Citadini recebe aval da Justiça para concorrer à presidência do Corinthians um mês após eleição

Citadini recebe aval da Justiça para concorrer à presidência do Corinthians um mês após eleição

Por Lucas Faraldo e Rodrigo Vessoni

2.1 mil visualizações 37 comentários Comunicar erro

Mais de um mês após derrota na eleição, Citadini recebe aval da Justiça para se candidatar

Mais de um mês após derrota na eleição, Citadini recebe aval da Justiça para se candidatar

Foto: Larissa Lima/Meu Timão

A novela envolvendo a impugnação da candidatura de Antônio Roque Citadini à presidência do Corinthians na eleição de 3 de fevereiro chegou ao fim no último dia 9 de março. A Justiça indeferiu a ação movida contra o conselheiro corinthiano e extinguiu assim o processo.

A decisão foi assinada pela juíza Ana Luiza Villa Nova, da 16ª vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Chama atenção o martelo ter sido batido mais de um mês após a realização do pleito, que por sinal também foi parar na Justiça.

Faltando pouco mais de duas semanas para a eleição, Citadini teve a candidatura impugnada pela Comissão Eleitoral do Corinthians. A decisão, sancionada pelo Conselho Deliberativo, havia se baseado no fato de o conselheiro ser membro do Tribunal de Contas do Estado e, portanto, não poder concorrer a cargos administrativos no clube.

"(...) Sendo o Sport Club Corinthians Paulista beneficiário de convênios firmados com o Governo do Estado de São Paulo, bem como, com a União, além de devedor de financiamentos obtidos junto ao BNDES e Caixa Econômica Federal, se eleito for, (Citadini) se aproveitará do cargo para melhor vindicar os interesses de seu clube, utilizando-se das prerrogativas para se beneficiar, em total desprestígio à moralidade", alegava a ação.

A juíza Ana Luiza Villa Nova, então, extinguiu o processo alegando que "o que se espera é que o réu, na hipótese de ser eleito, providencie a devida comunicação ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, a fim de que seja formalizado o seu afastamento ou mesmo sua renúncia."

Vale lembrar que, mesmo com o processo correndo na Justiça, Citadini conseguiu liminar para concorrer à presidência. O conselheiro, no entanto, foi apenas o terceiro mais votado, atrás do vencedor Andrés Sanchez e do segundo colocado Paulo Garcia. Ainda disputaram a cadeira de presidente Felipe Ezabella e Romeu Tuma Júnior.

Trecho da decisão judicial sobre o processo que tinha Citadini como réu

Meu Timão

Veja mais em: Eleições no Corinthians.

Veja Mais:

  • Árbitro que prejudicou Corinthians diante do Flamengo é escalado para volta das semifinais

    Árbitro que prejudicou Corinthians diante do Flamengo é escalado para volta das semifinais

    ver detalhes
  • Agora capitão fixo do Corinthians, Cássio ergue a taça do hepta, em 2017

    Fim de rodízio? Volante do Corinthians nega conversa de Jair sobre escolha de capitão fixo

    ver detalhes
  • Pacaembu irá receber clássico entre Corinthians e Santos no Brasileirão

    Rival solicita, e Corinthians voltará ao Pacaembu ainda em 2018

    ver detalhes
  • Reservas fizeram uma atividade de um contra um durante boa parte desta terça-feira

    Treino do Corinthians tem ausência de titulares, um contra um dos reservas e goleiros no futevôlei

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes