1 em 30 milhões: corinthiano invadiu Pacaembu e arrancou grama campeã da Liberta com faca de marmita

1 em 30 milhões: corinthiano invadiu Pacaembu e arrancou grama campeã da Liberta com faca de marmita

30 mil visualizações 66 comentários Comunicar erro

Bruno e seus amigos no entorno do Pacaembu após Corinthians vencer a Libertadores

Bruno e seus amigos no entorno do Pacaembu após Corinthians vencer a Libertadores

Arquivo pessoal

Boa parte dos 30 milhões de torcedores do Corinthians pouco divergem sobre o auge daquela noite de 4 de julho de 2012:

  • os gols de Emerson Sheik sobre o tradicional Boca Juniors;
  • os gritos de "é campeão!" vindos das arquibancadas do Pacaembu;
  • a taça da Libertadores sendo levantada pelo capitão Alessandro.

Impossível outra cena ser apontada como ápice daquele episódio final da saga alvinegra, certo? Errado. Ao menos para o corinthiano Bruno Nercessian Corradini, as alternativas anteriores foram meras preliminares para o que viria a se eternizar como maior loucura já feita em seus 25 anos de torcedor do Timão.

Vamos invadir o Pacaembu? Por que não?!

O Corinthians havia acabado de se consagrar de forma inédita e invicta campeão da Copa Libertadores da América. Bruno, o irmão Raphael, o amigo Serginho e demais colegas estavam reunidos nos arredores do Pacaembu naquele início de madrugada festejando a conquista. Eis que um deles lança a ideia:

"E se a gente voltasse ao estádio pra pegar um pedaço da rede dos gols do Sheik?"

A euforia pelo título do Timão combinada ao princípio de tédio pela falta de cerveja nos isopores dos vendedores ambulantes fizeram Bruno, Raphael e Serginho toparem o desafio. Eles se despediram dos demais amigos e partiram em caminhada rumo à Praça Charles Miller, onde tentariam entrar pelo portão principal do Pacaembu.

"Alguns falaram que a gente estava louco. Outros incentivaram. Eu, com o Serginho e principalmente com meu irmão, fomos a fundo na operação de resgate da rede. A odisseia começou ali no portão principal, a gente já deu de cara com a cavalaria da PM. Eles estavam entrando nos caminhões. Não passou de um susto", recordou Bruno, ao Meu Timão, se referindo aos primeiros passos da aventura, dados por volta da 1h30 daquela madrugada.

Mais '1 em 30 milhões':
Ele trocou Barcelona pela 'cidade Corinthians' após premonição da Libertadores
Corinthiano que viralizou ao narrar gol de Vital sonha ser locutor e conhecer Arena
Ele carrega o Corinthians no nome e só não repassou tradição por 'golpe' da esposa

Percebendo que a entrada pelo portão principal não seria fácil nem mesmo com a saída da Tropa de Choque, o trio de corinthianos deu volta ao redor do estádio até encontrar um portão aberto. Eles ficaram na espreita até surgir a brecha: uma ambulância passou pela entrada do estádio. Foi o suficiente para o segurança se distrair: Bruno & cia. entraram no Pacaembu.

Isqueiro? Facão? Me vê essa marmita aí!

Devidamente alocado na parte de dentro do Pacaembu, o trio de corinthianos logo se viu em meio aos jornalistas que trabalhavam na cobertura do título naquela noite, todos parados em frente ao vestiário onde estavam os jogadores do Timão. Eis que Bruno, numa tentativa de se aproximar do então dirigente Edu Gaspar, que já aguardava o elenco dentro do ônibus alvinegro com a taça da Libertadores em mãos, rolou por debaixo do automóvel para chegar ao outro lado do busão. Nada feito: foi colocado de canto por um segurança e precisou se juntar novamente ao irmão e ao amigo. Nesse momento, Serginho precisou se retirar. Sobraram Bruno e Raphael na odisseia pelo acesso ao gramado onde havia poucos instantes o Corinthians se consagrava campeão da América do Sul.

Bruno, à esquerda, e Raphael, à direita, no dia da invasão ao Pacaembu

Bruno, à esquerda, e Raphael, à direita, no dia da invasão ao Pacaembu

Arquivo pessoal

Àquela altura Bruno e Raphael se gabavam de alguns trunfos. Por frequentarem o Pacaembu desde pequenos, inclusive em eventos não relacionados a futebol, eles conheciam consideravelmente os bastidores e caminhos do estádio. Ademais, os irmãos tinham um agasalho e uma camiseta "neutras", possibilitando assim um disfarce que os diferenciassem de torcedores. A partir daí, um improviso ou outro foi necessário para avançar na missão - o próximo passo era conseguir um objeto cortante para facilitar a retirada da rede.

Mais '1 em 30 milhões':
Seguindo o Corinthians há 12 anos, alvinegro vendeu moto por viagem ao Japão
Corinthiano dormiu em praça de Londres e acordou na final da Libertadores-2012
Sacos de milho e caminhoneiro são-paulino infiltraram corinthiano maluco na Arena

"Encontramos um outro segurança e conversamos falando que éramos cabo men de uma emissora e precisávamos de uma faca para ir embora, que estávamos cansados e tal. Não rolou", iniciou Bruno. "Depois entramos numa parte de acesso restrito apenas à PM. Lá só encontramos faca de plástico, restos de comida, frango, etc.", continuou.

Foi nesse momento que surgiu a tríplice salvação: um jornalista solidário, uma marmita recém-degustada e os talheres já utilizados e portanto sem mais nenhuma utilidade ao profissional de imprensa naquela madrugada.

"Tentamos contato com o pessoal que ainda estava trabalhando na zona mista e um deles nos emprestou uma faca da marmita dele. Eu me passando por cabo man novamente (risos). Ficou combinado que eu devolveria a faca assim que possível. Enfim começamos a parte final da odisseia: descobrir qual seria o melhor acesso ao campo."

Mais vale um tufo de grama no bolso do que uma rede voando

Bruno e Raphael primeiro tentaram se passar por jornalistas para acessar o gramado pelo túnel de saída dos vestiários. Azedou: os seguranças solicitaram crachás.

A partir de então, os irmãos lançaram mão de vez da carta de conhecimento do Pacaembu. Um corredor aqui, uma sala ali, uma porta acolá... Longos minutos se passaram até que eles se dessem conta de onde estavam: embaixo do Tobogã, com acesso livre ao gramado. Opa! Livre não: alguns seguranças ainda rondavam o campo do alto das 3h da madrugada.

Numa espécie de brincadeira de "polícia e ladrão", eles correram ao campo na primeira tentativa de cortar a rede do gol que fica ali mesmo em frente ao Tobogã. Logo foram flagrados por um dos seguranças e precisaram correr de volta ao esconderijo. Incertos se estavam seguros o suficiente, passaram um tempo trancados num banheiro químico. Somente com a certeza de que já haviam despistado o caçador, os corinthianos partiram para o novo e derradeiro ataque. Apenas com a tal faca e as unhas em mãos, precisaram pensar rápido: mais valia um um tufo de grama no bolso do que uma rede voando...

Tufo de grama do Pacaembu guardado até hoje por Bruno

Tufo de grama do Pacaembu guardado até hoje por Bruno

Arquivo pessoal

"A gente conseguiu entrar no campo, umas 4h30 da manhã. De novo não conseguimos cortar a rede, nem se mexia. Falei pro meu irmão: pega o máximo de grama que você consegue. Meia, bolso da frente, de trás... Segurança veio correndo, entramos no túnel e desaparecemos na parte de trás do Tobogã. Ficamos uma meia hora ali e, com medo real de encrenca com seguranças, vazamos", recordou.

"Guardamos até hoje a grama, até junto com uns papeis picados, provavelmente que a torcida soltou na época. Um pedacinho da história. Não replantei a grama porque não gostamos muito de coisa verde. Deixa ela bem sequinha que está bom demais. O que fica é a história, ter feito parte de um momento histórico, pisar no campo em que nos sagramos campeões... Já valeu por tudo", finalizou Bruno.

Ô, se valeu!

Leia também:
Corinthiano ofusca bandeirão patrocinado e flamula muleta improvisada na Arena
Ilustrador alvinegro faz do amor pelo Corinthians sua inspiração
Carro mais corinthiano do Brasil 'levanta até defunto' e vira amuleto após assalto

Sua vez!

Caro leitor, tem um causo marcante no qual o Corinthians seja protagonista? Já fez alguma loucura pelo Timão? Então entre em contato com a gente e envie sua história! Quem sabe você não se torna o próximo personagem do quadro 1 em 30 milhões aqui do Meu Timão?

Veja mais em: Libertadores da América, 1 em 30 milhões, Torcida do Corinthians, Títulos do Corinthians e Jogos Históricos.

Veja Mais:

  • Carille já está participando dos detalhes de contratações do Corinthians

    Carille antecipa volta ao Corinthians e se despede do Al-Wehda

    ver detalhes
  • Uendel foi jogador do Timão por três anos e ganhou um Brasileiro (2015)

    Corinthians tem interesse em Uendel, do Internacional

    ver detalhes
  • Ramires pode ser emprestado ao Corinthians por uma temporada

    Corinthians tem interesse em revelação do Bahia e pode fazer operação com europeu por acerto

    ver detalhes
  • Sassá é alvo do Corinthians para 2019 a pedido de Fábio Carille

    Carille pede, Corinthians insiste por Sassá e entra em atrito público com Cruzeiro

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes