Gabriel não crê em anulação de final, critica Palmeiras e relata fala do quarto árbitro

Gabriel não crê em anulação de final, critica Palmeiras e relata fala do quarto árbitro

Por Vinícius Souza, Lucas Faraldo e Rodrigo Vessoni, no CT Joaquim Grava

32 mil visualizações 104 comentários Comunicar erro

Gabriel lamentou ações do Palmeiras pós-Dérbi; volante foi alvo de xingamentos no banco do Allianz

Gabriel lamentou ações do Palmeiras pós-Dérbi; volante foi alvo de xingamentos no banco do Allianz

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Enquanto o Palmeiras recorre aos tribunais a fim de anular a final do Campeonato Paulista, o Corinthians segue como legítimo campeão estadual. Ainda assim, o posicionamento do rival com relação ao clássico do último domingo não pegou bem para os personagens do lado alvinegro do Dérbi. Para o volante Gabriel, por exemplo, a decisão da diretoria do Palmeiras em solicitar a impugnação do torneio, baseada em suposta interferência externa no embate, é incoerente.

“Acho que não (anularão a final), acredito que não. Tem o tribunal, os presidentes, não sei como sai essa decisão e até gera uma dúvida para nós também. Mas acredito que não porque foi uma decisão certa. Se fosse uma decisão que tivesse tomado e voltado atrás e errado, tudo bem, poderia ter uma reclamação maior. Mas foi uma coisa certa, todos prezam que tenha uma ajuda para sempre tomar as decisões certas em um caso de polêmica. Isso foi o que foi feito. Muitas pessoas reclamam, mas estão se contradizendo com o que falaram antes. Não vai ter outra decisão, pelo menos na minha opinião, e o Corinthians é campeão sem dúvida”, declarou Gabriel ao participar do media day, realizado no CT Joaquim Grava no fim da manhã desta quarta-feira.

“É uma coisa totalmente desnecessária, até porque o quarto árbitro estava do nosso lado e falou 'bola, bola' na hora do lance. Ele apenas ajudou, era a opinião dele e ele deu para o primeiro árbitro tomar a sua decisão, porque a decisão é sempre dele mesmo, haja vista o que aconteceu comigo contra o Palmeiras na nossa Arena, onde o quarto árbitro viu que não fui eu e avisou, mas o árbitro manteve a decisão”, relatou o volante.

A confusão teve início em desarme de Ralf em Dudu dentro da área corinthiana. Juiz do clássico, Marcelo Aparecido de Souza chegou a assinalar a penalidade máxima, mas mudou de decisão com o auxílio dos assistentes e do quarto árbitro, Adriano de Assis Miranda.

“Até porque foi uma decisão certa da arbitragem. Foi na bola, ele se equivocou ao marcar o pênalti, depois voltou atrás e deu escanteio. E, assim, o jogo teve 180 minutos. Foi um jogo bem jogado, brigado sim, até pelo tamanho, pelo clássico que é, mas são coisas que acontecem numa decisão. Acho que a anulação do jogo, tirar o mérito do nosso título, isso é totalmente vergonhoso”, criticou Gabriel, que defendeu as cores do Palmeiras antes de ser contratado pelo Timão.

Leia também: Palmeiras não paga taxa e TJD-SP deve barrar pedido de impugnação do título do Corinthians

Campeão paulista e brasileiro em 2017 como titular, Gabriel perdeu espaço nas últimas semanas, justamente após a chegada de Ralf. Nas partidas decisivas contra Bragantino e Palmeiras, acabou preterido pelo técnico Fábio Carille, que optou pelo multicampeão corinthiano em seu lugar. Consciente, o camisa 5 lamentou o fato de não poder ajudar seus companheiros em campo, mas demonstrou entender a escolha do treinador.

“De fora é muito ruim. Espero não passar por isso novamente, até porque a gente fica muito nervoso por não poder estar ajudando dentro de campo, que é o que nós sabemos melhor. Dentro de campo você consegue controlar a sua ansiedade, você está muito concentrado no que você tem que fazer. Fora você tem que estar concentrado também porque, se aparece a oportunidade, você tem que estar bem. Mas é diferente, é uma sensação diferente. Espero na próxima estar dentro de campo, joguei 95% do campeonato, todos são importantes, todos foram campeões, mas de fora o nervosismo e a ansiedade são ainda maiores”.

Mesmo no banco de reservas, Gabriel foi alvo de palmeirenses ao longo de toda a partida no Allianz Parque, vencida pelo Corinthians no tempo normal (1 a 0) e nos pênaltis. O volante, apesar de já esperar provocações do lado rival, encontrou território hostil, mas soube lidar com o ocorrido com maestria.

“Foi muito forte nesse jogo. Até mesmo fora ali, teve alguns torcedores que nem assistiram ao jogo, acho que eles foram lá intencionados a me encher o saco a todo o momento. Eu tive uma mentalidade muito forte, uma concentração muito forte onde não dei ouvidos a isso, ao que falavam. Estava totalmente focado no jogo e poder ajudar de alguma maneira a equipe. Acho que se eu estivesse em campo, a hostilidade ia ser muito grande, mas eu estive em campo também no 2 a 0 do Brasileiro e foi muito forte também. Mas a nossa equipe conseguiu suportar bem, até porque o Corinthians tem uma mentalidade muito forte nesses jogos e não seria diferente”, concluiu.

Veja mais em: Gabriel, STJD, Dérbi e Campeonato Paulista.

Veja Mais:

  • Emprestado pelo Corinthians, Gustagol é o artilheiro do futebol brasileiro em 2018

    Gustavo tem mais gols em jogos oficiais que todos os atacantes do Corinthians somados

    ver detalhes
  • Tite durante a histórica goleada sofrida pelo Corinthians para a Portuguesa em 2013

    Corinthians se aproxima de sequência negativa que quase fez Tite se demitir

    ver detalhes
  • Vôlei alvinegro começa sua caminhada na Superliga nesta semana

    Brasileirão, estreia na Superliga e final no feminino: a semana de compromissos do Corinthians

    ver detalhes
  • Atacante já marcou dez gols na atual edição da Serie B e deve chegar ao Timão

    Torcida do Corinthians repercute possível acerto com André Luis para 2019; veja tuítes

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes