Corinthians vai ao Ministério da Fazenda pra impedir a paralisação das obras da Arena

Corinthians vai ao Ministério da Fazenda pra impedir a paralisação das obras da Arena

Mais de 400 milhões de reais já foram gastos na obra

Mais de 400 milhões de reais já foram gastos na obra

Foto: Reprodução/Site Oderbrecht

O Corinthians volta a procurar o governo para tentar impedir que a construção do Itaquerão seja interrompida por falta de dinheiro. O encontro acontece nesta quinta-feira, no Ministério da Fazenda, e tenta viabilizar o empréstimo do BNDES necessário para manter as obras do estádio, palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

O vice-presidente do clube, Luis Paulo Rosenberg, participará do encontro (o ministro da Fazenda, Guido Mantega, não estará presente). Será a segunda reunião entre o Corinthians e o governo federal para tratar dos últimos entraves para a liberação do empréstimo de 400 milhões de reais. Para viabilizar o negócio, o Banco do Brasil exige garantias de que receberá o dinheiro e a definição de quem vai assumir a dívida.

A ideia do Corinthians era oferecer os naming rights do Itaquerão como garantia, mas até agora o clube não conseguiu vender a uma empresa o direito de emprestar seu nome à arena. Quem faz pressão pela liberação do empréstimo é a Odebrecht, responsável pela construção do estádio, orçado em 820 milhões de reais. A obra atingiu 50% do cronograma e já consumiu quase 400 milhões.

Esse valor foi pago pela própria Odebrecht através de empréstimos obtidos no mercado financeiro. A construtora já disse ao Corinthians que não pretende realizar um novo empréstimo e que aguarda a liberação da verba do BNDES.

O problema é que, ainda que o empréstimo seja liberado, os 400 milhões de reais não serão repassados de uma vez só. Nem o Corinthians nem a Odebrecht admitem publicamente que a obra pode parar, mas a construtora já disse em comunicado que está preocupada com o atraso da liberação do empréstimo. Os outros 420 milhões de reais necessários para pagar o estádio virão de uma linha de incentivos fiscais da Prefeitura de São Paulo. O Corinthians e a Odebrecht, no entanto, ainda não têm autorização para negociar os títulos do incentivo fiscal.

Fonte: Cenario MT

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes