Titular no Mundial e presente em outros quatro títulos no Corinthians, Paulo André se aposenta

30 mil visualizações 108 comentários

Por Meu Timão

Paulo André após o título contra o Chelsea; zagueiro se aposentou neste final de semana

Paulo André após o título contra o Chelsea; zagueiro se aposentou neste final de semana

Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Paulo André, agora, é um ex-jogador. A despedida dos gramados do ex-camisa 13 do Corinthians foi confirmada neste final de semana, com uma homenagem do seu último clube (Athletico-PR) e um texto nas redes sociais, na qual agradece aos clubes que atuou e cita o Timão, ao lado da agremiação paranaense, como o que mais marcou sua trajetória.

Leia também: Levado por Paulo André, zagueiro Pedro Henrique está no Athletico-PR

E a citação não foi por acaso. Paulo André conquistou nada menos do que cinco títulos no Parque São Jorge: Paulista (2013), Brasileiro (2011), Libertadores (2012), Mundial de Clubes (2012) e Recopa Sul-Americana (2013).

Paulo André e companheiros após a conquista diante do Chelsea no Japão

Paulo André e companheiros após a conquista diante do Chelsea no Japão

Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Com exceção dos dois primeiros (Brasileiro-11 e Libertadores-12), na qual se revezou com Castán e Chicão, o ex-jogador foi titular absoluto da equipe nas outras três conquistas. Destaque, claro, para a participação ao lado de Chicão diante de Al-Ahly e Chelsea no Japão.

Paulo André chegou ao Parque São Jorge em 2009, permanecendo até início de 2014. O zagueiro disputou 153 jogos no Corinthians, com 10 gols marcados. Seus principais parceiros de zaga no período foram William, Chicão e Gil.

Em tempo: em 2017, o agora ex-zagueiro causou polêmica e irritação em boa parte da torcida ao entrar com um processo na Justiça contra o Corinthians. Entre as alegações, Paulo André alegou faltou de descanso devido ao acúmulo de jogos, além da ausência de folga nos finais de semana. O caso gerou polêmica.

Chicão foi um dos principais parceiros de zaga de Paulo André no Corinthians

Chicão foi um dos principais parceiros de zaga de Paulo André no Corinthians

Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Veja a carta de despedida de Paulo André

"Quando uma pessoa se aposenta, ouve-se dizer “agora vou curtir minha vida, vou viajar, etc...”. Talvez por essa razão eu tenha dificuldade de utilizar a palavra aposentadoria.

A minha carreira no futebol continua numa nova função. Já a minha trajetória como atleta profissional de futebol... essa sim se encerra, a partir de agora, após 22 anos maravilhosos de amizades, histórias e conquistas.

Morei em três continentes diferentes e passei por todos os outros jogando futebol. Sou eternamente grato aos clubes e às pessoas com quem convivi. Corinthians e Athletico foram os clubes que mais marcaram a minha carreira e onde ganhei os títulos e prêmios individuais mais importantes, mas não posso esquecer do São Paulo, Guarani, Le Mans e Cruzeiro, que me permitiram avançar em todos os sentidos. Foram ao todo oito títulos, três prêmios individuais e quase 40 gols como profissional. Sem contar as peripécias fora dos gramados... um blog, um livro, um leilão de obra de arte, uma campanha publicitária para uma marca mundial, uma ONG, uma empresa de gestão de investimentos para atletas, um movimento inédito, etc... Foi demais! E pra colocar um ponto final nessa história, tem textão com acidez, é claro.

Eu nunca achei que pudesse ser jogador de futebol profissional. Muito menos um zagueiro. Sempre vi como coisa chata, a última opção dentre todas as posições. Mas foi o único lugar do campo que me deixaram ficar, então fiquei. Os últimos 20 anos foram de alojamento e concentração, um tédio criativo que produziu iniciativas poderosas. Poderosas até demais, pois me ferrei diversas vezes por não entender, ou não aceitar, que os jogadores não deveriam fazer perguntas ou expor suas opiniões. Uma coisa é certa, eu nunca aceitei a rotina tediosa do ócio como parte inegociável da minha (agora) ex-profissão. E isso hoje faz toda a diferença!

Fato é que eu nunca fui tão bom jogador quanto esperavam, mas fui o melhor que eu podia ser. Eu fui muito mais longe do que imaginei, uma pena ter me limitado tanto.

Infelizmente nunca consegui ultrapassar a barreira dos 30km/h correndo atrás de um atacante. Isso sim foi motivo de grande chateação. No começo era pior, eu sofria tragédias inteiras calado e fiz de tudo pra mudar, mas não deu. Ossos da vida e da genética, não dependia só de mim.

E tudo bem, ao longo da carreira aprendi a conviver com as minhas limitações e até tirava sarro delas. Mais do que isso, foram elas que me fizeram encontrar atalhos até mesmo em linhas retas do gramado. Acabei por descobrir que há diversas velocidades no futebol e eu só não tinha uma delas. As outras eu até que praticava bem. Era apenas uma questão de tempo e espaço, espaço e tempo.

Terminei a carreira com as pessoas dizendo que eu jogava de terno e ontem, pela primeira vez, entrei de terno num gramado e entendi o que elas queriam dizer. Apesar de elegante, eu parecia estar meio amarrado.

Não houve um dia nos últimos 20 anos que eu não tenha saído da cama com a sensação de que eu podia ser melhor, de que valia a pena insistir, repetir e tentar de novo, cada vez melhor. Recentemente, pela primeira vez na vida, eu não quis sair da cama para treinar. A vontade de ser um melhor gestor passou a ser maior do que a de ser um bom jogador de futebol. E nesse dia decidi organizar minha retirada. A força de tanto querer me fez ser quem eu fui e por respeito a essa força, eu continuo escutando e seguindo-a, dessa vez nos campos da gestão!"

Veja mais em: Ex-jogadores do Corinthians e Mundial de Clubes.

Veja Mais:

  • Renato Augusto fez uma pintura contra o Grêmio

    Renato Augusto faz golaço, Corinthians busca o empate e deixa Grêmio mais perto da Série B

    ver detalhes
  • Corinthians e São Paulo definem o campeão paulista na próxima quarta-feira

    Saiba como garantir ingressos para a final entre Corinthians e São Paulo no Paulistão Feminino

    ver detalhes
  • Willian foi eleito o melhor em campo pela Fiel

    Meia 'se salva' em tarde ruim do Corinthians e é o melhor da partida; Sylvinho volta a ser o pior

    ver detalhes
  • Róger Guedes durante o empate com o Grêmio, que garantiu a vaga direta na Libetadores 2022

    Corinthians garante vaga na fase de grupos da Libertadores mesmo com empate; veja tabela

    ver detalhes
  • Renato Augusto marcou o gol de empate do Corinthians e foi um dos poucos  que "se salvou"  na opinião da Fiel

    Substituições inesperadas e críticas a Sylvinho marcam empate entre Corinthians e Grêmio

    ver detalhes
  • Sylvinho deu suas impressões sobre o empate contra o Grêmio

    Sylvinho fala em jogo difícil e explica substituições no empate contra o Grêmio

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x