Apesar de rejeitar nomes, Corinthians faz pedido para registrar marcas Itaquerão e Fielzão

Apesar de rejeitar nomes, Corinthians faz pedido para registrar marcas Itaquerão e Fielzão

Apesar de rejeitar nomes, Corinthians faz pedido para registrar marcas Itaquerão e Fielzão

Apesar de rejeitar nomes, Corinthians faz pedido para registrar marcas Itaquerão e Fielzão

Por Paulo Passos/Bruno Thadeu
Do UOL, em São Paulo

Enquanto rejeita a utilização dos nomes Itaquerão e Fielzão para o seu estádio que está sendo construído na zona leste de São Paulo, o Corinthians age para registrar as duas marcas. O clube entrou com pedido no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual), autarquia do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, com um pedido para ser dono dos dois nomes para uso comercial em sete categorias de comércio e serviço, entre elas estádios de futebol. O clube informa que os pedidos foram feitos para evitar que empresas usem o nome em referência à arena.

Os pedidos do Corinthians foram feitos entre novembro e dezembro de 2011. Além de solicitar a posse das marcas, o clube contesta o pedido de outras empresas que tentam usar comercialmente os termos Itaquerão e Fielzão.

'Temos mais de 10 pedidos de oposição a empresas que pretendem usar as marcas Itaquerão e Fielzão. O Corinthians vem solicitando registro de várias marcas que podem ser utilizadas no estádio. Além de Itaquerão e Fielzão tem mais duas. Depositamos os nomes no INPI a pedido do marketing do clube', afirmou ao UOL Esporte a advogada Luciana Bampa Haddad, contratada pelo clube para cuidar do registro de marcas.

O Corinthians tenta garantir exclusividade na utilização dos nomes em dezenas de produtos e serviços como bolas, artigos esportivos, roupas, serviços de telecomunicação, malas, guarda-chuvas, revistas, livros, lojas e, é claro, arenas esportivas.

Desde o pedido até a aprovação do registro, o processo costuma levar dois anos, segundo advogados especialistas na área ouvidos pelo UOL Esporte. Como entrou com os processos em novembro e dezembro de 2011, o Corinthians deverá ter a aprovação do uso exclusivo das marcas justamente na inauguração do estádio, prevista para o final de 2013.

O departamento de marketing do Corinthians classifica a medida de registrar as marcas como 'preventiva' e nega que pretenda batizar o estádio como Fielzão ou Itaquerão. O sonho do clube é vender o nome para uma empresa, que exponha a sua marca e banque parte do custo da obra, orçada em R$ 820 milhões, mas que deve ultrapassar R$ 1 bi.

'Não vamos usar essas marcas Itaquerão e Fielzão. O estádio não terá esses nomes. Registramos apenas para impedir que alguém faça isso e use fazendo referência à Arena Corinthians. A gente não tem pressa, mas vamos anunciar um naming rights', afirmou ao UOL Esporte o gerente de marketing do clube, Caio Campos.



Corinthians disputa no INPI direito do uso exclusivo das marcas Itaquerão e Fielzão

Até agora, entretanto, o Corinthians não conseguiu nenhuma empresa disposta a bancar o naming rights. Praxe nos Estados Unidos e na Europa, a ação ainda não pegou no Brasil. O Atlético-PR foi pioneiro no país em vender o nome de uma arena, para a japonesa Kyocera. Porém, após o nome ser ignorado pelas emissoras de televisão, o contrato não foi renovado. O Corinthians diz ter acertado com a TV Globo que a empresa patrocinadora do estádio, caso algum acordo seja concretizado, terá o seu nome citado nas transmissões e telejornais da emissora.

Hoje descartado pelo Corinthians, Fielzão já foi nome de um dos projetos de estádio do clube. No final da década de 90, o clube assinou uma parceria com a Hicks, Muse, Tate & Furst. Uma das promessas da empresa era construir uma arena para os corintianos, que seria batizada de Fielzão. O projeto do Hicks acabou não saindo do papel e a parceria foi desfeita em 2003.

Foto: UOL

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes