Em entrevista a Casão, Sheik recorda 'assistência' de Schiavi: 'Sabia que ele ia errar'

Em entrevista a Casão, Sheik recorda 'assistência' de Schiavi: 'Sabia que ele ia errar'

Por Meu Timão

4.3 mil visualizações 30 comentários Comunicar erro

Sheik corre para o abraço ao marcar segundo gol sobre o Boca Juniors no Pacaembu

Sheik corre para o abraço ao marcar segundo gol sobre o Boca Juniors no Pacaembu

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Recém-aposentado dos gramados, Emerson Sheik recapitulou momentos marcantes da vitoriosa carreira em descontraída entrevista a Walter Casagrande, o Casão, também ídolo do Corinthians. Dentre as declarações do agora ex-atacante, uma chama atenção: a certeza de que ganharia um “presente” do zagueiro Schiavi na histórica final da Copa Libertadores da América de 2012.

Sheik já havia marcado o primeiro do Timão sobre o Boca Juniors, com assistência de Danilo. Já aos 27 minutos do segundo tempo, o camisa 11 se aproveitou de passe errado de Schiavi, partiu do meio de campo em direção ao gol adversário e bateu na saída do goleiro Sebastián Sosa.

Eu sabia que ele (Schiavi) ia errar. Isso eu imaginei 100%. Eu dou um passo para trás de um jogador deles e, quando ele faz o movimento de tocar, eu já virei”, detalha Sheik que, ao longo do quadro Casão FC, do Esporte Espetacular, lembra como se fosse ontem a duração da jogada até a “explosão” do Pacaembu: “Parece que (durou) dez dias (risos)”.

Herói corinthiano naquela decisão, Emerson comemorou o fato de ter dado fim, ao lado daqueles jogadores e daquela comissão técnica, às brincadeiras de rivais com o Timão, antes jamais campeão da Libertadores.

“Agora vou falar do torcedor um pouco, não da instituição. O corinthiano era zoado na rua porque não tinha Libertadores. Ninguém vai falar mais. Vai sentar para tomar uma cerveja no bar e ninguém vai zoar depois, não tem como falar, vai ter que passar reto. Ou falar igual”, enfatizou, orgulhoso.

Sheik encerrou a carreira de atleta no último fim de semana, no empate sem gols com a Chapecoense. Foram 196 partidas, 28 gols marcados e seis títulos com a camisa alvinegra, entre eles um Brasileiro (2011), a Libertadores já mencionada e um Mundial de Clubes da Fifa (2012).

Confira outros trechos da entrevista

Semifinal contra o Santos

Lembro como se fosse hoje. Vamos marcar o Neymar individualmente? Não, não vamos. No setor que ele cair, pega e pega forte. E cola. E foi sensacional nosso jogo na Vila!

Faltou Seleção Brasileira, Sheik?

Eu saí jovem e voltei já ali, faltando seis, sete anos para encerrar a carreira. Fica um sentimento de ‘como poderia ser’, ‘qual o gostinho’. Assim, Casão, eu olho para trás, poxa... Estou muito feliz, cara.

Possibilidade de ser dirigente no Corinthians

Sou apaixonado pelo Corinthians, já manifestei isso inúmeras vezes. Seria um enorme prazer trabalhar no Corinthians. Trabalharia, sim, mas de uma forma que eu me sentisse útil a ajudar. Existe, existe.

Veja mais em: Emerson Sheik, Ex-jogadores do Corinthians, Títulos do Corinthians, Ídolos do Corinthians e Jogos Históricos.

Veja Mais:

  • Jogador fez duas temporadas pelo time baiano antes de ir para a Arábia

    Corinthians acerta contratação de meia que trabalhou com Carille na Arábia

    ver detalhes
  • Jogadores que não atuaram diante do Avenida-RS treinaram no CT Joaquim Grava

    Corinthians se reapresenta no CT; Carille esboça time reserva para encarar o Botafogo-SP

    ver detalhes
  • Cássio falou com a reportagem do Meu Timão na tarde desta quinta no CT

    Ao Meu Timão, Cássio analisa primeiro gol do Avenida-RS; goleiro enaltece reação da equipe

    ver detalhes
  • Rosenberg foi duramente questionado por conselheiros do clube

    Conselheiros do Corinthians enviam carta para Andrés com críticas a Rosenberg; leia na íntegra

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes