Da Vila São Jorge ao Corinthians: Meu Timão vai atrás de 'começo' de Luan, que perdeu a 7 para Túlio

31 mil visualizações 83 comentários

Rodrigo Vessoni

Por Rodrigo Vessoni, de São José do Rio Preto e Tanabi

A casa onde cresceu Luan no bairro Vila São Jorge, em São José do Rio Preto

A casa onde cresceu Luan no bairro Vila São Jorge, em São José do Rio Preto

Rodrigo Vessoni / Meu Timão

Luan se tornou conhecido no Grêmio e, nos últimos dias, viu seu nome ser comentado aos quatro cantos do país ao ser negociado com o Corinthians, por € 5 milhões (cerca de R$ 22 milhões). Mas de onde veio o meia-atacante? Qual sua trajetória?

E a resposta é o interior de São Paulo, mais precisamente a região de São José do Rio Preto, cidade localizada a cerca de 450km da capital paulista. Neste último final de semana, a reportagem do Meu Timão visitou as origens do jogador que deve ser a maior transferência alvinegra nesta janela.

Luan Guilherme de Jesus Vieira, atualmente com 26 anos, nasceu em Rio Preto. Sua mãe, Márcia, até pouco tempo morava no bairro Vila São Jorge. A casa segue lá, de propriedade da família, como constatado pelo Meu Timão. De acordo com os vizinhos, porém, Dona Márcia já não reside no local.

Leia também:
Lojas oficiais do Corinthians já vendem camisa de Luan com número 7; clube autorizou mudança
Luan se torna a contratação mais cara do Corinthians desde promessa chilena; foi a 5ª maior do clube

Foi lá que Luan cresceu com seus amigos, aprendeu a amar e curtir seu time de coração (Corinthians) e, claro, iniciou sua trajetória. Num primeiro momento, no futsal. Em busca de compensação financeira, o jovem de então apenas 18 anos passou a buscar outros caminhos. No caso, no futebol de campo.

Estádio Alberto Victolo, do Tanabi Esporte Clube, primeiro clube profissional de Luan

Estádio Alberto Victolo, do Tanabi Esporte Clube, primeiro clube profissional de Luan

Rodrigo Vessoni / Meu Timão

E foi no ano de 2012 que surgiu a primeira oportunidade de se profissionalizar. O time? Tanabi Esporte Clube, da pequena cidade de Tanabi, localizada a cerca de 30km de Rio Preto. Luan teve as primeiras chances na Série B Paulista, a quarta divisão do Estado de São Paulo, recebendo ajuda de custo por mês.

Logo em seu primeiro ano, o meia-atacante teve a chance de conviver e até dividir o gramado com um dos maiores e mais folclóricos centroavantes do futebol brasileiro: Túlio Maravilha.

Em busca de seu gol 1000 (nas suas contas), Túlio encarou o forte calor de Tanabi e disputou algumas partidas pela equipe da cidade. Os dois atacantes chegaram a disputar amistosos e até uma partida oficial juntos, como é possível ver nessa súmula abaixo.

Súmula com Luan (camisa 9) e Túlio Maravilha (camisa 7) pelo Tanabi, em 2012

Súmula com Luan (camisa 9) e Túlio Maravilha (camisa 7) pelo Tanabi, em 2012

Reprodução/Internet

Detalhe fica por conta do número da camisa. Túlio, que sempre jogou com a 7, utilizou o mesmo número no Tanabi. Luan, que sempre gostou do número 7, precisou virar o camisa 9. Quando iniciava no banco (sim, Luan brigava por posição), o meia-atacante quase sempre ficava com a camisa 17.

América-SP, dono do estádio Teixeirão, foi o clube que Luan se destacou na Copinha de 2013

América-SP, dono do estádio Teixeirão, foi o clube que Luan se destacou na Copinha de 2013

Rodrigo Vessoni / Meu Timão

Na sequência, Luan foi emprestado ao América de Rio Preto, dono do maior estádio da região, o Teixeirão, que já foi palco de jogos oficiais de todos os grandes clubes paulistas e, neste momento, está inutilizado.

Em situação complicada naquela época (ainda segue igual), o América-SP teve dificuldades para pagar a ajuda de custos a Luan, que decidiu voltar ao futsal para ganhar a metade (R$ 50).

Mas Luan foi convencido a voltar ao América. Retorno esse que mudaria sua vida. Literalmente. Reintegrado ao clube, Luan foi um dos jogadores inscritos na Copinha de 2013. Com seis gols, tornou-se um dos principais destaques da competição.

Uma rápida passagem pela Catanduvense-SP, também da região de Rio Preto, e depois para o.... Grêmio. No clube gaúcho, ainda disputaria alguns jogos nas categorias da base até brilhar no profissional. Daí em diante, a trajetória conhecida por todas: melhor da América em 2017, quatro títulos, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos e, agora, a transferência para o time do coração.

Veja mais em: Luan, Mercado da bola e Especiais do Meu Timão.

Veja Mais:

  • Neo Química já foi patrocinadora máster do Corinthians na época de Ronaldo Fenômeno

    Neo Química, dona do naming rights, volta à camisa do Corinthians; saiba os detalhes 

    ver detalhes
  • Foi assim que o Corinthians de Mancini ajudou a mudar a história do Brasileirão 2020

    VÍDEO: Foi assim que o Corinthians de Mancini ajudou a mudar a história do Brasileirão 2020

    ver detalhes
  • Ex-Corinthians, Léo Príncipe cobra R$ 257,3 mil do clube na Justiça do Trabalho

    Ex-Corinthians, Léo Príncipe move ação contra o clube e cobra quase R$ 260 mil

    ver detalhes
  • Jô fez o terceiro do Corinthians na vitória contra o Sport

    Jô mantém ótima média na Neo Química Arena em jogos do Brasileiro; atacante fica perto da artilharia

    ver detalhes
  • 'Meio sinistro' | Vim parar na Neo Química Arena e não sei por quê | Isso é Corinthians

    VÍDEO: 'Meio sinistro' | Vim parar na Neo Química Arena e não sei por quê | Isso é Corinthians

    ver detalhes
  • Daniela Alves, técnica do time de base do Corinthians feminino, projetou o desempenho do Timão na competição nacional

    Daniela Alves vê Corinthians pronto para o Brasileiro Feminino Sub-18 e aposta em torneio disputado

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: