Libertadores: Campanha do Corinthians é marcada pela força defensiva

Libertadores: Campanha do Corinthians é marcada pela força defensiva

Libertadores: Campanha do Corinthians é marcada pela força defensiva

Libertadores: Campanha do Corinthians é marcada pela força defensiva

A caminhada do Corinthians para o título da Copa Libertadores não teve atuações de encher os olhos ou um ataque arrebatador, mas, sim, uma defesa sólida e consistente, principal trunfo da equipe ao longo dos 14 jogos da competição. Com o jogo baseado na marcação, às vezes no campo de ataque, outras esperando o adversário, o técnico Tite implementou a sua filosofia, os jogadores abraçaram a ideia e, desta forma, levaram o clube ao seu primeiro título continental.


Desde a primeira fase foi assim, quando o Corinthians sofreu apenas dois gols em seis partidas disputadas. No mata-mata, a equipe conseguia segurar o adversário fora de casa, para decidir em seus domínios. Foi assim contra o Emelec, quando empatou por 0 a 0 no Equador e venceu por 3 a 0 no Pacaembu, ou contra o Vasco, quando também ficou na igualdade sem gols fora de casa e decidiu em seus domínios.

A exceção foi o confronto histórico diante do Santos. No primeiro tempo da partida na Vila Belmiro, o time do Parque São Jorge talvez tenha tido a sua melhor atuação na competição, pressionando o adversário na marcação e controlando o jogo. Não à toa o golaço de Emerson, que selou o triunfo por 1 a 0, foi marcado na primeira etapa. Na volta, no Pacaembu, a equipe não jogou bem, mas conseguiu segurar o empate por 1 a 1 que lhe garantiu na decisão.

A igualdade por 1 a 1 diante do Boca Juniors, em La Bombonera, fez com que o título corintiano só pudesse ser garantido de forma invicta, já que a equipe ainda não havia perdido na competição e precisava pelo menos de um empate na partida de volta para levar a partida para os pênaltis. Com isso, o clube igualou um feito conseguido seis vezes por apenas quatro times: o próprio Boca Juniors, em 1960 e 1978, o Santos, em 1963, o Independiente, em 1964, e o Estudiantes, em 1969 e 1970.

O mérito de Tite ao ajeitar a defesa corintiana torna-se ainda maior se considerarmos que três das cinco peças do setor foram mudadas desde o início do ano. Na lateral direita, Alessandro começou como titular, mas se lesionou e viu o volante Edenilson se destacar improvisado na posição. Só com uma contusão do companheiro, o experiente lateral voltou a assegurar sua vaga. Na zaga, Paulo André conquistou a posição no fim do ano passado e seria o titular, se não fosse a lesão em seu joelho direito. Assim, Chicão voltou à equipe e comandou o setor com sua liderança.

Mas a principal mudança aconteceu no gol. Campeão brasileiro como titular em 2011, Júlio César atuou durante toda a fase de grupos da Libertadores, mas, após uma falha diante da Ponte Preta, nas quartas de final do Campeonato Paulista, foi substituído. O desconhecido Cássio entrou em seu lugar, fechou o gol na partida de ida diante do Emelec e conquistou a confiança de Tite. Na partida de volta diante do Vasco, ele teria papel fundamental ao defender chute à queima-roupa de Diego Souza, quando o jogo ainda estava em 0 a 0.

Mas o ataque também foi bastante alterado ao longo da competição. O Corinthians iniciou sua caminhada diante do Deportivo Táchira (empate por 1 a 1 na Venezuela) com três atacantes. Já diante do Nacional, do Paraguai, no segundo jogo, Emerson perdeu a vaga para Alex e só a reconquistaria no confronto seguinte diante dos paraguaios, entrando justamente no lugar do meia, que estava machucado. Somente na primeira partida diante do Vasco foi utilizada a formação que seria campeã, no 4-4-2, com Jorge Henrique e Emerson à frente, sem Liedson.

Quando o time finalmente estava definido e parecia que nada mais mudaria, surgiu a estrela de um jogador desconhecido até então. Romarinho foi contratado pelo Corinthians no fim de maio, após o confronto diante do Vasco. Ele sequer entrou nas partidas contra o Santos, mas, depois de marcar dois gols em um clássico contra o Palmeiras, pelo Campeonato Brasileiro, agradou Tite. Com a equipe perdendo por 1 a 0 para o Boca Juniors na primeira partida da decisão, o treinador apostou no jovem atacante, que marcou o gol de empate na Bombonera, fundamental para o título.

Fonte: Futebol Interior

Veja Mais:

  • Jogadores da Seleção Brasileira cantando 'Timão Ê Ô'

    VÍDEO: Jogadores da Seleção Brasileira cantando 'Timão Ê Ô'

    ver detalhes
  • Tite concedeu entrevista na Arena nesta segunda-feira

    Tite explica comemoração na Arena Corinthians; Fagner será titular

    ver detalhes
  • Marcelinho Paulista pode voltar ao Timão para comandar cargo na base

    Ex-volante é cotado para assumir gerência da base do Corinthians

    ver detalhes
  • Carlinhos está recuperado de cirurgia no púbis

    Artilheiro da Copinha faz primeiro treino no Corinthians após cirurgia

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes