia e o jeito de viver corinthianos. E isso eu acho único e irresistível", sintetiza.

Riccardo não esconde o corinthianismo nas redes sociais

Riccardo não esconde o corinthianismo nas redes sociais

Reprodução

Veja mais em: Ídolos do Corinthians.

Veja Mais:

  • Andrés Sanchez teve mais uma notícia ruim na noite desta segunda-feira

    Conselho de Orientação do Corinthians também sugere reprovação de contas de 2019

    ver detalhes
  • Corinthians pode devolver Yony González e economizar quase R$ 20 milhões

    [Marco Bello] Corinthians pode devolver Yony González e economizar quase R$ 20 milhões

    ver detalhes
  • Cantillo foi um dos destaques do Corinthians no início da temporada

    Cantillo apresenta sintomas de Covid-19 e pode desfalcar Corinthians em Dérbi

    ver detalhes
  • As três opções de escalação para posição problemática no Corinthians de Tiago Nunes

    VÍDEO: As três opções de escalação para posição problemática no Corinthians de Tiago Nunes

    ver detalhes
  • Atacante Jô pode reestrear pelo Corinthians na retomada do Campeonato Paulista

    CBF define janelas internacionais, e Jô pode reestrear pelo Corinthians contra o Palmeiras

    ver detalhes
  • Equipe Sub-23 do Corinthians ganhará atenção especial de Tiago Nunes em 2020

    Corinthians volta a renovar contrato de dupla do Sub-23 em meio à paralisação da base

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: