Temporada 2020 do Corinthians marcou a maior receita de venda de atletas de sua história; veja lista

23 mil visualizações 258 comentários

Carlos Augusto (Monza-ITA) e Pedrinho (Benfica-POR), as duas maiores vendas do Corinthians na temporada 2020

Carlos Augusto (Monza-ITA) e Pedrinho (Benfica-POR), as duas maiores vendas do Corinthians na temporada 2020

Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

O Corinthians fechou o ano fiscal de 2020 com um déficit de R$ 123 milhões. A situação teria sido muito pior se não fosse a receita com a venda de jogadores. O balanço financeiro do clube, divulgado no último sábado, mostrou que o Timão teve o ano mais exitoso de sua história com a transferência de atletas. O valor total: R$ 189,2 milhões.

Esse valor supera a temporada de 2016, quando o clube vendeu seus campeões brasileiros para China (Gil, Ralf, Jadson e Renato Augusto), França (Malcom e Love), Portugal (Felipe, Elias e André) e Espanha (Pato e Luciano), somando R$ 144,4 milhões - o terceiro ano mais exitoso foi em 2018, com R$ 118,9 milhões.

O montante de R$ 189,2 milhões em 2020 foi atingido com a transferência de sete jogadores. O destaque, claro, para Pedrinho, vendido ao Benfica. As vendas foram:

  • Júnior Urso para o Orlando City, dos Estados Unidos: R$ 3,4 milhões;
  • Clayson para o Bahia: R$ 3 milhões;
  • André Luis para o Daejeon Citizen, da Coreia do Sul: R$ 11 milhões;
  • Gustagol para o Jeonbuk Motors, da Coreia do Sul: R$ 13,7 milhões;
  • Pedro Henrique para o Athlético-PR: R$ 6 milhões;
  • Carlos Augusto para o Monza, da Itália: R$ 25 milhões;
  • Pedrinho para o Benfica, de Portugal:

A venda do atacante André Luis para o Daejeon Citizen, vale destacar, foi definida entre os clubes, mas o Corinthians levou calote dos coreanos. O dinheiro foi contabilizado no balanço, mas não entrou na conta corrente do clube. A Fifa já foi acionada.

Essa maior receita da história corinthiana, como não poderia ser diferente, tem a ver com a transferência de Pedrinho ao Benfica, que é a maior venda de um jogador do clube em 110 anos. O prata da casa foi a Portugal por € 18 milhões (cerca de R$ 117 milhões, à época).

É preciso ressaltar que o Corinthians não tinha 100% dos direitos econômicos desses jogadores. Pedrinho, por exemplo, renderá na prática 70%; Enquanto Gustagol, na prática, renderá apenas 30% do valor (já havia recebido R$ 1,5 milhão do Internacional por outros 15% no começo de 2020).

Além da transferência desses atletas, o Corinthians recebeu dinheiro por empréstimos e também por meio do mecanismo de solidariedade da Fifa, que garante aos clubes formadores uma fatia de até 5% das transferências quando os atletas são vendidos após sair do clube (ex: Malcom, quando trocou o Barcelona, da Espanha, pelo Zenit, da Rússia).

Veja mais em: Carlos Augusto, Pedrinho, Mercado da bola, Diretoria do Corinthians, Clayson, Júnior Urso, André Luis, Gustavo, Pedro Henrique e Dívida do Corinthians.

Veja Mais:

  • Felipe Oliveira/EC Bahia

    Corinthians melhora no segundo tempo, mas não consegue sair do zero contra o Bahia

    ver detalhes
  • Cantillo foi eleito o melhor do Corinthians diante do Bahia

    Cantillo é eleito melhor do Corinthians em empate com o Bahia; técnico e volante são os piores

    ver detalhes
  • Jô durante o aquecimento no estádio do Pituaçu

    Corinthians multa Jô por conta de chuteira verde contra o Bahia; jogador se pronuncia

    ver detalhes
  • Romero respondeu comentário de torcedor do Corinthians

    Romero responde torcedor sobre possível volta ao Corinthians; veja vídeo

    ver detalhes
  • Adson foi uma das escolhas de Sylvinho neste domingo

    Torcida do Corinthians critica Sylvinho por escalação, mas elogia espaço para base; veja tuítes

    ver detalhes
  • Sylvinho falou sobre alternativas para a escalação do Corinthians

    Sylvinho fala sobre 'alternativas para escalação' e analisa boa recomposição defensiva de Vital

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x