Corinthians vai ao Ministério da Fazenda pra impedir a paralisação das obras da Arena

Corinthians vai ao Ministério da Fazenda pra impedir a paralisação das obras da Arena

9.1 mil visualizações 33 comentários Comunicar erro

Mais de 400 milhões de reais já foram gastos na obra

Mais de 400 milhões de reais já foram gastos na obra

Foto: Reprodução/Site Oderbrecht

O Corinthians volta a procurar o governo para tentar impedir que a construção do Itaquerão seja interrompida por falta de dinheiro. O encontro acontece nesta quinta-feira, no Ministério da Fazenda, e tenta viabilizar o empréstimo do BNDES necessário para manter as obras do estádio, palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

O vice-presidente do clube, Luis Paulo Rosenberg, participará do encontro (o ministro da Fazenda, Guido Mantega, não estará presente). Será a segunda reunião entre o Corinthians e o governo federal para tratar dos últimos entraves para a liberação do empréstimo de 400 milhões de reais. Para viabilizar o negócio, o Banco do Brasil exige garantias de que receberá o dinheiro e a definição de quem vai assumir a dívida.

A ideia do Corinthians era oferecer os naming rights do Itaquerão como garantia, mas até agora o clube não conseguiu vender a uma empresa o direito de emprestar seu nome à arena. Quem faz pressão pela liberação do empréstimo é a Odebrecht, responsável pela construção do estádio, orçado em 820 milhões de reais. A obra atingiu 50% do cronograma e já consumiu quase 400 milhões.

Esse valor foi pago pela própria Odebrecht através de empréstimos obtidos no mercado financeiro. A construtora já disse ao Corinthians que não pretende realizar um novo empréstimo e que aguarda a liberação da verba do BNDES.

O problema é que, ainda que o empréstimo seja liberado, os 400 milhões de reais não serão repassados de uma vez só. Nem o Corinthians nem a Odebrecht admitem publicamente que a obra pode parar, mas a construtora já disse em comunicado que está preocupada com o atraso da liberação do empréstimo. Os outros 420 milhões de reais necessários para pagar o estádio virão de uma linha de incentivos fiscais da Prefeitura de São Paulo. O Corinthians e a Odebrecht, no entanto, ainda não têm autorização para negociar os títulos do incentivo fiscal.

Fonte: Cenario MT

Veja Mais:

  • Maycon (à esq.) não fica após Copa; Rodriguinho e Jadson devem receber ofertas

    Andrés diz que Corinthians deve perder três titulares durante janela de transferências

    ver detalhes
  • Walmir e Carille batem papo durante treino; ambos deixam Corinthians rumo ao Al-Wehda

    'Pego de surpresa', braço-direito de Carille diz ter poucas informações sobre clube saudita

    ver detalhes
  • Balbuena foi capitão na última partida entre os dois times

    Corinthians defende bom retrospecto contra o Internacional neste domingo; veja números

    ver detalhes
  • Bicicleta de Bale inspira zoeira entre corinthianos na web: 'Parecia o Romero!'

    Bicicleta de Bale inspira zoeira entre corinthianos na web; confira melhores tweets

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes