Preferência da opinião pública e manutenção do DNA da chapa: Ezabella comemora primeira eleição

Preferência da opinião pública e manutenção do DNA da chapa: Ezabella comemora primeira eleição

16 mil visualizações 97 comentários Comunicar erro

Felipe Ezabella durante a eleição no Parque São Jorge

Felipe Ezabella durante a eleição no Parque São Jorge

Foto: Rafaela de Oliveira/Meu Timão

Felipe Ezabella foi um dos candidatos derrotados na eleição presidencial do Corinthians no último dia 3, vencida por Andrés Sanchez com 33,9% dos votos. O advogado, porém, comemora sua participação no pleito. Em entrevista ao Meu Timão, Ezabella deu dois motivos para tal sentimento.

Leia também: Leia também:
"Tenho convicação que a eleição foi prejudicada por fatores extras", diz Tuma
Paulo Garcia: "Comissão eleitoral fez um trabalho confuso, fui à Justiça por isso"
"Uma campanha sangrenta tirou minhas chances", lamenta Citadini

O primeiro é a boa receptividade da opinião pública. Segundo ele, as ideias para administrar o clube foram bem recebidas por boa parte dos milhares de torcedores corinthianos. O segundo motivo foi a manutenção da ideologia da chapa. Apesar da desconfiança de opositores de que a candidatura da chapa ficaria pelo caminho, a "Corinthians Grande" se manteve na disputa até o pleito.

"Podia ser melhor, mas olhando a gente imaginava que teria uns 400, 500 votos mesmo, era isso que tudo indicava. O resultado, por ser a primeira eleição, com gente nova, com uma chapa 100% conteúdo num clube mais tradicional, foi bom ter 13% dos votos, isso sem falar na chapinha que a gente elegeu. Mantivemos o controle da chapa, falava-se que gente ia compor com outros, mas nosso DNA foi até o fim", afirmou Ezabella, que completou:

"Além disso, comemoramos bastante porque chegamos na última semana da eleição e ficamos em primeiro lugar em todas as enquetes na mídia e nas redes sociais. Ficamos em quarto no pleito, mas claramente nossas ideias foram bem recebidas pelo torcedor de maneira em geral. Isso é o primeiro motivo da nossa satisfação, a gente pensou no corinthiano de uma forma geral", lembrou.

Ezabella afirmou que tinha certeza que Andrés Sanchez teria mais de 30% dos votos (33,9%, na verdade). A chance, segundo ele, ficou maior na semana em que Antonio Roque Citadini e Paulo Garcia ficaram com suas candidaturas sob desconfiança por decisões da Comissão Eleitoral.

"Com cinco candidatos era difícil, mas se eles não revertessem na Justiça, acredito que concentraríamos muitos votos deles na nossa chapa, seria um grande impulso", lembrou.

Ezabella não sabe se irá concorrer na próxima eleição.

"Difícil dizer agora, se plantamos uma sementinha boa ou não. A gente fica muito cansado numa eleição, o trabalho foi de meses. Vamos ver como serão aí nos próximos dois anos", finalizou o representante da "Corinthians Grande".

Resultado da eleição no Corinthians

  • Andrés Sanches - 1235 votos (33,9%)
  • Paulo Garcia - 834 votos (22,9%)
  • Antônio Roque Citadini - 803 votos (22%)
  • Felipe Ezabella - 461 votos (12,6%)
  • Romeu Tuma Júnior - 278 votos (7,6%)
  • Brancos e nulos - 31 votos (0,8%)
  • Total - 3642

Veja mais em: Eleições no Corinthians.

Veja Mais:

  • Timão pode erguer troféu da Liga Ouro já na sexta-feira, na casa do São José

    Corinthians vence batalha com quatro prorrogações e fica a uma vitória do título da Liga Ouro

    ver detalhes
  • Maioria dos titulares de Loss já completou sétimo jogo no BR; Cássio e Fagner, sequer seis

    Doze corinthianos já completaram sete jogos no Brasileirão; veja quem ainda pode se transferir

    ver detalhes
  • Caetano tem 18 anos e estava no Botafogo

    Corinthians acerta contratação de zagueiro indicado por Barroca, técnico do Sub-20

    ver detalhes
  • Léo Jabá tem contrato de cinco temporadas com o FC Akhmat Grozny

    Jabá encaminha transferência à Grécia, e Corinthians pode ganhar mais de R$ 4 milhões

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes