Campeão mundial com o Brasil em Yokohama, Polga quer ajudar o Timão

Campeão mundial com o Brasil em Yokohama, Polga quer ajudar o Timão

Ao contratá-lo para o Corinthians, em setembro deste ano, dirigentes lembravam que se tratava de um “campeão do mundo.” Rótulo que Anderson Polga adquiriu após a Copa de 2002, quando disputou dois jogos na primeira fase, sendo barrado das decisões, passando a apoiar apenas do banco.

– Da reserva dá para falar com os treinadores, interagir, pois vemos o que está acontecendo. Cada um dá palavras sobre seu setor, até porque estamos concentrados no jogo, pois a qualquer momento podemos entrar e ter de ajudar – garante o zagueiro.

Domingo, no Yokohama Stadium, o defensor de 33 anos deverá ter esse papel novamente. Com Chicão e Paulo André garantidos na equipe, dificilmente pintará como uma surpresa. Mas ele garante que não se importa. No mesmo estádio em que participou da festa do pentacampeonato, quer apenas passar a sua experiência para o elenco.

– Estou tranquilo. Cheguei mais tarde a uma equipe que conquistou um grande título, que tem grandes jogadores. Tem o espaço de cada um, mas a luta é difícil – admite ele.

A possibilidade de vencer o maior torneio do planeta pela segunda vez – agora entre clubes –, o seduz. Há uma década, com Felipão, disputou só dois dos sete jogos da competição, contra China e Costa Rica, ambos na Coreia do Sul. Quando o Brasil passou a jogar no Japão, virou coadjuvante. O que, para ele, não diminui sua glória. E nem diminuirá essa.

– Dez anos se passaram de uma conquista inesquecível. E agora, voltar ao local me faz criar expectativas. São muitas recordações. Seria incrível outra conquista de Mundial, com a mesma importância – garante ele.

Fonte: Lancenet

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes