Febre do Corinthians na final da Libertadores faz até anticorintianos lucrarem em São Paulo

Febre do Corinthians na final da Libertadores faz até anticorintianos lucrarem em São Paulo

Febre do Corinthians na final da Libertadores faz até anticorintianos lucrarem em São Paulo

Febre do Corinthians na final da Libertadores faz até anticorintianos lucrarem em São Paulo

Por Bruno Doro

Vai pedir uma pizza na próxima quarta-feira? Uma coisa você pode apostar: as chances do entregador ser corintiano são baixas. Com o segundo jogo da final da Libertadores marcado para as 21h50, o pedido mais ouvido por gerentes de pizzarias pela cidade de São Paulo é o de folga na quarta-feira.

O fenômeno dos entregadores de pizza é apenas um dos muitos exemplos de como a febre do Corinthians na Libertadores afeta o setor de serviços paulistano. Se São Paulo é a cidade que nunca para, ela tira uma folguinha em hora de jogo do Corinthians, ainda mais pela final de um campeonato que o time nunca ganhou.

'Na semana passada eu já tinha acertado com um colega para trocar. Não tinha condição de passar a tensão da semana passada. Agora, quero mais é ficar quietinho no meu sofá, assistindo ao jogo na TV. E, se ganhar, acho que nem apareço na quinta-feira'?, brinca Zenilton Santos Conceição, entregador de pizza da tradicional Speranza, no Bixiga.

A pizzaria, aliás, montou um esquema especial para o jogo: 'Temos 60% de corintianos na equipe. Não dava para dar folga para todos eles porque o movimento de entregas aumenta 20%, mas quem conseguiu trocar, não vem trabalhar'?, conta o gerente Djinaldo dos Santos Nogueira, torcedor do rival São Paulo.

Também no tradicional bairro do Bixiga, outras pizzarias apostam em entregadores anticorintianos para garantir que os clientes recebam seus pedidos quentinhos. 'Nós não temos nenhum entregador corintiano, então não estamos com medo de alguém faltar'?, conta Manoel de Oliveira, gerente da Silas Pizzaria.

Já na Mano'?s Pizza, do outro lado da Rua 13 de maio, um corintiano vai trabalhar, mas revela a estratégia para acompanhar o jogo. 'Quando a gente entrega uma pizza, dá uma olhadinha para dentro e vê um pouquinho. Tem que ser assim, de orelhada'?, diverte-se Ariosvaldo Silva Pontes. 'Mas ele pode ficar tranquilo que vai dar Boca'?, provoca o colega Jairo Claudinei da Silva.

LOJAS AUMENTAM ESTOQUE DE CAMISAS PREVENDO BOOM DE VENDAS

Outro setor que está lucrando com o Corinthians é o de venda de produtos. O UOL Esporte contatou várias lojas da rede Poderoso Timão, a loja oficial do clube, que confirmaram que o interesse por itens com o escudo corintiano aumentou.

Fora do universo de lojas temáticas, o fenômeno é o mesmo, tanto que a maioria delas tratou de aumentar o estoque de artigos corintianos com a boa campanha alvinegra.

'A procura aumentou muito conforme o time foi avançando na competição. Tanto que o estoque da Centauro já está preparado para um eventual título do Corinthians'?, afirma Rubens Tessitore, gerente de produtos do Grupo SBF, detentor da rede de lojas Centauro.

Mas não são apenas os motoboys os afetados pela final. Entre os taxistas a movimentação especial também acontece. Entre corintianos e torcedores de outras equipes. 'Eu sou palmeirense e estava pensando em trabalhar, mas alguns amigos convidaram e resolvi ir para o churrasco. Todo mundo deixou de ganhar dinheiro naquela noite. Eu tive até que levar carne, mas valeu a pena'?, diz Daniel Marco Napolitano, que trabalha na zona central de São Paulo.

A grande decisão, porém, será de muito trabalho. 'Em dia de jogo, o movimento sempre é maior. Além disso, no segundo tempo eu já vou para a região do Pacaembu. São mais de 35 mil pessoas. Os taxis de lá não dão conta. A estratégia é chegar a dez minutos do fim do jogo, para pegar quem saiu um pouco antes do fim'?, conta Daniel.

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Filha dá resposta sensacional ao pai palmeirense: 'Vai, Corinthians'

    Pai força garotinha a cantar música do Palmeiras, e ela surpreende com um 'Vai, Corinthians!'

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes