Promotor detona eleição que tornou Andrés presidente do Corinthians: 'Nenhuma credibilidade'

Promotor detona eleição que tornou Andrés presidente do Corinthians: 'Nenhuma credibilidade'

Por Meu Timão

2.4 mil visualizações 32 comentários Comunicar erro

Eleição presidencial do Corinthians aconteceu no último mês de fevereiro

Eleição presidencial do Corinthians aconteceu no último mês de fevereiro

Foto: Rafaela de Oliveira/Meu Timão

Responsável por apresentar junto ao Ministério Público de São Paulo uma denúncia de fraude na eleição presidencial do último mês de fevereiro no Corinthians, o promotor Paulo Castilho viu com bons olhos a conclusão dos trâmites judiciais. Na última segunda, a Justiça de São Paulo converteu a ação em multa para a empresa organizadora do pleito.

Em conversa com a imprensa nesta terça, Castilho classificou como vitória do MP-SP o registro em inquérito policial de evidências que deslegitimariam a eleição na qual Andrés Sanchez e a chapa Renovação & Transparência se saíram vencedores.

Leia também: Andrés Sanchez se torna réu acusado de praticar crime tributário de R$ 8,5 milhões

"Ouvimos os investigados, colhemos provas de testemunhas e chegamos à conclusão dessa investigação, desse inquérito policial, em que a audiência confirmou o que o Ministério Público tinha manifestado anteriormente, que a eleição não teve nenhuma credibilidade", disparou o promotor, presente constantemente em assuntos ligados a futebol.

"Não foi garantido o sigilo, a lisura do pleito, porque a própria investigação apontou uma série de evidências, de fatos que tiram a credibilidade. Não tem nenhuma credibilidade essa eleição. Na parte criminal, alcançamos o intento, que era o inquérito policial", disse.

Como já havia se tornado público nessa segunda após o resultado da audiência em Juizado Especial de São Paulo, a empresa Telemeeting foi multada em R$ 5.7 mil a serem pagos pelos funcionários Andrea Mosiici, Enrico Dal Buono e Gabriele Bartolucci. Nenhuma pessoa ligada ao Corinthians teve envolvimento provado na confusão que marcou a eleição no clube.

"Não temos, nos autos, nenhuma prova de que algum candidato participou disso. O que temos é que essa eleição é inexistente. Seria como fazer um exame e, ao invés de um médico usar uma tomografia, ele tirar uma foto sua. A eleição foi uma brincadeira de má-fé com o associado", finalizou Castilho.

Vale lembrar que uma investigação feita por empresa contratada pelo próprio Ministério Público já havia, no último mês de julho, apontado diferença de 25 votos entre e o material apurado e a lista de assinaturas dos sócios que participaram do pleito. A eleição terminou em pancadaria e confusão generalizada dentro e fora do Parque São Jorge instantes após o anúncio da vitória de Andrés Sanchez e sua chapa.

O processo criminal, cabe destacar, não tem qualquer interferência no resultado da eleição. Somente uma ação na esfera cível ou uma mobilização interna de sócios e conselheiros do Corinthians poderia colocar em xeque o mandato de Andrés Sanchez como presidente.

Veja mais em: Andrés Sanchez, Eleições no Corinthians e Parque São Jorge.

Veja Mais:

  • Thiaguinho deve ser titular do Corinthians neste sábado

    Sem Jadson, provável escalação do Corinthians tem três mudanças para encarar Vasco

    ver detalhes
  • Cerca de 300 torcedores na porta do CT Joaquim Grava na tarde desta sexta-feira

    Organizada do Corinthians grita contra Andrés e se reúne com jogadores, diretoria e Jair

    ver detalhes
  • Andrés Sanchez volta da Europa neste domingo, com chegada ao Brasil no dia seguinte

    Presidente do Corinthians já tem data para retorno da Europa; otimismo por reforços na bagagem

    ver detalhes
  • Cássio é homem de confiança do técnico Jair Ventura

    Corinthians não cai, Cássio? Capitão se posiciona sobre declaração de Jair Ventura

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes