Para onde vai o dinheiro que a Fiel gasta com segundo ingresso mais caro do Brasil

41 mil visualizações 284 comentários Comunicar erro

Torcida do Corinthians costuma levar bons públicos à Arena

Torcida do Corinthians costuma levar bons públicos à Arena

Fernando/ Meu Timão

O Corinthians é dono do segundo tíquete médio mais caro do Campeonato Brasileiro. O torcedor alvinegro deixa, em média, R$ 52,50 por jogo na bilheteria da Arena, em Itaquera, a cada rodada como mandante da atual edição. Apenas o Palmeiras cobra de sua torcida valor mais alto (R$ 56). Diante desse cenário, o Meu Timão esmiuçou, item por item, os borderôs divulgados pela CBF. O objetivo é esclarecer à Fiel para onde vai o dinheiro gasto com os ingressos – montante destinado a pagar muitas despesas. Despesas bancadas... pela Fiel.

Diferença entre renda bruta e renda líquida

A renda bruta do Corinthians no Brasileirão de 2019 passadas 13 partidas como mandante é de R$ 23.921.486,84 – é daqui que calculamos o valor médio de R$ 52,50 por ingresso. Das dezenas de milhões, R$ 7.755.382,44 foram usados para pagar despesas – veja item por item abaixo. O que sobra efetivamente para o clube são R$ 16.166.104,40 – a renda líquida.

Representando 67,6% da arrecadação total, a tal renda líquida é integralmente passada para o fundo responsável pelas contas da Arena Corinthians. Em outras palavras: dos R$ 52,50 que você torcedor paga por ingresso, R$ 35,49 vão para o financiamento do estádio.

Gráfico despesas x financiamento

Meu Timão/Infogram

Despesas que o torcedor banca

A grande diferença entre os quase R$ 24 milhões de renda bruta e os pouco mais de R$ 16 milhões de renda líquida se explicam pelas tais despesas citadas acima. Mas afinal, que gastos são esses que a Fiel banca e, até aqui, totalizam R$ 7,8 milhões no Brasileirão?

Despesas da Arena

Meu Timão/Infogram

Cabe já enfatizar: essa é uma grana que sai do bolso do torcedor, passa pela bilheteria da Arena e de lá já é encaminhada para seus mais variados destinos. O principal deles? Taxas e impostos, que já abocanharam quase R$ 2,5 milhões em 13 jogos do Corinthians em casa.

Cerca de 90% das taxas e impostos se dividem igualmente em duas fatias: 5% da renda bruta vão sempre para o INSS, órgão responsável pela previdência social no Brasil (imposto); outros 5% da renda bruta vão sempre para a Federação Paulista de Futebol (taxa).

A segunda principal despesa do Corinthians para mandar jogos na Arena é com orientadores. O clube, vale citar, contrata empresas terceirizadas para realizarem variados serviços ao custo de quase R$ 1,7 milhão em jogos do Brasileirão-2019 somente até aqui. Chama atenção haver nos borderôs ainda outros gastos de categorias similares como "segurança privada" (com custo de R$ 99 mil) e "prestadores de serviços" (custo de R$ 44 mil).

Talvez o principal problema do controle de despesas via borderô, porém, seja a quantidade de grana registrada em itens quase nada específicos. O terceiro maior gasto do Corinthians na Arena é com "despesas diversas", totalizando R$ 1,2 milhão até aqui na atual edição do Brasileirão. Tem partida que registra tais gastos em R$ 35 mil e tem outras que ultrapassam R$ 152 mil. Sem especificação da despesa, fica impossível explicar tamanha discrepância.

Alguns dos gastos do Corinthians com despesas da Arena, porém, são tabelados. O que isso significa? São idênticos (ou quase) em todos os jogos. Funciona assim com a Companhia de Engenharia de Tráfego (ou R$ 17 mil ou R$ 22 mil por jogo), ambulatório (na faixa de R$ 7 mil), ambulância (R$ 5 mil), controle de doping (também R$ 5 mil), monitoramento por imagens (R$ 3,5 mil) e banheiros químicos (R$ 1 mil).

Muitas das despesas, porém, não são lá muito padronizadas. Há na verdade grosseiras discrepâncias em alguns casos – além das já citadas "despesas diversas". No caso de transporte e hospedagem das equipes de arbitragem, dependendo do jogo, os gastos vão de R$ 1.439,96 a R$ 11.811,59 (este segundo valor mais de dez vezes maior que o primeiro). Grandes diferenças também são vistas em itens como "equipes de apoio", de R$ 1.650,00 a R$ 8.049,00, e "segurança privada", de R$ 1.550,00 a R$ 18.460,32 – esta última categoria de despesas vez ou outra nem aparece nos borderôs.

Vale ainda explicar que o item "alimentação", responsável pela quarta maior despesa do Arena Corinthians em jogos do Brasileirão (R$ 550.898,58), diz respeito aos alimentos fornecidos a "prestadores de serviços, staff e policiamento", conforme consta nos borderôs.

O peso das despesas da Arena Corinthians no bolso do torcedor

Arena ingressos

Meu Timão/Infogram

  • Taxas e impostos: R$ 5,42
  • Orientadores: R$ 3,73
  • Despesas diversas: R$ 2,55
  • Alimentação (prestadores de serviços, staff e policiamento): R$1,21
  • Arbitragem: R$ 0,87
  • Ingressos e controle de acesso: R$ 0,63
  • Companhia de Engenharia de Tráfego: R$ 0,58
  • Brigada de incêndio: R$ 0,45
  • Bilheteiros: R$ 0,35
  • Equipe de apoio: R$ 0,23
  • Segurança privada: R$ 0,22
  • Ambulatório: R$ 0,21
  • Ambulância: R$ 0,14
  • Controle de dopagem: R$ 0,14
  • Monitoramento por imagem: R$ 0,10
  • Prestadores de serviços: R$ 0,10
  • Seguro do público pagante: R$ 0,05
  • Banheiros químicos: R$ 0,05

Veja mais em: Arena Corinthians, Torcida do Corinthians, Ingressos e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Com cinco novidades, Coelho fez um esboço da provável equipe que deve enfrentar o Internacional

    Coelho esboça time contra o Internacional e Vital deixa treino com dores; veja provável escalação

    ver detalhes
  • Corinthians voltou a vencer o Ferro Carril na noite desta quinta

    Com briga no fim, defesa do Corinthians destrói argentinos e time vai à final da Liga Sul-Americana

    ver detalhes
  • Paolo Guerrero pode encarar o Corinthians neste domingo, em Itaquera

    Peru tem amistoso cancelado e Guerrero pode atuar contra o Corinthians neste domingo

    ver detalhes
  • Thiago Neves, aos 34 anos, tem contrato com o Cruzeiro até dezembro de 2020

    Thiago Neves fala em desejo de jogar no Corinthians em 2020; em coletiva, depois, freia empolgação

    ver detalhes
  • Alex Teixeira, de 29 anos, tem contrato com o Jiangsu Suning, da China, até o fim de 2020

    Corinthians retoma interesse e busca informações sobre a situação de Alex Teixeira na China

    ver detalhes
  • Renato Augusto e Rodriguinho seriam boas opções para o Corinthians em 2020?

    Sete dicas de ex-corinthianos que poderiam voltar ao Timão em 2020

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: