Timão: cinco líderes encaram a turbulência de frente

Timão: cinco líderes encaram a turbulência de frente

Em meio ao momento de turbulência, de forte pressão da torcida, cinco jogadores tomaram a frente e assumiram a liderança do grupo, com o objetivo de retomar o caminho das vitórias no Brasileiro e a paz dentro do CT Joaquim Grava.

Alessandro, Paulo André, Alex, Danilo e Sheik, neste momento, são aqueles que mais dão suporte à diretoria e ao técnico Tite para que o ambiente não se torne ainda mais tenso. Cada um com seu jeito, alguns com a bola rolando, outros fora de campo, mas todos com uma postura de destaque perante aos companheiros, que vêem no quinteto um exemplo.

ELENCO NÃO GOSTOU DO GESTO DE CHICÃO

– São caras que não têm tempo ruim. Dão a cara pra bater, dentro e fora de campo. Mesmo com a coisa ruim, não se escondem – afirmou um dos membros da comissão ao LANCENET!.

Dentro das quatro linhas, a bola não queima nos pés de Alex, Danilo e Sheik que, nos momentos mais complicados, quando a equipe está atrás do placar e/ou em situação difícil numa partida, chamam a responsabilidade, não se escondem.

PAULO ANDRÉ LEMBRA DE R9 E WILLIAM

Alessandro, apesar do mau momento técnico, e Paulo André, apesar de atuar pouco, compensam fora de campo. A dupla tem respeito do grupo por saber liderar e respaldar a comissão técnica e diretoria.

– Na reserva é complicado exercer liderança. A gente comanda mais por atitude do que palavra. Trabalhar com afinco faz o pessoal dar valor. Certo dia, Nenê Bonilha perguntou como eu ficava sem jogar, com a idade que tenho, me dedicando todo dia. Eu disse que era o que eu gostava de fazer, que ninguém faria por mim e, se não fizesse, ficaria encostado. Tenho orgulho de jogar pelo Corinthians, independentemente de estar no banco ou no campo – disse Paulo ao LANCENET!.

UM POUCO DO PERFIL DE CADA UM DOS LÍDERES CORINTIANOS:

Alessandro
Depois de ficar quase 80 dias sem jogar devido à lesão muscular na coxa direita, o experiente lateral-direito tenta, jogo após jogo, voltar ao melhor momento técnico. Ainda não conseguiu, mas nem Tite nem seus companheiros pensam na equipe do Timão sem o camisa 2. E a explicação está na postura do jogador fora de campo. Alessandro construiu sua liderança ao longo das quatro temporadas pelo clube. Experiente, foi um dos jogadores que estiveram a frente nos bons e maus momentos, como diante do Palmeiras, após três dias da eliminação para o Tolima. Ele marcou o gol da vitória sobre o rival, que devolveu a paz e garantiu Tite.

Paulo André
A liderança exercida pelo zagueiro está relacionada à postura de se manter no dia-a-dia com a mesma intensidade de um titular, mesmo quando a chance de jogar é quase nula. Além disso, seu grau de escolaridade, acima da média dos jogadores de futebol, também o ajuda a exercer esse papel. Tanto que, quando Ronaldo e Roberto Carlos faziam parte do grupo, Paulo era um dos que conseguiam manter-se como líder perante ao grupo, mesmo com a importância da dupla. O zagueiro é um dos que negociam as bonificações com a diretoria, quando necessário. Internamente, o bom futebol diante do São Paulo, depois de tanto tempo sem jogar, não causou espanto.

Alex
Recém-chegado, o meia conquistou o grupo não apenas por sua forma de se posicionar perante ao grupo. E nem mesmo pelo fato de, quando a situação não está boa, ser um dos que não dizem "não" à necessidade de ir aos microfones para se explicar. A liderança de Alex foi conquistada pelo seu desempenho em campo. Primeiro, ao aceitar a posição de reserva mesmo sabendo que foi uma das contratações mais caras da história do clube. Além disso, quando entrou, não se escondeu. Foi ele que bateu pênalti diante de Galo e Atlético-PR, quando a equipe tinha a necessidade de fazer o gol. Isso sem falar nas inúmeras tentativas de chute, mesmo sem uma pontaria 100%.

Danilo
O meia exerce uma liderança quase silenciosa no grupo. Seu jeito de ser, de nunca reclamar ou colocar companheiro no olho do furacão, faz com que ele seja elogiado por todos. Dentro de campo, é um daqueles que não se escondem, que buscam a bola a todo momento, mesmo que a situação na partida não esteja tão boa. É possível ter dimensão do respeito que Danilo tem perante ao grupo quando o treinador opta por sua substituição. Os companheiros não pensam duas vezes em reverenciá-lo com aplausos. Alguns, aliás, com os dois braços levantados. Assim como ocorre com Paulo André e Alex, não reclamar quando tem de ficar no banco também é visto como motivo.

Emerson Sheik
O atacante, mesmo recém-chegado ao Corinthians, mostra que momentos de turbulência não são necessariamente momentos de se esconder. Ao contrário. O camisa 11, na atual fase complicada da equipe no Brasileirão, é o que mais procura o jogo, é o que mais pede bola e dá opção aos companheiros. Contra o São Paulo, foi o que mais deu trabalho aos adversários. E isso não ficou restrito ao Majestoso. Emerson foi assim em todas as últimas partidas. Mesmo sem marcar gols, vem sendo fundamental e ganhando espaç. Fora de campo, foi o único a pedir para torcida um pouco de paz.

Fonte: LANCENET!

Enviado por: Aida

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes