Alvo de racismo na China, Urso cobra posicionamento de negros contra o preconceito

3.3 mil visualizações 33 comentários

Por Meu Timão

Fora de campo, Urso se posiciona sobre o racismo e luta contra o preconceito

Fora de campo, Urso se posiciona sobre o racismo e luta contra o preconceito

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Peça importante na engrenagem da equipe desde que chegou ao Corinthians, Júnior Urso também tenta fazer seu papel fora das quatro linhas. Vítima de racismo quando atuava na China, o volante deu entrevista importante sobre o assunto, cobrando mais posicionamento de outras personalidades negras.

"Ainda falta um pouquinho outros negros que têm nome. Tem pessoas no nosso país que todos ouvem quando se expressam, então faltam outros negros com poder de voz se expressarem um pouco mais e brigarem pela causa", pontuou, em conversa com o UOL Esporte.

Leia também:
Reserva para a entrada de Gil, Henrique só não foi titular em 11 partidas desde que chegou ao Timão
Corinthians terá médica no banco de reservas pela primeira vez na história

Entre os exemplos citados pelo jogador estão nomes como Thiaguinho, da música, Neymar e Pelé, do próprio futebol. Urso, cabe destacar, fez uma tatuagem em alusão ao símbolo dos Panteras Negras, partido político que durou entre 1966 e 1982.

"Só vai haver igualdade quando este tipo de pessoa também falar, porque muita gente se espelha nelas. Na música temos o Emicida, um rapper que está brigando pelo seu espaço. Talvez o Thiaguinho fosse um cara legal de falar mais sobre isso, apesar de estar em outras situações, na televisão - de repente tiram ele de lá se ele insistir nisso. O próprio Neymar também... Outros negros deveriam se expressar mais, ajudar mais na causa" comentou.

"Eu nunca o vi falar sobre isso (Pelé). Seria interessante ele agir desta forma", completou.

O tema ganhou ainda mais a atenção do jogador a partir de 2017, quando foi chamado de macaco durante um clássico na China, quando vestia as cores do Ghangzhou. Durante a entrevista, o volante ainda revelou outro caso de injúria, dessa vez em uma balada em Florianópolis.

Fala, Gil!

Para combater o preconceito no futebol, a FIFA aprovou a parada de partidas quando um caso de racismo acontecer. Questionado sobre o tema, Gil confirmou já ter sofrido injúrias, mas disse não confiar que a medida será colocada em prática.

"Já sofri, mas não acredito muito nisso (medidas da Fifa de encerrar partidas em casos de racismo). Se for decisão da Fifa, temos que aceitar e ver o que vai ser melhor", afirmou, em coletiva concedida nesta sexta-feira.

Veja mais em: Júnior Urso.

Veja Mais:

  • Cazares pode ser jogador do Corinthians no Brasileirão; negociação avançou nas últimas horas

    Corinthians avança na contratação de Cazares, e aguarda Atletico-MG

    ver detalhes
  • Everaldo volta a ser titular do Corinthians após pouco mais de um mês

    Everaldo volta a ter sequência no Corinthians após demissão de Tiago Nunes

    ver detalhes
  • Esgota réplica de camisa utilizada por Ronaldo Giovanelli em 1990

    Torcida do Corinthians esgota em poucas horas réplica da camisa de Ronaldo Giovanelli

    ver detalhes
  • Luan voltou a treinar normalmente neste sábado; Araos, por sua vez, está suspenso pelo terceiro amarelo

    Luan volta, e Corinthians retoma os treinamentos para encarar o Sport; veja provável time

    ver detalhes
  • Diretoria do Corinthians se incomoda com decisão favorável apenas ao Rio de Janeiro

    Você concorda com o boicote do Corinthians ao Brasileirão caso o público volte apenas no Rio? Vote!

    ver detalhes
  • Coelho tem mais dias de trabalho antes da próxima partida

    Fim de semana livre, retornos e dúvidas: Corinthians 'começa' trabalhos para jogo com o Sport

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: