'Motorista' Tite leva o busão do Timão rumo ao título

'Motorista' Tite leva o busão do Timão rumo ao título

Por Meu Timão

Tite comandou uma equipe de funcionários de uma empresa de ônibus em 1993

Tite comandou uma equipe de funcionários de uma empresa de ônibus em 1993

Foto: Tite comandou uma equipe de funcionários de uma empresa de ônibus em 1993 (Montagem sobre foto de Re

O caminho foi longo, intenso e sinuoso. Exigiu enorme atenção, concentração e paciência do motorista Tite. Mas após seis meses de Brasileirão e 67 pontos conquistados em 36 partidas, o ônibus do Corinthians pode chegar ao seu destino antes mesmo do previsto, já amanhã, contra o Figueirense, no Orlando Scarpelli.

? Não sei onde esse ônibus vai chegar. Vai chegar onde ele merecer. Tenho dito muito isso, não acredito em sorte e nem em azar, mas em trabalho, merecimento, conduta profissional e pessoal e na qualificação do grupo. Se merecermos, vamos conquistar esse título ? disse o treinador, ao LANCENET!.

Aos 50 anos, o condutor dessa equipe está muito próximo de alcançar um grande objetivo em sua carreira. Após conquistas recentes pelo Inter-RS, e três tropeços consecutivos pelo Timão, diz que necessita de um título de expressão ? como o do Brasileirão ? por um grande clube do eixo Rio-São Paulo para ganhar reconhecimento nacional.

E pensar que, em 1993, no Sul do país, após se aposentar como jogador profissional, o professor de Educação Física fazia jornada dupla entre os treinos da equipe do Veranópolis, que disputava a 2 divisão gaúcha, e da Marcopolo, empresa de ônibus com sede em Caxias do Sul, que competia no campeonato industrial e treinava uma vez por semana, após o turno de trabalho dos operários.

? É gostoso e gratificante saber que, se estou onde estou hoje, se deve muito a esse aprendizado que tive no marco inicial da carreira. Aquilo me deu know-how, me trouxe experiências vividas, e não teóricas. Costumo dizer que opinião se tem para tudo, mas crescimento pessoal e profissional é feito com experiências. Tem de sentir, tem de viver. Isso contribuiu muito na minha evolução profissional. Devo muito a eles ? admitiu.

Exaustos pela longa ?jornada? de trabalho nesse campeonato, os operários do Timão querem o penta. E Tite promete conduzi-los para isso.

Bate-Bola com Tite
Em entrevista exclusiva ao LANCENET!

?Não vou desmerecer a chance de ser campeão já no domingo?

LANCENET!: Como era treinar operários?
TITE: Estava buscando aprimoramento profissional no início da carreira. Treinava o Veranópolis, onde seríamos campeões invictos da 2 divisão, e uma vez por semana o time da Marcopolo. Fiz isso por seis meses. Jogávamos aos sábados o campeonato do Sesi. Acabava o turno e vinham treinar comigo, eu tinha de dosar a carga, já que nem alimentação tinham direito. Fui contratado para tentar tirar a hegemonia de outra empresa, mas pegamos vice no campeonato. Lá já tinha pressão por resultados.

LANCENET!: Qual era o perfil dos atletas?
TITE: Eram desde ex-atletas, que já haviam jogado comigo, a caras que trabalhavam lá, como motoristas, homens da parte industrial, outros da parte de engenharia e organização. Tinha uma mescla muito grande, de homens de certo nível intelectual a outros mais abaixo, com quem eu tinha de falar de forma diferente.

LANCENET!: Dá para compará-los com atletas profissionais com quem trabalhou?
TITE: Dá para comparar o amor, a paixão e a realização que todos têm em jogar futebol. Ganhando muito, pouco ou nada, nunca encontrei um atleta profissional que não se realize ou que não goste do que faz, seja ele de 2 divisão, de fábrica ou de alto nível. Essa foi a coisa em comum que todos passaram para mim e que trago como uma mensagem forte.

LANCENET!: E hoje, com esse grupo. Dá para ser campeão brasileiro?
TITE: Se merecermos, vamos conquistar o título. Não quero achar que já está definido, eu tenho essa respeito pelo Fluminense e Vasco, mas ao mesmo tempo não vou desmerecer essa possibilidade de ser campeão de forma antecipada. Estou sem a ganância de achar que já vencemos, mas também sem virar as costas para a possibilidade de ser campeão brasileiro já neste domingo.

Com a palavra: Ademir Bachi (Miro)
Irmão de Tite, foi auxiliar técnico dele na Marcopolo, em 1993

'Aquilo foi um aprendizado para Tite. Com as dificuldades dos atletas-funcionários, o querer ganhar, o dar um pouco a mais. Fomos contratados para tirar os cinco anos de hegemonia da Randon, outra empresa de ônibus. A pressão era forte. Ele pegava seu Escortzinho caindo aos pedaços e andava 80 km entre Veranópolis e Caxias. A família ficava bem preocupada, porque a estrada era perigosa. Tite comeu a massa por uns dez anos no interior do Rio Grande do Sul antes de chegar ao Grêmio. Em 2011, também viveu muita pressão. Resolvi ouvir mais informações do que opiniões. Torcemos para que o fim seja bom.'

Fonte: Lancenet

Veja Mais:

  • Michel (à esq.) e o sobrinho foram ao Maracanã naquele 23 de outubro

    Terceiro corinthiano solto no Rio desabafa: 'Fui pra ver o jogo, não pra brigar'

    ver detalhes
  • Torcedores na Arena poderão adicionar patch da Chapecoense em camisas

    Loja da Arena irá personalizar grátis camisas em homenagem à Chapecoense

    ver detalhes
  • Corinthians já definiu profissionais que devem permanecer e ser negociados

    Isaac, Mendoza, Oswaldo... Confira quem chega e quem sai do Corinthians

    ver detalhes
  • É tudo política, estúpido!

    [Marco Bello] É tudo política, estúpido!

    ver detalhes

Comente a notícia:

Nenhum comentário ainda. Seja o primeiro a comentar!

  • 1000 caracteres restantes