Receitas da Arena Corinthians serão passadas para BNDES por mais tempo

Receitas da Arena Corinthians serão passadas para BNDES por mais tempo

Foi prolongada de 16 para 30 anos a duração do fundo criado para receber todas as receitas do futuro estádio corintiano até o clube pagar os custos da obra. A alteração foi publicada no caderno empresarial do Diário Oficial do Estado de São Paulo no último dia 2.

Inicialmente, o Corinthians estabeleceu 16 anos para o fundo existir por um ano a mais do que o tempo estipulado para pagar ao BNDES (13 anos, após dois de carência). Enquanto o Arena-Fundo de Investimento Imobiliário FII estiver na ativa, a receita gerada pelo Itaquerão será toda repassada para esse fundo. Isso apesar de o estádio ser explorado e administrado pelo Corinthians. O clube não é o principal cotista. Odebrecht e Jequitiba Patrimonial, especializada em administração de obras, dividem esse posto.

O Corinthians, porém, nega que tal situação diminua seu controle sobre a arena. E explica que receberá cotas conforme pagar a dívida. Assim, ao final, será o único cotista.

Segundo o clube, a mudança foi pedida pelos cotistas e é uma prática normal no mercado. A alegação é de que o fundo precisa durar bem mais do que o financiamento obtido junto ao BNDES para a construção do estádio. Se o fundo acabar e o financiamento não for pago, os tomadores dos empréstimos em nome do Corinthians não têm de quem cobrar.

Com a alteração, o dinheiro também estará a salvo, caso o Corinthians tenha problemas como uma grande dívida ou se perder um processo milionário nas próximas três décadas, conforme a versão do alvinegro.

Os responsáveis pelo projeto do lado corintiano negam que o prazo tenha sido prorrogado para aumentar o tempo que o clube terá para pagar a dívida. Asseguram que o compromisso continua sendo de quitar os cerca de R$ 820 milhões necessários para a construção em 15 anos.

Um dos envolvidos na operação, porém, disse ao blog que acredita ser difícil vender os Cids (títulos emitidos pela prefeitura) por R$ 420 milhões, valor máximo estipulado. A negociação dos papéis é uma das formas de a Odebrecht ser paga pela obra.

Se a soma da quantia obtida com os Cids e a venda dos naming rights não atingir os R$ 820 milhões, o que faltar terá de ser pago com a exploração do estádio. E há o risco de o prazo passar dos 15 anos.

Além das receitas, o Corinthians cedeu ao fundo, enquanto ele durar, o terreno que recebeu da prefeitura. Uma consultoria jurídica deu um parecer favorável à operação.

O clube alega também que será estipulado um valor anual a ser pago por ele para quitar o débito. Se as receitas superarem a quantia necessária, o que sobrar pertencerá ao Corinthians, apesar de o dinheiro ir para o fundo. E que há uma discussão com os cotistas sobre se, nesse caso, a sobra pode ser usada livremente pelos corintianos ou deve ficar como reserva para o pagamento seguinte.

Fonte: Uol

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes