Em entrevista, Martínez explica sua escolha em jogar no Corinthians

Em entrevista, Martínez explica sua escolha em jogar no Corinthians

36 mil visualizações 108 comentários Comunicar erro

Martinez explica por que apesar de propostas de muitos clubes veio para o Corinthians

Martinez explica por que apesar de propostas de muitos clubes veio para o Corinthians

Ao acertar o contrato com o Corinthians, Juan Manuel ‘El Burrito’ Martínez pegou referências com um companheiro de Vélez Sarsfield, o zagueiro Sebastián Dominguez, que atuou no Timão ao lado de Tevez e Mascherano em 2005. “Ele me disse que é a maior equipe do Brasil”, falou Martínez, em entrevista exclusiva ao Estado.

E agora o atacante quer brilhar com a camisa alvinegra. Ele evita comparações com Tevez e também o lugar-comum de que brasileiro gosta de jogador argentino porque é mais aguerrido. “De nada serve ser aguerrido se não jogar bem. Futebol se joga dentro do campo.” Leia a entrevista com o jogador, que espera chance no time titular de Tite domingo, contra o São Paulo:

Você é muito identificado com o Vélez Sarsfield e já disse que um dia gostaria de voltar ao clube. Como está sendo essa fase de adaptação no Corinthians?
Estou muito feliz aqui e creio que dia após dia vou me sentir mais cômodo, tanto dentro quanto fora do campo.

Quais foram suas primeiras impressões do Corinthians?
Eu já conhecia o Corinthians porque é uma grande equipe, em que jogaram vários argentinos e um deles é meu amigo, o Sebastián Domingues. Ele me falou como é o Corinthians. Aqui jogaram Tevez e Mascherano e o clube é conhecido em grande parte por isso.

O que o Sebá lhe disse sobre o Corinthians?
Ele me disse que é a maior equipe do Brasil, que São Paulo é uma cidade grande, que o time tem muita torcida, e que quando eu chegasse aqui iria me dar conta do que é jogar na maior equipe do Brasil.

Muitas pessoas comparam o Corinthians com o Boca Juniors. O que acha disso?
Creio que são clubes distintos. O Corinthians é a maior equipe, uma das maiores do Brasil. Na Argentina, o Boca tem o River. Em quantidade de torcedores também são diferentes, por causa do tamanho do Brasil. Nos torneios internacionais o Boca tem uma diferença em relação ao Corinthians pela quantidade de títulos, como nas Copas Libertadores. Nisso também se diferencia do River, que é uma equipe grande da Argentina, que ganha mais torneios locais. São duas histórias distintas.

E em relação ao Vélez, seu antigo clube, há alguma comparação com o Corinthians?
Não, são totalmente distintos quanto à torcida. O que se parece muito é o complexo de treinamento, nisso o Corinthians se parece muito com o Vélez.

Mas o modo como as equipes estão jogando, do ponto de vista tático, é similar, não?
A maneira de jogar é similar, não igual, mas tem uma ideia muito parecida com a do técnico Tite, que é o 4-2-3-1. Jogamos igual, mas, claro, os companheiros são outros. Então tudo vai mudando de acordo com os companheiros.

Você interessava ao Santos, ao Flamengo e a times da Europa , como Valencia e Genoa. Por que optou pelo Corinthians?
Sim, havia várias equipes e de diferentes mercados. Mas optei pelo Corinthians pela proximidade da Argentina, pelo momento do clube, campeão da Libertadores. Estar numa grande equipe e perto da família me influenciou.

O Santos chegou perto...
Falamos com o vice-presidente do Santos, mas eu disse que estava falando com gente do Corinthians e que depois lhe dava uma
resposta. E dei: disse que não, que ia para o Corinthians.

Você teme comparações com Tevez?
Não temo, cada um faz seu caminho, sua história. Quero fazer o meu caminho aqui e que as coisas saiam da melhor maneira para o Corinthians e para mim e também com a torcida.

Tevez ganhou a torcida pela maneira aguerrida de jogar, que é uma característica do jogador argentino. Concorda com isso?
É uma característica do argentino ser aguerrido, mas o mais importante é jogar. De nada serve ser aguerrido se não jogar bem. Futebol é dentro de campo.

Quais são as principais diferenças entre o futebol argentino e o brasileiro?
Os estádios são maiores aqui. O contato físico na Argentina é maior, aqui marcam muito jogo de corpo. Na Argentina, para que te marquem uma falta tem de ser forte, lá se marca menos falta. Para mim aqui é melhor (risos).

Gostou de jogar no Pacaembu e ver a torcida do Corinthians?
É muito lindo e é sempre melhor começar como titular, como foi contra o Inter. Senti muito o carinho da torcida, e isso é muito importante para o jogador.

Você marcou um gol contra o Santos, mas o Corinthians perdeu o clássico. Não deve ter sido tão bom assim o primeiro gol...
Do lado pessoal foi bom, porque pude fazer meu primeiro gol pelo Corinthians. Mas não serviu muito, porque perdemos. Mas a equipe jogou bem e mereceu ganhar, mas por uma série de erros da arbitragem acabamos perdendo. Mas é do futebol: um dia se equivocam contra você, outro dia a seu favor.

Qual sua opinião sobre Neymar?
É um grande jogador. Quando jogou contra mim no Vélez nós o neutralizamos muito bem, mas é um jogador que faz a diferença.

Vai a campo contra o São Paulo?
Não sei, tenho de trabalhar esta semana para ser titular ou para ficar no banco. Penso em fazer o melhor para a equipe.

Quando crê que será titular?
Tem de perguntar a ele (Tite) (risos).

A posição na qual você vem jogando é parecida com a que jogava no Vélez?
É muito similar, mas creio que o meu rendimento ainda será melhor e vou me adaptar mais rápido.

Quando começaram a chamar você de Burrito, em alusão ao ex-jogador Ortega?
Começou quando eu jogava na base do Vélez, com 13 anos, faz muito tempo. Que te comparem com um jogador tão importante quanto Ortega é lindo.

O que pensa de disputar o Mundial de Clubes?
Estamos nos preparando para ganhar todas as partidas do Brasileirão e, quando chegar o Mundial, em ganhar a primeira partida para passar à outra fase, sabendo que é muito difícil. O time mostrou isso na Libertadores, sendo campeão invicto.

Sonha em voltar a defender a seleção argentina?
Essa é minha ideia, jogar bem no Corinthians para voltar à seleção.

Na Copa do Mundo?
Como disse, é essa a minha ideia, mas primeiro preciso jogar bem no Corinthians para voltar à seleção, depois veremos, mas falta muito.

Fonte: Jornal O Estado De SP

Veja Mais:

  • Revelação de 2017, Pedrinho reforça Corinthians diante do Red Bull Brasil

    Com Pedrinho, Carille relaciona 23 no Corinthians para duelo com Red Bull Brasil

    ver detalhes
  • Livro 'Sócrates Eterno' será lançado na noite desta segunda, em São Paulo

    Viúva de Sócrates lança autobiografia do ex-jogador do Corinthians nesta segunda em São Paulo

    ver detalhes
  • Sem contusão, Clayson treinou normalmente e deve pegar Red Bull

    Após exames, Clayson treina no Corinthians e deve enfrentar Red Bull

    ver detalhes
  • Pedrinho conversou com o Meu Timão na noite deste sábado em evento da Nike

    Crédito no cartão do Burger King acaba; Pedrinho se diverte ao contar como descobriu

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes