O público e o privado no estádio corintiano

O público e o privado no estádio corintiano

619 visualizações 4 comentários Comunicar erro

Representantes da Fifa elogiam andamento das obras da Arena

Representantes da Fifa elogiam andamento das obras da Arena

Foto: Miguel Schincariol

O governo Geraldo Alckmin anunciou que a Ambev arcará com os R$ 35 milhões necessários para a arquibancada móvel exigida para os jogos da Copa do Mundo na arena em Itaquera.

Assim, como prometera, não porá dinheiro público no estádio do Corinthians, festejou.

Só que há fortes indícios de que não é bem assim, embora nenhum dos lados, naturalmente, confirme.

A Ambev, que só neste ano fiscal deverá recolher aos cofres públicos algo em torno de R$ 1 bilhão, descontaria desta quantia o valor investido no estádio.

O que, em última análise, como renúncia fiscal ou, talvez, encontro de contas, não deixa de ser dinheiro público.

Alckmin, de fato, sempre garantiu que o Corinthians não ficaria desassistido.

O que era entendido, principalmente nas campanhas eleitorais, como demonstração de que, no limite, investiria no estádio.

Será mesmo muito bom que tenha achado um parceiro, mas, em nome da transparência, melhor ainda será mostrar os termos desse acordo.

Quem se habilita a fazê-lo?

Tanto os executivos da Ambev quanto o governo paulista seguem afirmando que não há nem haverá dinheiro público nas arquibancadas do estádio.

A Ambev justifica o investimento não como ajuda ao Corinthians, mas como uma ação de marketing no estádio que receberá a Copa do Mundo em São Paulo.

E o governo mandou ao blog a nota transcrita abaixo:

ARQUIBANCADAS DA ARENA NÃO TEM RECURSO PÚBLICO

O texto publicado em seu blog nesta quinta-feira (06.11) sob o título “O público e o privado no estádio corintiano” comete equívoco ao sugerir que haveria indícios de repasse indireto de recursos públicos na parceria do Governo do Estado de São Paulo com a Ambev para a construção das arquibancadas móveis na Arena de São Paulo, em Itaquera, na zona leste da capital. O Governo do Estado de São Paulo reitera, como já foi dito à exaustão, que não há nenhum recurso público, não há qualquer benefício, de qualquer natureza, tanto para a Ambev, quanto para outras empresas que possam aderir a este processo para viabilização das arquibancadas. Não há qualquer tipo de renúncia fiscal, até porque não existe amparo legal para isso. O Corinthians não está sendo beneficiado, mas, sim, a população de São Paulo que terá a oportunidade de acompanhar uma abertura da Copa à altura do povo paulista.

Fonte: UOL

Veja Mais:

  • Balbuena segue sem estender vínculo com o Corinthians

    Corinthians aciona Vampeta para tentar ajudar na renovação de Balbuena; clube se pronuncia

    ver detalhes
  • Vilson está afastado dos gramados desde março de 2017, quando passou por cirurgia

    Corinthians paga R$ 60 mil por atraso de 13 meses e quita dívida pela contratação de Vilson

    ver detalhes
  • Timão recebe o arquirrival Palmeiras na Arena neste sábado

    Torcida garante 33 mil ingressos para primeiro Dérbi de 2018; venda física começa nesta quarta

    ver detalhes
  • Ralf foi apresentado pelo Corinthians no início da tarde desta terça-feira, no CT

    Apresentado, Ralf fala em 'momento de Gabriel', mas avisa: 'Vou buscar meu espaço'

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes