Justiça marca audiência para avaliar possível fraude nas eleições do Corinthians

Justiça marca audiência para avaliar possível fraude nas eleições do Corinthians

Por Meu Timão

3.9 mil visualizações 95 comentários Comunicar erro

Eleição ainda repercute no Corinthians

Eleição ainda repercute no Corinthians

Agência Corinthians

Realizadas e definidas em fevereiro, as eleições do Corinthians seguem rendendo muito assunto nos bastidores do clube. Após laudo de empresa, no início deste mês, o Ministério Público de São Paulo destacou que o processo não apresenta confiabilidade. Para dar sequência às investigações, a Justiça marcou uma audiência para o dia 27 de agosto, quando vai ouvir funcionários da Telemeeting Brasil, empresa responsável pelo sistema das urnas eletrônicas utilizadas no dia.

Antes baseada unicamente nos laudos da Dynamic Perícias, o processo agora também conta com auditorias da Perícias Informática e do Instituto de Criminalística, órgão de Segurança Pública de São Paulo. As informações foram publicadas pelo Estadão.

Leia também: Em relatório da CBF, Corinthians é o clube que mais pagou comissão a agentes entre 2017 e 2018

No primeiro laudo, vale destacar, a Dynamic Perícias destacou uma diferença de 25 votos entre os que foram apurados (3.642) e o número de sócios que assinaram a lista de presença no dia da votação (3.617). Além disso, o levantamento da empresa, paga por Paulo Garcia, segundo colocado da eleição, apontou que o sistema de Wi-fi que registrou os votos era vulnerável.

A fragilidade da rede de internet também foi apontada pela Perícias Informática. Além disso, o laudo da empresa também relatou divergência no código de um dos computadores utilizados na eleição - segundo o relatório, no entanto, isso foi causado por falha de um funcionário da Telemeeting Brasil. Por fim, o Instituto de Criminalística não apontou qualquer irregularidade no processo de votação.

Caso seja confirmada qualquer fraude, vale destacar, a eleição só será anulada caso alguém entre com uma ação na Justiça Civil e no Conselho Deliberativo do clube. Conforme indicado pela promotoria, a confirmação de irregularidades pode ser encaixada no artigo 66 do Código de Defesa do Consumidor: "fazer afirmação falsa ou enganosa, ou omitir informação relevante sobre a natureza, característica, qualidade, quantidade, segurança, desempenho, durabilidade, preço ou garantia de produtos ou serviço, com pena de prisão de três meses a um ano e multa".

Veja mais em: Eleições no Corinthians.

Veja Mais:

  • Marquinhos Gabriel ainda não definiu qual será o seu destino em 2019

    De volta ao Corinthians, Marquinhos Gabriel desperta interesse de mais três clubes

    ver detalhes
  • Jonathas não é mais jogador do Corinthians

    Corinthians devolve Jonathas ao Hannover e antecipa fim do empréstimo

    ver detalhes
  • Corinthians agora pode perder Romero de graça após o meio do ano

    Livre para firmar pré-contrato, Romero segue com futuro indefinido no Corinthians; relembre situação

    ver detalhes
  • Manoel chegou em São Paulo na tarde desta terça-feira

    Manoel desembarca para assinar e mostra ansiedade em vestir a camisa do Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes