Arena, Roberto de Andrade, naming rights, Tite, eleição, Carille... Andrés Sanchez fala ao Meu Timão

Arena, Roberto de Andrade, naming rights, Tite, eleição, Carille... Andrés Sanchez fala ao Meu Timão

135 mil visualizações 309 comentários Comunicar erro

Andrés Sanchez falou com exclusividade ao Meu Timão

Andrés Sanchez falou com exclusividade ao Meu Timão

Meu Timão / Rodrigo Vessoni

Andrés Sanchez jamais deixou de pensar no Corinthians e/ou querer saber sobre o dia a dia do clube, mas estava um tanto quanto sumido do noticiário alvinegro. O torcedor, que se acostumou a vê-lo falar sobre tudo que envolve o Timão, ficou sem notícias do ex-presidente por algum tempo. Porém, por meio de um perfil no Instagram, o deputado federal (PT-SP) voltou a interagir com a Fiel. Elogios, críticas, pedidos de retorno à presidência ou afastamento definitivo do clube... a cada postagem de foto ou vídeo, os torcedores mandam seus recados ao ex-dirigente.

Entre os comentários, alguns assuntos são quase unanimidade em todos os posts: Arena Corinthians, desempenho de Roberto de Andrade, a eterna busca pelo naming rights do estádio, a eleição presidencial no clube em fevereiro do ano que vem, o trabalho de Fábio Carille, as dívidas do clube... motivado por todos esses comentários dos torcedores, o Meu Timão foi ouvir Andrés Sanchez.

Durante cerca de 40 minutos, o ex-presidente do Corinthians recebeu a nossa reportagem em seu escritório político na Zona Leste de São Paulo. Andrés não se recusou a responder nada, inclusive sobre a participação da OMNI no Fiel Torcedor. Respondeu algumas questões com a tradicional ironia e outras de forma mais ríspida.

Andrés conversou por cerca de 40 minutos com o Meu Timão

Andrés conversou por cerca de 40 minutos com o Meu Timão

Meu Timão/ Larissa Lima

Leia a entrevista exclusiva de Andrés Sanchez

Meu Timão - Três anos, 101 jogos, mais de 31 mil pagantes de média, com quase R$ 200 milhões de bilheteria. A Arena Corinthians é um sucesso e esses números da torcida comprovam. Em contrapartida, naming rights, cativas, camarotes, entre outros itens nunca renderam o que foi projetado. Por que essas outras receitas não vingaram como projetado? Dá pra dizer que, se não fosse a torcida, o estádio hoje poderia estar até fechado pelo prejuízo financeiro como acontece com outros estádios da Copa?

Andrés Sanchez - Quando se idealizou o estádio, era um país. Depois que se inaugurou o estádio, na metade de 2014 pra frente, se tornou outro país. Hoje você vê centenas de empresas fechando, centenas de empresas com dificuldades e o camarote é mais institucional, mais corporativo do que individual, então obviamente tem essas dificuldades. E queira ou não queira, no Corinthians, não se mente, não se explora. Porque no Corinthians se falar que vendeu 30 camarotes, em uma semana fica sabendo que não é 30, que é 12, 14. Diferente de outros estádios. Todos os estádios tem dificuldade de vender camarote. O naming rights principalmente, primeiro porque o Brasil não tem cultura de batizar arenas com nomes. Tanto é que tem o Allianz Parque e poucos falam, em segundo.. e terceiro por causa da crise econômica, é um valor alto e não consegue. Mas o clube, o presidente e o marketing do clube estão trabalhando em cima disso. Mas é óbvio que a torcida da classe média para baixo é que está sustentando o estádio. Quando se fala em 200 milhões de reais, não é líquido, tem imposto, custos, dá uns 60, 65% de bruto. É difícil fazer futebol hoje em dia, a Polícia Militar cobra 130 reais por policial, é o único estado do país que se paga isso. Torcedor pode ficar tranquilo que, daqui uns anos, o estádio será um case a ser estudado. A Arena Corinthians não foi feita apenas para jogos de futebol, é feito para outras coisas. Essa é a grande dificuldade, estamos tendo eventos, mas não com a velocidade que deveria. O torcedor está entendo, a população está entendendo, apenas o gramado que não poderá ser usado.

O erro foi não ter sido mais agressivo nas ações do estádio quando o país estava bem financeiramente?

Foi feito um trabalho, mas vocês (jornalistas) mesmo escreviam até 2012 que a obra não sairia, vai parar no meio da obra, tudo isso traz desconfiança. Como hoje, quando se fala que o estádio vai cair, está na Lava Jato, tudo isso atrapalha. Não é desculpa, mas atrapalha mesmo. Naming Rights? É óbvio que o certo é vender quando está sendo construído mesmo, mas não se conseguiu vender. Hoje não apenas eu, mas qualquer corinthiano pode procurar proposta e empresa para isso. Quem está se dedicando a isso é o presidente (Roberto de Andrade) e o marketing do clube, mas qualquer cidadão brasileiro, principalmente corinthiano, pode tentar vender o naming rights. Qualquer um pode tentar ajudar.

O torcedor de arquibancada que vê e ouve notícias do estádio ligado à Lava Jato por conta da Odebrecht deve se preocupar ou comemorar que está sendo passado um pente fino em boa parte das finanças ligadas ao estádio?

Ficou provado que, infelizmente, todas as obras da Odebrecht nos últimos 20 anos estavam sendo investigadas, o estádio era mais um. Mas vocês viram as delações de todos os executivos da construtora que falam que o Corinthians e a própria Odebrecht que foram prejudicados, que quem não cumpriu foi a Prefeitura e o Governo do Estado. Isso ficou claro para todo mundo. Para alguns chorarem, alguns que ficaram triste, a maioria ficou contente. Podem olhar tudo que quiserem.

Andrés Sanchez em coletiva com a Odebrecht durante a obra

Andrés Sanchez em coletiva com a Odebrecht durante a obra

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Pelo que se fala nos bastidores do clube, a auditoria que está sendo feita identificou cerca de 200 milhões de serviços não executados ou mal executados na Arena. O clube tentará pagar menos caso tenha sido constatada diferença no orçado e no executado?

Eu não acredito nesse valor, mas a auditoria é quem falará. A comissão (designada pelo Corinthians) e a Odebrecht deveriam sentar numa mesa para ver as diferenças. A Odebrecht já assumiu que faltaram algumas coisas na obra, mas não acredito nesse valor, não.

Então, se a auditoria apontar um valor de serviços não executados ou mal executados, o clube não deve pagar?

O que o Corinthians detectar, e provarem ambas as partes que estão faltando, obviamente que não se pagará.

Em relação da dívida em si, o valor está diminuindo ou aumentando?

Cada mês que você deixa de pagar, a dívida aumenta. Isso é óbvio. O estádio custou R$ 985 milhões, a Odebrecht assumia que faltam 70, 80 milhões para acabar tudo que tinha para acabar, então, a dívida é de uns R$ 920 milhões. Agora, as pessoas esquecem que desses 985 milhões tem: R$ 36 milhões de impostos por ter de começar a obra antes por causa do prazo, não tinha incentivo fiscal, então está questionando isso. Atrasou o BNDES uns dois anos e meio, pagou R$ 86 milhões de juros; o CIDs para monetizar levou quase dois anos e perdeu mais R$ 80 milhões. O estádio custou R$ 5,6 mil o metro quadrado com o acabamento que tem, é só ver os outros estádios e o do Corinthians. Agora, do Corinthians se fala muito. É o único estádio desse país que se pagou prestações, já se pagou quase 70, 80 milhões de prestações. Me dá um estádio, para Copa ou não, que pagou prestações para banco?

Acredita que, a partir de agora, a tendência é de uma melhora na infraestrutura geral do estádio, de mais eventos, ou depois de três anos, a tendência é permanecer como está?

Todo dia vai melhorando, daqui três, quatro anos vai estar 100%. Ali é uma cidade. Tem lugar que até eu, que estava todo dia, não conhecia inteiro. Tem de ir melhorando. Minha participação hoje é zero, apenas quando o presidente me liga para eu dar opinião, faz um ano e três meses que não participo de nada. Apenas mesmo quando o presidente me chama para falar de algo mais macro, que ele quer saber minha opinião. As decisões hoje são do presidente, da diretoria e do marketing do clube.

Pelo estatuto, após cumprir a quarentena, você está liberado para voltar à presidência. Muitos torcedores pedem isso, outros se dizem contra. Você será candidato na próxima eleição?

Eu sempre vou pensar no Corinthians, é uma paixão. Sou conselheiro vitalício. Não é você querer ser presidente, são as pessoas pensarem em querer você na presidência. No Corinthians tem vários grupos, inclusive o meu. Vamos achar os nomes, tem milhares de pessoas que querem ser presidente do clube, mas poucos podem ser. Vamos aguardar, está muito cedo ainda.

Grupo Renovação & Transparência comemora resultado das urnas na última eleição

Grupo Renovação & Transparência comemora vitória na última eleição

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Você foi o primeiro a anunciar que o Grupo Renovação & Transparência após dez anos tinha chegado ao fim. Já se falam em três, quatro candidatos...

Pode ter 20!

Você vê isso como algo democrático e bom, ou no caso da situação, que você viveu nos últimos anos, algo ruim?

Quanto mais fatiar, pior para o clube. Agora, a democracia permite isso. Espero que as pessoas tenham consciência de trabalhar em prol do clube, quando faltar três, quatro meses, aí sim, pensar na eleição. Todos são corintianos, querem o bem do clube. Quanto mais se fatiar, quanto mais tiver política dentro do clube, pior. Eleição não para nunca no Corinthians, uns com mais educação, outros contra tudo e contra todos. Faltando uns três, quatro meses a gente vê o acontece.

Como você avalia esses dois anos e três meses do Roberto de Andrade à frente da presidência?

Um presidente de clube acerta e erra, na história acertaram e erraram. Acho que ficou difícil para o Roberto foi aquela coisa de impeachment, que se falou cinco, seis meses. Isso atrapalha o clube, mas graças a Deus não aconteceu, até por não ter arte de ofício para isso. Mas o presidente que está lá dois anos e três meses, ganhou um Brasileiro e um Estadual, tem que ser reconhecido.

Andrés Sanchez com Roberto de Andrade durante treino no CT

Andrés Sanchez com Roberto de Andrade durante treino no CT

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

O que o Roberto fez que você jamais teria feito e o que ele fez que certamente teria feito?

Cada um tem sua maneira de administrar, eu não vou ficar comparando o que eu faria ou deixaria de fazer, até porque viraria polêmica. Ele tem a diretoria dele, acertou e errou como todos. Está tentando fazer o melhor.

Aquela vez que você ofereceu ajuda a ele e foi negado ficou alguma frustração?

Ele não se negou, quase não falamos sobre isso. Muita coisa que sai na imprensa não é a realidade. Estou pronto para ajudar o Corinthians todas as vezes que for convocado. Mas é que tudo que se falava nos últimos anos, era comigo. Vendeu jogador? Era o Andrés. Contratou treinador? Foi o Andrés. Mandou embora? Foi o Andrés. Caiu um urubu no Parque São Jorge? Foi o Andrés. Derrubaram uma árvore? Foi o Andrés. Eu, desde o segundo ano do mandato do Mário (Gobbi, sucessor)... é óbvio que eu dava opinião, até acho que mais do que eu deveria, uma opinião mais forte, mas o presidente sempre teve autonomia para tomar suas decisões. Nem tudo que eu dei opinião foi feito, mas eu procuro deixar as administrações trabalharem em paz.

Frustrou tentou ajudá-lo e receber uma resposta negativa?

O Roberto sempre vai querer minha ajuda, talvez da maneira que eu queria fazer, ele não queria seguir, é um direito dele. É isso. Tudo no Corinthians é o futebol, é 90% do clube. Cara foi campeão brasileiro, campeão paulista, é a oitava, nova força no Campeonato Brasileiro, zebra... vai que ele ganha? Vou falar o quê? O maior presidente da história do Corinthians foi o Mário Gobbi, campeão da Libertadores, Mundial, Recopa, Paulista... foi um presidente vitorioso. Errou? Sim, como acertou também. Assim é com todos.

Por que a situação financeira não é tão boa hoje em dia? O que fez o clube chegar a isso?

Porque gastou muito na contratação de jogadores nos últimos cinco, seis anos. Quando você traz jogador por 10, 20, 30, 50 milhões e ele não dá certo, você perde financeiramente e tecnicamente. Eu sempre procurei arriscar em jogadores mais baratos, isso é uma opção do clube, da diretoria, do presidente. A contratação, como sempre eu digo, é aquela que dá certo. Você vê hoje pessoas falando que ofertas para um jogador ganhar 1 milhão por semana, 2 milhões... o jogador vai embora. Não é o Corinthians que quer vender, é o jogador que quer ir embora. O cara deixa de ganhar toda essa grana e ele vai jogar bola se ficar? O subconsciente do cara não deixa, não é nem falta de caráter, nada. A vida do jogador é curta. Ele não pode perder a chance de fazer sua independência financeira. É igual os pedaços de direitos econômicos, não era eu que queria vender, era negociação. Vai fazer o primeiro contrato, com o jogador de 16 anos, ele pedia 30, 40% dos direitos. Eu vendi parte dos direitos de cinco jogadores em cinco anos, o restante foi negociação, primeiro contrato dava 20%, o segundo dava mais 20%... enfim, se fala muito e a gente tem de ficar quieto.

As vendas de tantos jogadores para a China entram nisso?

Claro, não tem como controlar. Pega o Renato Augusto, foi embora para ganhar R$ 2 milhões por mês na China, Ralf foi ganhando R$ 1,5 milhão. Como não vai vender? Arrebenta com o grupo, por mais gente boa que eles sejam. Eles não conseguiriam jogar. O Rodriguinho é um achado, teve a oferta, não era tão boa como falaram, e ele está jogando bem. Ele é exceção do que acontece. No futebol, são quatro reais para um dólar. Quem não quer morar em Lisboa? Mônaco? Paris? E na China vai morar porque é muito dinheiro. É do ser humano.

O Corinthians em oito anos tinha mandado um treinador embora (Adilson, em 2010). Em 89 dias dispensou dois. Você participou da escolha do Cristóvão. Com o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Carille e os insucessos de Cristóvão e Oswaldo, pode-se dizer que o clube não disputou a Libertadores deste ano por culpa dessas decisões administrativas?

É triste, eu acho errado. Mas foi uma decisão do presidente e da diretoria, eles têm o motivo deles. Eu não concordo, fico triste com isso (dispensa de treinadores em pouco tempo), mas a decisão é de quem está mandando na hora.

Com o Fábio Carille efetivado no ano passado, a equipe estaria disputando a Copa Libertadores?

Tem de cobrar mais jogador, isso ninguém fala. Se cobrou muito diretoria e treinador, e deixaram jogador sossegado. Com as mudanças de treinador, o jogador acaba relaxando. Eu não vi cobrar jogador. Todo mundo não falava que o time de 2016 era ruim... se ganhasse do Cruzeiro na última rodada, teria sido campeão do primeiro tempo. O que mudou nos dez jogos seguintes? Isso que deveria ter sido pensado. Se ficasse Carille, se ficasse o Cristóvão... ninguém saberá, já foi.

Você conhece o Carille há anos. O que você poderia falar sobre ele? Por que acha que ele está dando tão certo?

Ele não está dando tão certo. Ele não é o melhor do mundo e, se tivesse perdido alguns jogos, não seria o pior do mundo. No futebol, infelizmente, se cobra apenas os resultados. O trabalho não é resultado. Em 2008, o Mano não se classificou na primeira fase do Paulista, o Mano perdeu a Copa do Brasil... poderia ter mandado embora? Era o mais fácil. Talvez não teria subido, talvez não teria sido campeão paulista invicto, talvez não teria conquistado a Copa do Brasil... então, quando se mantém o treinador e dá certo, você é bom e herói. Se eu tivesse mantido o Tite e ele não ganhasse o que ganhou, eu seria burro e ele mais burro ainda.

Andrés Sanchez, Roberto de Andrade e Mário Gobbi, todos presidentes

Andrés Sanchez, Roberto de Andrade e Mário Gobbi, todos presidentes

Divulgação

O Roberto de Andrade chamou de desleal o dinheiro despejado pela Crefisa no Palmeiras. Como você analisa essa parceria do rival?

Não é desleal. Acho fora da curva, a Crefisa é privada, o Palmeiras é privado, cada um sabe onde põe seu dinheiro. Eu queria ter um parceiro com esse aporte financeiro no clube. Se eu achar isso desleal, então, vou achar que é desleal também quem ganha mais da televisão? É justo com a Chapecoense? Então, não se pode falar isso. É uma oportunidade que o Palmeiras achou, é uma coisa boa e tem de bater palma. Quanto mais empresas como a Crefisa entrarem no futebol, melhor e fará crescer.

Foi um retrocesso para o Corinthians parar de divulgar os números do clube? O relatório de sustentabilidade não é emitido desde o ano letivo de 2014...

Cada presidente tem sua maneira de trabalhar, eu entendia que aquilo era importante e bom para o clube. Mas quem decide é a diretoria que está no comando. Eu não vou criticar, falar que é bom ou ruim. Eu não gostava de ouvir críticas quando era presidente, e não farei o mesmo. Se tiver que fazer, vou lá pessoalmente e falo.

Agora, duas perguntas de alguns dos seguidores do Meu Timão no Twitter... Edu Ribeiro (@Edu__rib) quer saber como você enxerga os trabalhos de Alessandro e Flávio Adauto à frente do futebol do Corinthians?

Ganharam o Paulista, não tem o que questionar. Tem erros e acertos, como todos. O Alessandro viveu 20 anos no meio do futebol, o Flávio sempre participou de reuniões e viu como era, apesar de a maior parte dos 50 anos dele no clube não terem sido no futebol. Eles podem ter errado, mas não por falta de experiência.

O Vitor Menezes (@Vitor_Menezes) pergunta por que o Corinthians ganha tanto dinheiro e não consegue pagar dívidas simples como a do Kazim?

Porque gasta mais do que ganha. Simplesmente isso. Nos últimos quatro, cinco anos. Qual jogador caro que eu comprei sem ser o Defederico, que foi um furada total? Eu nunca gastei nada com jogador, o máximo foi R$ 10 milhões com o Defederico. Quando foi campeão do mundo, teria de tirado quem venceu o contrato e não ter contrato outros que contrataram. O futebol brasileiro não tem aporte para isso. Um dólar é quatro reais. É difícil competir com os clubes europeus.

Andrés Sanchez e Tite durante treino CT Joaquim Grava

Andrés Sanchez e Tite durante treino CT Joaquim Grava

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Você viveu o ambiente da CBF. Achava que o Tite se daria tão bem como está?

Porque a Seleção Brasileira tem os melhores jogadores do mundo, o Tite é uma grande pessoa e um grande treinador. E ele acertou o time. E será campeão do mundo sem perder nenhum jogo. Eu tinha certeza (que ele se daria bem). Por conhecer os jogadores e, principalmente, por conhecer o Tite. Eu acredito que o Brasil chegará à final sem perder nenhum jogo.

Acredita no sucesso dele mesmo com a maneira de a CBF trabalhar?

Apesar das pessoas não acreditarem, o diretor de futebol, o treinador... sempre tiveram independência para trabalhar, desde a época do Ricardo Teixeira. Óbvio que você dá satisfação à presidência, falo por mim. Tanto o Tite quanto o Edu têm carta branca para fazer seu melhor.

Qual sua perspectiva para a equipe no Campeonato Brasileiro?

O Corinthians entrou como oitava, nona força. Continua, não é porque está em primeiro hoje que muda algo. O grupo está fechado, é humilde e está trabalhando bastante. A equipe tem de trabalhar para chegar entre os seis, sete primeiros. Somos zebra. Vão começar a se pegar que só ganha de 1 a 0, que recua muito. O Tite quase apanhou em 2013, empatite.... Agora, é um grupo que tem de trabalhar muito mais, é um time que se formou este ano, que precisa se entrosar mais, será mais forte no ano que vem. O time de 2011 era mais formado, esse está fortalecendo, é zebra mas se mantiver a pegada e a humildade, vai dar alegria à torcida corinthiana.

Veja mais em: Andrés Sanchez, Diretoria do Corinthians, Roberto de Andrade e Arena Corinthians.

Veja Mais:

  • Carille retornou da Arábia Saudita para assumir o Corinthians em 2019

    Com festa da Fiel, Carille desembarca no Brasil e fala pela primeira vez sobre retorno ao Timão

    ver detalhes
  • Sornoza fez boa temporada no Fluminense; meia já foi finalista da Libertadores com o Independiente del Valle

    Sem envolver jogadores, Corinthians e Fluminense chegam a acordo por transferência de Sornoza

    ver detalhes
  • Corinthians já anunciou cinco reforços para 2019

    Com Ramiro, Corinthians se torna clube da Série A com mais contratações para 2019

    ver detalhes
  • Contratação de Ramiro foi aprovada pela torcida do Corinthians

    Torcida do Corinthians aprova contratação de Ramiro em enquete avassaladora

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes