Ralf mira evolução pessoal e estuda adversários

Ralf mira evolução pessoal e estuda adversários

Volante de marcação, responsável por desarmar os adversários em campo, a maior luta de Ralf, às vezes – acredite! –, é com ele mesmo. O camisa 5 do Corinthians não sossega. É do tipo que para na frente do espelho e se pegunta: o que eu posso fazer para melhorar o meu rendimento?

Alguns aspectos motivam essa necessidade de aperfeiçoamento. Existe a obrigação natural de evoluir, se destacar ainda mais nos fundamentos do futebol. Existe a necessidade de estudar os rivais com quem vai se encontrar em campo, para saber qual a melhor maneira de anulá-los.

A primeira preocupação aumentou depois de ele ser criticado publicamente por Mano Menezes. O técnico da seleção, à época, disse que não convocava Ralf porque ele tinha certa carência no passe. Depois disso, o volante até chegou a ser chamado, mas ainda não se firmou.

“Se eu disser que isso não mexeu com a minha autoestima, estarei mentindo. Claro que, quando é crítica construtiva, sei que tenho de melhorar. Mas não melhorei só pelo fato de ele ter falado e, sim, pela minha capacidade e qualidade, que fizeram com que chegasse ao Corinthians”, disse o meio-campista, em entrevista ao DIÁRIO.

Melhorar o passe, então, faz com que Ralf seja um volante mais completo. Agora, para executar a função básica da posição, ele conta com a ajuda da comissão técnica.

Diz que sempre recebe informações sobre como os jogadores que têm de marcar se postam em campo. Mas não se contenta com isso. “Sempre analiso os caras. Quando sei que vou encarar alguém, sento e olho esse tipo de coisa com um pouco mais de tranquilidade”, garantiu. Quer dizer, então, que já está de olho em Oscar, do Chelsea, possível adversário na final do Mundial? “É diferenciado, de alto nível. Mas temos um jogo antes. Temos de pensar nele.”

entrevista
Ralf_ Volante do Corinthians
‘Está muito difícil segurar a ansiedade para o Mundial’

DIÁRIO_ Faltam três rodadas para o fim do Brasileirão, claro, mas tem como não pensar no Mundial o tempo inteiro?
RALF_ É difícil. Está cada dia mais difícil segurar a ansiedade, por mais que tentemos. Vivemos a adrenalina do Brasileiro, mas sabemos que temos de esperar mais um pouco, porque faltam três rodadas. Para só depois pensar de vez no Mundial.

Depois do Brasileirão e da Libertadores, ganhar o Mundial terá sido o auge para você?
Quero ganhar tudo. Nós, jogadores, queremos jogar todos os jogos, ganhar todas as competições que temos, mas sabemos que do lado de lá também tem equipes muito qualificadas, como no Brasileiro, no Paulista, no Mundial nem se fala... Mas o Mundial é o sonho de todos, tanto disputar como, principalmente, conquistar. É um título muito desejado, um campeonato à parte, muito qualificado e sabemos que vai exigir muito foco, calma e tranquilidade.

Você nunca foi reserva do Corinthians por opção do técnico. Só quando titulares foram poupados. O que isso significa, pessoalmente, para você?
Significa muito. Não que não tenha jogadores capacitados ou qualificados para conquistar a titularidade, mas é como o Tite sempre fala: ninguém tem cadeira cativa. Eu procuro sempre buscar meu melhor a cada dia e isso faz com que tenha mantido a titularidade. Não é porque o Ralf tem cadeira cativa, ou o Paulinho, o Sheik. Ninguém tem. É buscar sempre o espaço em campo, como o Tite fala.

Fonte: Rede Bom Dia

Veja Mais:

  • Carlinhos marcou o seu décimo gol na competição

    Corinthians atropela Juventus na semifinal da Copinha e busca pelo décimo título

    ver detalhes
  • Drogba quer conversa com técnico e presidente antes de decisão

    Avaliando proposta, Drogba quer contato direto com técnico e presidente do Corinthians

    ver detalhes
  • Empresário do meia Pedrinho acusa empresa de assédio sobre o jogador dentro do Corinthians

    Portal revela denúncia de empresário de meia da base contra empresa de Garcia

    ver detalhes
  • Final da Flórida Cup 2017, único revés em mata-mata para o Corinthians no Século 21

    Após seis triunfos, Timão perde primeiro mata-mata para o São Paulo no Século 21

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes