Sem um centroavante, Timão finaliza menos, mas defesa ficou mais sólida

Sem um centroavante, Timão finaliza menos, mas defesa ficou mais sólida

São Paulo -Tudo mudou no dia dois de maio, na primeira partida contra o Emelec-EQU, pelas oitavas de final da Libertadores. O esquema campeão brasileiro de 2011 foi alterado para um sistema sem atacante de referência, com saída de Liedson do time. Mas o que efetivamente ficou diferente dentro de campo de lá em diante?

Para responder a dúvida, o MARCA BRASIL fez um levantamento técnico das atuações corintianas nos jogos posteriores com um centroavante de ofício e sem ele. Conclusão: o número de finalizações diminuiu, porém, o sistema defensivo ficou ainda mais sólido.

Ainda em busca de aperfeiçoar seu novo esquema, Tite observa atentamente ao que está mudando na engrenagem corintiana para, assim, minimizar os defeitos que o time vem apresentando.

'O que eu procuro é dar um tempo grande para a adaptação do time. E aproveito o momento técnico do atleta para arrancar o que ele está produzindo de melhor. E aí, é ajustar o que é preciso', disse Tite.

'Fico muito atento ao número de finalizações, assistências, posse de bola e ao que eu possa melhorar desse sistema', explicou o treinador, que sabe que ainda é preciso um tempo maior para chegar à exata mudança de postura do time em campo, em comparação ao esquema anterior.

Com Liedson ou Elton, o time tem a referência no ataque, com dois jogadores abertos pelo lado do campo, com um meia centralizado. Sem eles, um meia, que na nova formação é Alex, se reveza entre o ataque e o meio de campo, para preencher o setor ofensivo. Tite esclarece melhor:

 'O Alex fica nas costas do volante adversário para dar a bola para os atacantes abertos finalizarem. Com o centroavante, temos a bola aérea'.

Com conceitos técnicos, Tite explicou a amostragem retratada pela reportagem, que diagnosticou que o ataque diminuiu o número de finalizações em campo. Para ele, que fez referência ao estilo de jogo do Barcelona, a mecânica ofensiva elaborada é mais importante que apenas um homem de referência no time.

'Fui campeão da Copa do Brasil (2001) sem ter um centroavante (o ataque era formado por Luiz Mário e Marcelinho Paraíba) e fiz cinco gols no Corinthians (2 a 2, no Olímpico, e 3 a 1 para o Grêmio, no Morumbi). Depende da mecânica que você coloca em campo. Se tem um meia que aparece na frente e um outro jogador infiltra, isso é recompensado', concluiu.
 

Reportagem de André Pires e Felipe Piccoli

Fonte: Marca Brasil

Veja Mais:

  • Cássio (à dir.) foi apresentado como reforço do Corinthians ao lado de Felipe, hoje no Porto

    'Nunca me imaginei jogando no Corinthians': Cássio conta bastidores da chegada ao Timão

    ver detalhes
  • Torcedores seguem se associando ao Corinthians

    Em nova atualização do Fiel Torcedor, número de sócios do Corinthians segue crescendo

    ver detalhes
  • Arena Corinthians pode ser palco de torneio de pré-temporada em 2018

    Copa-2018 e troca de gramado deixam Corinthians cauteloso sobre torneio de pré-temporada na Arena

    ver detalhes
  • Gil e Felipe estão entre as vendas mais caras da equipe de 2016

    Jovem que atuou 17 minutos pelo Flamengo rende mais que todas as vendas do Corinthians em 2016

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes