Castán relembra conquista da Libertadores pelo Corinthians e elenca episódios marcantes

2.7 mil visualizações 16 comentários

Por Meu Timão

Leandro Castán relembrou episódios do título da Libertadores de 2012

Leandro Castán relembrou episódios do título da Libertadores de 2012

Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Nesta segunda-feira, o Corinthians celebra o aniversário de dez anos de sua única conquista da Copa Libertadores. Um dos pilares da equipe campeã, o zagueiro Leandro Castán relembrou episódios marcantes da campanha vitoriosa de 2012.

O primeiro grande momento lembrado pelo defensor foi uma bela defesa do goleiro Cássio ainda nas quartas de final, contra o Vasco, no Pacaembu. No lance, Diego Souza, um dos principais jogadores do time carioca, ficou cara a cara com o arqueiro corinthiano e o viu operar um milagre com a ponta dos dedos.

“Eu lembro aqui que foi uma bola parada a favor nossa, escanteio. Eu estava na área para cabecear e aí eu sei que o Vasco tira a bola e cai no pé do Alessandro. Eu lembro que, quando a bola caiu no pé dele, eu corro para o segundo pau pra esperar a cavada. Quando o Diego Souza vem e trava ele e a bola corre, eu parei de correr. Eu só fiquei ‘ai, meu Deus do céu, tira essa bola, pelo amor de Deus’, eu fiquei ali torcendo, porque não tinha mais o que fazer. A hora que a bola resvala, cai certinha pra ele. Só o Cassio poderia fazer alguma coisa ali. E lembro que, quando o Cássio fez aquela defesa ali, eu disse ‘cara, a gente vai ser campeão", disse Castán, à TV Gazeta.

Ainda assim, na avaliação de Castán, o adversário mais difícil veio na rodada seguinte. O ex-camisa 4 do Corinthians relembrou também o confronto contra o Santos, o qual classificou como mais complicado daquela edição do campeonato.

“Tinha um grande time, se a gente vacilasse um segundo, poderia perder a qualquer momento. O Neymar podia fazer uma coisa diferente, o Ganso com uma bola ou outro. Para mim, o Santos, porque o ataque do Santos era muito forte e eu, como zagueiro, tinha que estar o tempo inteiro concentrado. Então coloca o Santos como adversário mais forte”, classificou o ex-jogador do Corinthians.

Após eliminar Vasco e Santos, respectivamente, o Corinthians encontrou o Boca Juniors, da Argentina, na decisão final. O confronto de ida terminou em 1 a 1 e ficou marcado pelo gol do atacante Romarinho, novidade promovida pelo técnico Tite durante o segundo tempo da partida.

“Cara, eu não entendi nada (quando o Romarinho entrou). (...) O legal do nosso grupo era isso, se você está bem, você joga. E, cara, quando ele entra em campo, eu penso ‘estamos com um a menos, o cara não vai nem tocar na bola, na Bombonera, jogo pegando fogo, 1 a 0 para os caras’. Que loucura! E o pior em tudo, não foi qualquer gol, ele cavou”, relembrou Castán.

O outro grande herói da decisão foi Emerson Sheik. O camisa 11 do Timão anotou os dois gols da finalíssima no Pacaembu e foi exaltado por Leandro Castán dez anos após a conquista da América do Sul.

“O Sheik era imprevisível, você não sabe que horas ele vai chegar no treino, se vai chegar, o que ele vai fazer no jogo. Cara, ele era o ponto fora da curva do nosso time, todo mundo muito profissional, dedicado, ele também era dedicado, mas ele era polêmico e gostava disso. Isso era legal porque levava o time a pensar ‘esse cara é maluco’, isso era legal. Quando chega na final, na preleção, o Tite falou ‘não vamos entrar em provação, Sheik, não vai entrar na provocação dos caras’. Acho que ele falou o nome dele. Ele deitou até nisso, fez dois gols na final, sou muito amigo dele”, contou o zagueiro.

“Foi uma loucura. Lembro que a família estava no Pacaembu, tinha filho pequeno. Aí eu disse ‘essa festa não vou perder’. Eu lembro que eu peguei uma van com o Fábio Santos e o Douglas, a gente foi para o Anhembi, minha esposa foi com meu filho para casa. E foi legal para caramba, uma emoção muito grande, porque hoje eu sei o que a gente fez, mas naquele momento eu queria curtir, porque parecia que tinha saído uma tonelada de mim. E eu sabia que era o meu último jogo no Corinthians, era muito especial para mim. E tínhamos conquistado o primeiro (título)”, finalizou Castán, sobre a festa do título.

Veja mais em: Ex-jogadores do Corinthians e Libertadores da América.

Veja Mais:

  • Vítor Pereira se retratou após declaração polêmica

    Vítor Pereira se retrata e explica declaração sobre medo de demissão no Corinthians

    ver detalhes
  • Corinthians venceu o primeiro jogo das quartas de final do Brasileiro Feminino

    Corinthians supera o Real Brasília fora de casa e larga em vantagem nas quartas do Brasileirão

    ver detalhes
  • Corinthians já iniciou os treinos de olho no jogo com o Atlético-GO

    Corinthians se reapresenta após derrota em Dérbi e inicia preparação para decisão na Copa do Brasil

    ver detalhes
  • Corinthians volta a jogar na Neo Química Arena com a partida das quartas de final do Brasileiro

    Corinthians anuncia mudança de jogo decisivo do Brasileiro Feminino para Neo Química Arena

    ver detalhes
  • Bernard falou sobre a possibilidade de jogar no Corinthians

    Bernard se pronuncia após informações de negociação com o Corinthians

    ver detalhes
  • Renato Augusto foi eleito o melhor do Corinthians na noite contra o Palmeiras

    Meia é eleito craque do Corinthians em noite de derrota em Dérbi; lateral é o pior

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x