Levantamento destrincha situação financeira do Corinthians em 2018; veja principais pontos

46 mil visualizações 236 comentários

Parte social do Corinthians tem pesado negativamente no orçamento do clube

Parte social do Corinthians tem pesado negativamente no orçamento do clube

Danilo Augusto/Meu Timão

Anualmente publicado pelo Itaú BBA, o levantamento "Análise Econômico-Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros" dá uma noção real da situação de cada equipe da elite nacional. Com acesso ao estudo publicado nesta semana e que diz respeito ao ano de 2018, o Meu Timão resolveu analisar o panorama do Corinthians.

Mesmo com satisfatório aumento de 9% nas receitas em relação a 2017, há uma série de problemáticas que merecem destaque, como a dependência de venda de jogadores e o déficit constante da parte social do clube.

Os principais pontos do estudo a respeito do Corinthians

Receita aumentou, mas...

O Corinthians terminou a última temporada com receita bruta total de R$ 389 milhões - R$ 32 milhões a mais que no anterior. Ainda assim, não há grandes motivos para comemorar. O crescimento foi impulsionado pelos direitos de TV da Copa do Brasil, em que o time chegou na final.

O aumento, então, podia ser naturalmente maior, mas acabou brecado por outros fatores, como a queda de 47% das receitas provenientes de publicidade - o clube não teve patrocínio máster durante todo o ano.

Gastos e vendas em alta

O aumento da receita também aconteceu por uma prática que vem irritando a torcida: a venda de jogadores. No atual panorama, negociar seus destaques tem sido uma válvula importante para a equipe manter as contas em dia. Em 2018, foram R$ 79 milhões arrecadados com isso - o valor ficou em R$ 53 milhões no ano anterior.

Ao contrário do que aconteceu em 2017, porém, o clube investiu mais na reposição dessas perdas. O investimento total da temporada foi de R$ 72 milhões - R$ 54 milhões acima do último ano.

Gastos centralizados

De todo o montante investido pelo clube no ano, R$ 68 milhões foram destinados ao time profissional. Dos R$ 4 milhões restantes, metade foi para as categorias de base e outra metade para estrutura.

Social pesado

Deixando de lado o futebol, o Corinthians também precisa prestar atenção na parte social do clube, que vem pesando negativamente no orçamento. Depois de dar prejuízo de R$ 16 milhões em 2017, o setor teve déficit de R$ 22 milhões no ano passado.

Em 2018, cabe destacar, foram R$ 53 milhões de despesas totais com o social. Desse montante, a alta quantia de R$ 34,3 milhões é destinada ao "pessoal" - o valor é maior que a receita total do social, que é de R$ 31,1 milhões.

Dívida aumentando

Sem contar a questão da Arena Corinthians, o clube fechou 2018 com uma dívida total de R$ 452 milhões, de acordo com o levantamento. Em comparação a 2017, o montante cresceu cerca de 12%. Segundo o estudo, isso está ligado, principalmente, ao aumento de salários e encargos a pagar, que incluem os direitos de imagens de atletas.

Parte da dívida também foi gerada pela tentativa de cobrir os gastos da Arena com o futebol. O Itaú BBA fala em R$ 25 milhões tirados dos cofres para auxiliar no pagamento do estádio. Para equilibrar as contas após isso, o Timão ainda captou R$ 29 milhões junto a bancos.

Leia também: Analista financeiro comenta peso da Arena Corinthians no orçamento do clube

Como o estudo define o Corinthians

Em uma espécie de resumo do panorama alvinegro, o levantamento compara o Corinthians a um equilibrista que mantém vários pratos girando sobre hastes.

"Exige muito esforço e fôlego, mas enquanto eles estão girando a plateia aplaude. A manutenção da dependência da venda de atletas é um sintoma ruim, assim como a redução de valores a recebe em Publicidade, sem contar a falta que a receita de bilheteria faz. Haja fôlego. Ainda assim, o clube voltou a investir mais forte em 2018", diz o documento.

Além desse fatores, a necessidade do futebol manter a parte social também ganha sinal de alerta dos especialistas. Para os estudiosos, se essa situação não mudar, será difícil manter-se competitivo.

"Enquanto isso, a distância para os rivais mais fortes aumenta, mas é encoberta por títulos no meio do caminho. O risco do equilibrista tropeçar no caminho. Recolher os cacos é sempre mais difícil", finaliza o levantamento.

Veja mais em: Diretoria do Corinthians.

Veja Mais:

  • Lateral-esquerdo Reginaldo, do time Sub-20, participou do treino da equipe principal nesta quarta-feira

    Corinthians faz treino de posse de bola com atletas do Sub-20; Renato e Giuliano não vão ao gramado

    ver detalhes
  • Derrota no Majetoso, com mais um desempenho ruim, despertou a bronca de boa parte da torcida do Corinthians contra o técnico Sylvinho

    Pressão por saída de Sylvinho do Corinthians chega ao Parque São Jorge; CT tenta manter bolha

    ver detalhes
  • Duilio Monteiro Alves assumiu a presidência do Corinthians no dia 4 de janeiro

    Corinthians revisa orçamento de 2021; Meu Timão mostra o antes e depois dos números

    ver detalhes
  • Felipe se despediu do Corinthians em 2016

    Felipe se declara ao Corinthians e não descarta retorno: 'Seria uma possibilidade'

    ver detalhes
  • Corinthians recorre decisão que favorece o atacante Mauro Boselli

    Corinthians recorre de decisão da Fifa no processo de Boselli e aguarda resposta

    ver detalhes
  • Corinthian-Casuals buscava classificação histórica, mas ficou pelo caminho na FA Cup

    Corinthian-Casuals é derrotado nos pênaltis e está eliminado da FA Cup

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x