Eles fizeram da Arena seu segundo lar: a paixão e as histórias dos guias do Tour Casa do Povo

Eles fizeram da Arena seu segundo lar: a paixão e as histórias dos guias do Tour Casa do Povo

5.2 mil visualizações 31 comentários Comunicar erro

Mais do que profissionais, equipe de guias é formada por corinthianos

Mais do que profissionais, equipe de guias é formada por corinthianos

Foto: Divulgação/Tour Casa do Povo

Lugar destinado a encontros, a reuniões ou à moradia de certas categorias de pessoas, cujos interesses, origens e cultura por vezes representa ou expressa.

Abrindo um dicionário, esse é o significado que encontramos para a palavra casa. Desde 2014, no entanto, nenhum corinthiano precisa procurar essa definição. Quando pensa em lar, é a imagem da Arena Corinthians lotada que vem à sua cabeça.

Conhecendo ou não o local, qualquer torcedor tem a sensação de pertencimento ao estádio. Mesmo com o curto período de vida, a casa parece abraçar o apaixonado pelo clube da melhor forma possível, se transformando em um caldeirão para os adversários.

Além dos alvinegros que enxergam esse simbolismo na Arena, há quem possa chamá-la de segunda casa literalmente. Guias do Tour Casa do Povo, Carolina Bonatti, Marcelo Macedo, Bruno Di Iorio, Thamara Prado e Luis Butti passam grande parte de sua vida no estádio corinthiano.

Como moradores de uma casa acolhedora, são anfitriões de quem a visita. Fazem questão de receber, apresentar e, acima de tudo, transmitir toda a emoção que ela representa. Trabalhar na Arena, afinal, é muito mais do que um dever profissional. É uma missão de corinthianismo. Para provar isso, o Meu Timão resolveu conhecer um pouco mais de cada um dos responsáveis pelo Tour Casa do Povo.

Lágrimas que marcam

Carolina Bonatti abraçando um dos visitantes mirins do Tour Casa do Povo

Carolina Bonatti abraçando um dos visitantes mirins do Tour Casa do Povo

Divulgação/Tour Casa do Povo

Quando recebemos um familiar em casa, o deixamos falar. É assim na Arena. Mais do que informar, repassar a história e apresentar os inúmeros espaços do estádio, Carolina Bonatti, de 30 anos, é uma ouvinte. Como guia, acumula histórias inesquecíveis, mas nem todas tem relação com conquistas do clube ou a visita de ídolos, rotina em 2017. De um torcedor comum, escutou uma das coisas mais bonitas em todos seus trabalhos no tour. Arrepiou como um gol do Timão.

'Recebi um senhor corinthiano que passou o tour inteiro dando risada e conversando comigo, muito participativo. Porém, no final do tour, já no gramado, ele me chamou e contou que fazia sete dias que a esposa tinha falecido e eles tinham mais de 20 anos de casados. Ele disse que não conseguiu ir na missa, então a irmã dele deixou ele na Arena para conhecer nossa casa e também se distrair um pouco. Esse torcedor me disse que a esposa era muito corinthiana e que com certeza ela estava junto com ele naquele momento', relembra.

Sem distinção de cor, sexo ou classe social, a Arena abraçou esse senhor durante o tour. Assim como abraça tantos outros. No último mês, por exemplo, recebeu uma enorme quantidade de mulheres, que ainda lutam por espaço no ambiente machista do futebol. Carolina não esconde a felicidade por ver tantas representantes do sexo feminino nas dependências da Casa do Povo.

'Eu me surpreendi com a quantidade de mulheres no tour. Falo em me surpreender porque nós sabemos o quanto a mulher ainda sofre preconceito por frequentar estádios e locais que a sociedade julga masculino', concluiu.

Na alegria e na tristeza

Tchelo, ao centro, divertindo-se com os visitantes do tour

Tchelo, ao centro, divertindo-se com os visitantes do tour

Divulgação Tour Casa do Povo

Assim como a companheira de casa, Marcelo Macedo, ou simplesmente Tchelo, também acumula boas histórias vindas dos visitantes do tour na Arena. Os momentos, é claro, alternam entre felicidade e alegria. Dentro de nosso lar, sabemos que as lágrimas correm mais soltas, para o bem ou para o mal. Em uma oportunidade, no entanto, o mesmo personagem rendeu ao guia as mesmas sensações. Não a toa ficou marcado em sua memória como corinthiano.

'Um dos momentos que mais me marcou foi quando, durante o tour, um visitante começou a chorar muito, copiosamente. Perguntei o que era e ele me disse que tinha acabado de receber a informação que seu tio havia falecido. Justamente o tio que o fez ser corinthiano. Fiquei completamente sem ação, sem saber o que fazer. Ele era imenso, alto, forte e chorava como uma criança. Apenas consegui abraçá-lo para passar alguma força, se é que era possível. Poucos meses depois, ele foi novamente fazer o tour. 'Lembra de mim, Tchelo?', ele disse com um sorrisão no rosto. Era impossível esquecer. Como foi bom revê-lo em outro momento, muito mais feliz', conta.

Com essas e outras histórias vindas do torcedor somadas a tudo que sabe do clube do coração, Tchelo encontra, com facilidade, uma palavra que resuma tudo que significa a Arena Corinthians, ambiente que passou a ser sua segunda casa: superação.

'É uma palavra que sempre se repete na história do clube, como nas dificuldades dos primeiros anos, os quase 23 de fila, o tempo sem Brasileiro, sem Mundial, sem Libertadores e sem uma casa a altura do Timão. Tudo isso foi superado da forma mais bela possível, seja na conquista de 77, na campanha de 90, na Liberta invicta, nos dois Mundiais. E com a nossa Arena. Tudo foi superação', pontuou.

Uma experiência completa

Bruno conversa com visitantes no vestiário da Arena, antes inacessível para grande parte deles

Bruno no vestiário da Arena, antes inacessível para grande parte dos visitantes

Divulgação/Tour Casa do Povo

Visitar a Arena em um dia de jogo é obviamente uma experiência única. Apesar disso, o Tour Casa do Povo dá ao torcedor a oportunidade de algo ainda maior. Mesmo sem sentir a atmosfera da Fiel nas arquibancadas, é possível chegar a lugares que o ingresso comum não permite, como o vestiário e outros setores do estádio. Esse, além do preço mais acessível, é um dos diferenciais do atrativo para Bruno Di Iorio, de 24 anos.

'Diversos fatores as vezes dificultam a possibilidade do torcedor conhecer a sua nova casa. O tour tem diversas promoções, funciona a semana inteira e oferece várias atrações diferentes pro torcedor. Além de levar para lugares que o ingresso não leva', disse.

Se para o visitante o ponto alto da visita são esses lugares 'inatingíveis', para Bruno, o grande barato de sua profissão é tentar passar, mesmo que em outro idioma, um pouco do que significa o Corinthians, a Arena e, claro, sua imensa torcida. Em 2017, por exemplo, o estádio recebeu pessoas de 28 nacionalidades.

'É enriquecedor, porque além de disseminar tudo que envolve a história do Corinthians também estamos em contato com culturas e povos diferentes. Busco sempre enaltecer a grandiosidade do clube, suas conquistas, sua história de luta e persistência e claro, a torcida do Corinthians. Essa é diferente de tudo, em paixão, loucura... É a melhor parte de contar e a que os estrangeiros mais se impressionam e admiram', valoriza.

Amor sem fronteiras

Thamara puxa a fila de visitantes no Tour Casa do Povo

Thamara puxa a fila de visitantes no Tour Casa do Povo

Divulgação/Tour Casa do Povo

Como escreveu no Meu Timão em matéria especial do dia da mulher, Thamara Prado, de 25 anos, enfrenta longo percurso para chegar à Casa do Povo. A realidade da paulista é a mesma de milhares de alvinegros que, graças ao Tour, conseguem conhecer a Arena Corinthians.

'Sempre converso com os visitantes no decorrer do tour e a gente recebe gente do Brasil inteiro, que aproveita a passagem por São Paulo para fazer o passeio. Além disso, há muitas pessoas de regiões mais distantes como Suzano, Mogi, Osasco, ABC, Carapicuíba, que se programam para fazer essas pequenas viagens para conhecer nossa casa', contou.

Além do grande trajeto até a Arena, Thamara também divide com os visitantes a idolatria por grandes nomes da história do Timão. Junto deles, inclusive, tem realizado uma série de sonhos. Em 2017, por exemplo, chegou a trabalhar ao lado de Vampeta. Esses momentos não caem no esquecimento, assim como todos os outros vividos com o clube do coração.

'É uma sensação de sonho realizado. A sensação de ver algo e alguém que você admirava ali pela TV, e de repente está ali pertinho de você é incrível. Quando eu olho pra trás e vejo tudo o que passei com Corinthians, ver ele sendo rebaixado no dia do meu aniversário de 15 anos e hoje, dez anos depois, estar trabalhando com ele e com os ídolos, é realmente é algo maravilhoso'.

Estreitando a relação com o Corinthians e sua torcida

De coração aberto, Butti agora conhece de perto quem sempre o acompanhou de longe

De coração aberto, Butti agora conhece de perto quem sempre o acompanhou de longe

Divulgação/Tour Casa do Povo

Quando falamos de opinião corinthiana na internet, grande parte dos alvinegros pensa em Luis Butti. Não é a toa. O guia do Tour Casa do Povo já divulga sua opinião online há mais de 20 anos. Depois de tanto tempo informando e opinando, Butti agora sente de perto a contrapartida de quem sempre o acompanhou.

'Hoje, além da imersão, há o diálogo. A gente recebe muito abraço, muito carinho, e principalmente muitas histórias. Mas eu levei isso um pouco mais a fundo. Eu sempre lutei por um Corinthians mais humano. Sou um cara que abraça, que dá carinho, que brinca com as crianças das famílias dos visitantes do tour. O Corinthians fez a minha família crescer. E isso é maravilhoso', fala, com orgulho.

Após tanto tempo como torcedor apaixonado nas redes, Butti agora também é funcionário do seu clube do coração. Quem não tem essa oportunidade costuma questionar se o carinho diminui com essa relação profissional. O guia, no entanto, não tem dúvidas na hora de responder.

'Foi uma imersão que eu não imaginava. Hoje, a gente sente muito mais o Corinthians, se sente parte do Corinthians, porque a gente precisa reagir as coisas boas e as ruins para fazer um tour cada vez melhor no dia seguinte. A derrota para o Palmeiras (no primeiro jogo da finla), por exemplo, foi bem mais dolorida porque eu precisava transmitir felicidade aos visitantes no dia seguinte, mas na sua cabeça estava um turbilhão. É coisa de louco', concluiu.

Gostou? Quer conhecer?

Para os torcedores interessados em conhecer o quinteto acima e, claro, a Arena Corinthians, o tour funciona de domingo a domingo. O valor é de R$ 40 durante a semana e R$ 60 aos finais de semana e feriados - ambas as opções aceita meia-entrada.

Para adquirir os ingressos, o torcedor pode entrar no site do Tour Casa do Povo clicando aqui ou comprar diretamente no Portão A da Arena Corinthians.

Veja mais em: Tour Arena Corinthians, Arena Corinthians e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Matheus Vital (colete) será titular diante do Botafogo; Pedrinho é opção no banco

    Loss mexe e define Corinthians para retorno do Brasileirão; veja escalação

    ver detalhes
  • Jonathas (ao fundo) será opção entre os suplentes contra Botafogo

    Jonathas é relacionado e pode estrear pelo Corinthians diante do Botafogo; confira lista

    ver detalhes
  • Loss comanda Timão nesta quarta-feira, diante do Botafogo, na Arena Corinthians

    Loss vê Jonathas em evolução, descarta rótulo de 'titular' e comenta chegada de Douglas

    ver detalhes
  • Equipe Sub-17 do Corinthians começou caminhada na Taça BH nesta terça-feira

    Corinthians empata sem gols com o Vitória em estreia na Taça BH Sub-17

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes