Das ruas à Casa do Povo: torcedor que viralizou por camisa improvisada conhece a Arena

Das ruas à Casa do Povo: torcedor que viralizou por camisa improvisada conhece a Arena

Por Andrew Sousa e Danilo Augusto, na Arena Corinthians

16 mil visualizações 94 comentários Comunicar erro

Vilson vestiu sua camisa personalizada na Arena Corinthians

Vilson vestiu sua camisa personalizada na Arena Corinthians

Foto: Danilo Augusto/ Meu Timão

Restavam poucas horas para o embate entre Corinthians e Millonarios e ele estava inquieto. A ansiedade, afinal, é mais do que normal para uma primeira vez. Não, não estamos falando de Osmar Loss, que fez sua estreia como técnico alvinegro. O jogo desta quinta-feira teve outro estreante: Vilson de Paula, morador de rua que viralizou com uma camisa personalizada do Timão, enfim conheceu sua casa.

"Estou na expectativa aqui, emocionado. O relógio não anda, meu", dizia, pouco antes de rumar a Itaquera ao lado da equipe do Meu Timão e de Bruno Vasconcelos, corinthiano que o ajudou a fazer tratamento dentário.

Leia também: Corinthianos proporcionam 'novo sorriso' a torcedor que viralizou com camisa improvisada

No caminho para o estádio, o assunto não foi Carille, Loss, Pedrinho ou a classificação na Libertadores. Pela atual condição, Seu Vilson não tem tantas informações do presente - acompanha um jogo ou outro em um bar. A alternativa, então, foi falar do passado. Wladimir, a final de 1977 e outros craques da década de 80 foram relembrados pelo corinthiano.

A pressa para entrar em casa era visível. Prova disso foi a vontade de descer do carro assim que viu a Arena. Vestido com sua camisa personalizada, teve de esperar até o estacionamento. Assim que desembarcou, manteve o ritmo.

Enfim, em casa.

Enfim, em casa.

Danilo Augusto/ Meu Timão

"Ele parecia não acreditar que estava ali. Entramos no prédio Oeste e o Vilson ficou encantado, totalmente inquieto. Tentávamos tirar foto, mas ele não parava", conta Bruno.

Observando tudo, o visitante de primeira viagem só parou quando viu a taça do Paulistão de 1977. A ação foi imediata: colocou sua camisa ao lado da taça e se emocionou. Se antes do tratamento dentário a vergonha não o permitia sorrir, na Arena o sorriso não saiu do seu rosto.

A taça de 1977 emocionou Vilson

A taça de 1977 emocionou Vilson

Danilo Augusto/Meu Timão

Ao chegar no camarote do Fiel Torcedor e enfim ver o gramado do estádio, lembrou de seus tempos nos campos de várzea. Relatando uma vasta trajetória como jogador, fez questão de contar um de seus mais belos feitos: um gol do meio de campo. Pelo jeito, o goleiro se arrependeu muito de ficar adiantado...

Voltando ao jogo, seu Vilson demorou um pouco a se conectar com a partida. Visivelmente impressionado com o que estava vivendo, passou os primeiros minutos do embate observando tudo a sua volta - além de desfrutar do buffet oferecido no camarote. Depois que "se acostumou" com a situação, focou na partida.

Seu Vilson não tirou o olho da bola na reta final da partida

Seu Vilson não tirou o olho da bola na reta final da partida

Danilo Augusto/Meu Timão

"Vai dar, vai dar...", dizia, enquanto o Corinthians perdia uma enorme quantidade de oportunidades. O gol do Millonarios foi um banho de água fria. A partir desse momento, o otimismo deu lugar ao nervosismo. A tensão foi colocada para fora - de forma bem humorada - quando o bandeira anulou o que seria o empate alvinegro.

"Seu filho de uma unha", gritou Vilson, evitando o palavrão pela proximidade com algumas crianças corinthianas.

Apesar da decepção pela derrota, o resultado dentro de campo foi um pequeno detalhe na noite dessa quinta-feira. Morador de rua há 20 anos, Vilson enfim entrou em casa. Para ele, o jogo contra o Millonarios vai ter um lugar tão especial na sua memória quanto aquele eterno Paulistão de 1977.

"A experiência foi fantástica. Ele se sentiu bem à vontade, cantou, dançou, comeu e viveu seu sonho", resume Bruno.

A noite de quinta-feira dificilmente vai sair de sua memória

A noite de quinta-feira dificilmente vai sair de sua memória

Danilo Augusto/Meu Timão

Na rua ou na Arena. Acompanhando um jogo da porta de um bar ou do camarote. Com a camisa feita a mão ou a oficial. Seu Vilson de Paula é um desses torcedores que provam o que é a essência do Corinthians: o povo.

Veja mais em: Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Diego Tardelli está há três temporadas no Shandong Luneng

    Corinthians recebe aceno positivo de 'concorrido' Tardelli por retorno ao Brasil

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians lotou Arena para finalíssima da Copa do Brasil

    Salvo padrão Fifa, Arena Corinthians tem seu maior ganho líquido de renda na final da Copa do Brasil

    ver detalhes
  • Cássio falou com o jornalistas na tarde desta sexta-feira no CT do clube

    Cássio critica agente de Pedrinho após postagem: 'As coisas se resolvem aqui, não falando fora'

    ver detalhes
  • Corinthians de Jadson e Henrique flerta com marca do rebaixamento de 2007

    'Pior Corinthians dos últimos cinco anos' já flerta com marca do rebaixamento de 2007

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes