Vasco e Timão: exemplos para o Cruzeiro em caso de queda para a Série B

Vasco e Timão: exemplos para o Cruzeiro em caso de queda para a Série B

Por Meu Timão

Temporada 2011 não está boa para o Cruzeiro, sobretudo no Brasileirão

Temporada 2011 não está boa para o Cruzeiro, sobretudo no Brasileirão

Foto: Gil Leonardi

A briga do Cruzeiro contra a degola pode ter sérias consequências nas estruturas do clube. Além de manchar a história celeste, o descenso traria grandes complicações financeiras ao clube.

A Raposa fechou 2010 com superávit em seu balanço, feito destacado pelo próprio site do clube, em maio deste ano. O rebaixamento, porém, poderia atrapalhar direta e indiretamente as contas celestes.

A princípio, mesmo caindo, o Cruzeiro não perderia sua cota de TV em nível de Série A, conforme acordo feito entre os clubes e a emissora detentora dos direitos de transmissão. No entanto, a longo prazo a segunda divisão traria problemas.

- A Série A tem exposição na Globo, a série B tem seu transmitido na Band. A Globo tem, em média, 23 pontos no Ibope, a Band tem seis, no máximo. São números que sustentam o apoio financeiro de um patrocinador, em uma possível negociação. O clube acaba perdendo na queda de série B ? disse ao LANCE!NET o especialista em marketing Rodrigo Barros.

Atualmente, o Cruzeiro recebe certa de 12 milhões do Banco BMG, seu patrocinador master. O contrato é válido até do fim de 2012.

Vasco e Corinthians são bons exemplos. Rebaixados recentemente, os dois não sofreram a desvalorização de suas marcas, muito menos queda nas receitas. Para isso, foi preciso traçar parcerias e estratégias audaciosas.

- É importante continuar bem financeiramente para ter mais força para subir. O Vasco trabalhou bem a parte financeira, buscamos patrocínios e não podemos reclamar deles. Em uma parceria, é preciso ter presença nos bons e nos maus momentos. Mostramos, mesmo na segunda divisão, a grandeza de nossa marca ? explicou ao LANCE!NET Roberto Dinamite, presidente do Vasco.

Até aqui, porém, a diretoria celeste parece não acreditar nas chances da equipe descer de divisão.

- O Cruzeiro, definitivamente, não trabalha com essa hipótese, não estamos pensando no rebaixamento. Nosso trabalho está totalmente voltado para a permanência na Série A ? afirmou o gerente de futebol, Valdir Barbosa, em entrevista ao LANCE!NET.

Sem trabalho preventivo, a diretoria celeste vai precisar traçar muito bem o planejamento da equipe caso o pior aconteça no próximo dia 4 de dezembro.

Elenco também pode sofrer

Uma possível queda para a Série B certamente diminuiria o orçamento do Cruzeiro para a temporada 2012. Com isso, a contenção de despesas atingiria diretamente o elenco celeste, que poderia perder jogadores ou passar por reformulações de contratos.

- Isso teria que ser tratado na oportunidade. O Gilvan teria que conversar com o plantel todo para saber quem teria interesse em ficar ou se ele liberaria alguém ? afirmou Dimas Fonseca, diretor de futebol celeste, no dia 19 de outubro.

O certo é que diversos clubes estão torcendo pela queda da Raposa, para poder contratar os atuais jogadores do clube. O Corinthians está de olho em Montillo e o São Paulo tem interesse em Fabrício.

Em um eventual cenário de queda, outros negócios de ocasião certamente apareceriam. Fábio, Diego Renan e Wallyson também poderiam ser assediados.

Corinthians: queda 'exemplar'

O Corinthians é, certamente, o melhor exemplo quando o assunto é captação de recursos na Série B. Mesmo após cair, a diretoria corintiana entrou em ação e traçou planos para reerguer o clube.

O Timão trocou de patrocinador e passou a captar R$ 16,5 milhões na Série B, contra R$ 5,5 milhões anteriormente. A força popular do Corinthians também ajudou. Na queda, a arrecadação bruta na bilhateria foi de R$ 7,4 milhões (média de 17.281), contra R$ 16 milhões (média de 26.087) na segundona.

Vasco caiu em 2008, Timão em 2007 (Fotos: Cleber Mendes e Ricardo Rimoli)

- O Corinthians é um exemplo de como trabalhar a marca mesmo na segunda divisão. Tem de ser levado em consideração, puxar algo que seja aproveitoso na realidade do Cruzeiro, se for o caso. A Série B é um momento que o departamento de marketing tem estar bem ajustado com seu público-alvo, ativando a paixão do torcedor - disse Rodrigo Barros.

Quando caiu, o Corinthians fez uma limpeza no elenco e montou uma base que ergueu o time nos anos seguintes. Jogadores como Alessandro, Chicão, Cristian e André Santos chegaram ao clube para isso.

Bate-bola: Roberto Dinamite, presidente do Vasco

LANCE!NET: Como é a experiência de cair?
Roberto Dinamite: Para um time grande, ir para a Série B é sempre ruim, mas não é o fim do mundo. Clubes como Vasco, Corinthians, Grêmio, e outros, caíram e voltaram ainda mais fortes. Se a queda puder ser evitada, melhor, mas para nós serviu como uma referência do fundo do poço.

L!NET: Como a queda mudou o planejamento vascaíno?
Dinamite: Quando caímos, tivemos a confiança do torcedor, que nos ajudou a voltar. Não podíamos formar um time para a segunda e outro para a primeira, tem que haver continuidade. O Vasco fez isso, acho que acertamos mais do que erramos.

L!NET: Financeiramente, o Vasco voltou mais forte da Série B?
Dinamite: Acho que voltamos mais fortes no geral, sobretudo com o apoio da torcida que viveu esse momento de angústia. Hoje, tenho certeza que o vascaíno aprendeu com o momento difícil e está muito feliz.

L!NET: Como foi a participação da torcida?
Dinamite: Mostramos uma determinação vinda do torcedor. Diminuiu nossa torcida? Não. Estatisticamente podemos provar isso, pois tivemos a maior renda do Maracanã em 2009, em comparação às outras divisões. Tem o lado ruim, mas é possível tirar lições.

Com a palavra: Rodrigo Vessoni, setorista do Corinthians no L!NET

'O Corinthians certamente voltou mais forte da Série B, tanto que logo no primeiro semestre de 2009 foi campeão estadual e da Copa do Brasil. Sem dúvida alguma, a marca se valorizou ainda mais, somente porque o clube soube trabalhar estratégias para isso.

Se o Corinthians ficasse no marasmo, não se mexesse, não ia andar. Eles sacudiram a poeira e conseguiram ter êxito. O marketing fez com que a desgraça da queda se transformasse em um trampolim, que mudasse tudo. A diretoria reformulou, contratou e se acertou dentro de campo. Fora dele, o marketing fez o Corinthians voltar a ter as manchetes que merecia.

O salto financeiro que o clube teve com a Série B pode servir de exemplo para o Cruzeiro.'

As ações feitas pelo Corinthians

Sócios
O Corinthians lançou o plano de sócios no ano da Série B. Hoje, o clube tem mais de 70mil filiados, 55mil em dia.

Camisa forte
O Corinthians recebia 5% dos royalties em cada camisa vendida. O contrato foi ajustado e passou a ser 18%.

Dinheiro da TV
A cota de TV não diminuiu. Houve um acordo para manter valores recebidos Série A.

Marketing em alta
Timão Tour, Timão TV, 'Timão é sua cara', Filme da Série B... O clube fez ações para ficar mais próximo do torcedor, criando cases que deram frutos.

Fonte: Lancenet

Veja Mais:

  • Alan Mineiro não volta ao Corinthians em 2017

    Corinthians empresta Alan Mineiro para quarto clube diferente em menos de um ano

    ver detalhes
  • Corinthians encerrou preparação contra a Ponte Preta

    Clima bom, susto de Pablo e escalação do Corinthians: o último treino antes da Ponte Preta

    ver detalhes
  • Casuals foi derrotado nos pênaltis neste sábado; próxima temporada só em agosto

    Nos pênaltis, Corinthian-Casuals perde final e adia sonho de subir de divisão

    ver detalhes
  • Carille contará com 23 jogadores em Campinas neste domingo

    Corinthians relaciona 23 jogadores para final em Campinas

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes