Gustavo
Gustavo

25 anos , de Ponta Grossa

Gustavo Patrick Blum

Torcedor do site número: 353.779, cadastrado desde 23/05/2013

Aqui é Corinthians

male

Atividade no Meu Timão

Ranking do Fórum

12.200º lugar

Ver Ranking

Ranking de comentários

Faltam 15 comentários para o Gustavo entrar no ranking

Ver Ranking

35 Comentários

91% de aprovação

52 Posts

96% de aprovação

5 Tópicos

894 Visualizações

Última atividade no site em 04/04/2018 às 17h03

Atividades do Gustavo no Meu Timão

Última interação no site em 03/04/2018 às 12h32

  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "1 em 30 milhões: ele trocou Barcelona pela 'cidade Corinthians' após premonição da Libertadores"

    há 2 anos

    Parceiro Parras, monstro, história pesada tamo junto!

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Nascido na estrada, torcedor paranaense dribla distância e dois empregos para seguir o Timão"

    há 4 anos

    Relaxa meu chegado, eu não deixo minha família, minha família sempre está comigo, inclusive esposa me acompanha nos jogos e gosta muito, como tá escrito no texto, minha religião é o CORINTHIANS, o CORINTHIANS não precisa me conhecer, eu quem preciso ter a fundo o conhecimento sobre o CORINTHIANS, o Corinthians é maior que tudo isso, e falta muito a aprender como torcedor dele, burro é quem vem na maior página criticar torcedor que faz tudo que pode pra acompanhar o clube, sem se preocupar com a vida dos outros que não fazem.

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Nascido na estrada, torcedor paranaense dribla distância e dois empregos para seguir o Timão"

    há 4 anos

    Dessa vida nada levamos, aproveite da melhor forma possível e fazendo o que mais gosta, eu gosto de acompanhar o Corinthians!

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Nascido na estrada, torcedor paranaense dribla distância e dois empregos para seguir o Timão"

    há 4 anos

    Acha impossível, fique achando, o garoto da matéria sou eu, eu faço isso e como tá escrito na matéria costumo me esforçar e planejar as viagens meses antes, e não ultrapassar dos dias de finais de semana, enfim, não tem porque eu ficar explicando, e não tem necessidade de eu te mostrar meus trabalhos, abraços e VAI Corinthians

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Nascido na estrada, torcedor paranaense dribla distância e dois empregos para seguir o Timão"

    há 4 anos

    Eu não preciso que você acredite, se precisasse viria aqui com fotos da minha carteira de trabalho, minha folgas que trabalho muito pra fazer horas extras e conquistas, não te crítico pelo comentário até porque é um site aonde prevalesce liberdade de expressão, poré antes de julgar sem me conhecer por total, pergunte e leia mais a matéria.

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Com ídolo Wladimir, grupo de corinthianos se reúne em movimento 'Canto da Democracia'"

    há 4 anos

    A final, que culpa o torcedor tem de torcer para um clube que tem sua diretoria omissa e com pensamento próprio somente em si mesmo, não pensando no clube e nos seus torcedores?
    Nenhuma...

    CORINTHIANS, CORINTHIANS, CORINTHIANS!

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo comentou na notícia: "Com ídolo Wladimir, grupo de corinthianos se reúne em movimento 'Canto da Democracia'"

    há 4 anos

    Parabéns, infelizmente não pude estar presente, mais lhes parabenizo pelo resgate da nossa história e pela defesa da democracia!

    detalhes do comentário
  • Gustavo

    Gustavo postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "TORCEDOR DO TIME DO POVO, peço 10 minutos da sua atenção para este texto."

    há 4 anos

    Escreveu rápido porém ficou totalmente claro, espero que usem seus comentários como complementação do texto em que postei e possamos espalhar mas pelo fórum com um debate do jeito que estamos, pois precisamos disso, ainda mais nessa fase do clube onde é bem movimentado todos meios de comunicações do Corinthians, eu sempre tento passar aos torcedores que não conseguem frequentar estádios do Corinthians ou espalhados pelo Brasil, que as coisas não são como a TV mostra, todos até eu antes de conhecer Torcida Organizadas em si, julgava como 'Bandidos, marginais e etc...', hoje em dia faço parte, tenho minha família que faz parte, e me encontro como uma forma de demonstrar a paixão pelo Corinthians de uma forma unida que sempre usamos a frase 'Juntos somos fortes', e também não só apoiar o Corinthians, dentro da torcida faço meu papel social, na sociedade aqui dentro do PR, colaborando com a comunidade de diversas formas, isso tudo através de uma Torcida Organizada, coisa que a mídia não mostra, e só tende a mostrar nosso lado quando acontece alguma coisa de ruim, que eu como frequentador e associado de organizada tenho certeza que acontece muito menos do que uma ação social, porém é repetido pela mídia durante 1 mês sem parar, já nossas ações sociais divulgação zero, assim mostrando há quem não conhece nós 'Como monstros', e tentando nos excluir dos estádios em prol do modernismo do futebol.

    detalhes do post
  • Gustavo

    Gustavo postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "TORCEDOR DO TIME DO POVO, peço 10 minutos da sua atenção para este texto."

    há 4 anos

    Espero um debate limpo, e com argumentos reais e não 'criados' ou retirados através de nossa mídia suja, que é a pior do mundo, e muito menos por quem tem conhecimento algum sobre e vem criticar por achar bonito.

    Hoje o futebol é, ideologicamente, dividido entre dois grandes grupos: os que apoiam o “Futebol Moderno” e os opostos, os com “Ódio Eterno ao Futebol Moderno”. Há quem diga pertencer a uma terceira via, ou seja, que se simpatizam com as festas das torcidas, mas apoiam a limitação da festa. No fim, esses acabam por defender a base ideológica do “Futebol Moderno”.
    Ainda me lembro de em 2002 achar incrível os estádios da Copa do Mundo Japão/Coréia. Os tetos retráteis, os telões, as cadeiras… Tudo parecia de outro mundo. Sonhávamos que um dia o nosso time teria um estádio como aqueles. Parecia imponente. Parecia que o time ganhava um status de importância muito mais elevado do que o do outro.
    Porém, tudo não passa de um jogo ilusório do que denominamos “Mercado”. Esse deus que deseja tudo e todos demorou para aparecer nos estádios tupiniquins. Mas, após aparecer, não quer mais sair.

    De onde vem o “Futebol Moderno”?
    O “Futebol Moderno” surgiu na Inglaterra do século XX. Mais precisamente, na administração de Margareth Thatcher. Em 1979, quando assumiu o governo, as arquibancadas do futebol inglês eram habitadas pela classe operária do país.
    Acontece que o governo da Dama de Ferro ficou marcado por uma série de ataques à classe trabalhadora. Direitos trabalhistas foram perdidos, sindicatos fechados e outras atrocidades. A cada ano que se passava, mais pesada ficava as mãos do Estado sobre os trabalhadores.
    Para Thatcher, a mobilidade social causava o aumento da violência, do consumo de drogas e do terrorismo. Assim, ela passaria a tratar os problemas das torcidas da mesma forma como tratava o IRA.
    A classe operária jamais se calou nos anos de seu governo. As manifestações e greves ficavam cada vez maiores, igual o apoio popular. Foi assim que as arquibancadas do futebol inglês, por iniciativa dos torcedores, se transformaram em espaços para amplificar a causa operária. Margareth Thatcher percebeu que as bancadas podiam ser o foco de uma rebelião e decidiu agir com pressa.
    “Thatcher pregou a criminalização da torcida do futebol, enxergando-a apenas pelo prisma da ordem social, no mesmo momento em que declarou guerra aos sindicatos. Ela via os sindicatos como o inimigo interno. E os torcedores também se sentiam assim” Tim Vickery, jornalista da BBC
    Então, para combater os torcedores operários, Thatcher passou a usar o “combate a violência nos estádios” como motivo para fechar o cerco contra a rebelião popular.
    A Dama de Ferro elaborou uma “Identidade do Torcedor”. De acordo com a lei, somente a pessoa que estivesse de porte do documento teria acesso às partidas. O projeto não evoluiu, porque a tragédia de Hillsborough modificou seus planos para algo mais extremo.
    A tragedia, que matou 96 pessoas, marcou uma nova ofensiva de Thatcher contra os torcedores. A polícia local definiu de imediato que a tragédia se deu por conta do comportamento dos hooligans — equivalentes a nossa torcida organizada. Margareth Thatcher defendia a investigação do caso mas, ao mesmo tempo, se apoiava na versão policial para justificar suas novas leis.
    Surgia ali, no mesmo país que inventou o futebol, o Relatório Taylor. Para a galera do “Ódio Eterno ao Futebol Moderno” esse documento é como se fosse a certidão de óbito do futebol inglês. Ele definia que:
    Todos os lugares seriam numerados;
    Todos os setores teriam cadeiras — o que acabou com a tradição de assistir o jogo em pé;
    O veto de estádios com uso de alambrados e fossos;
    “Ficar em pé fazia parte do jogo desde que ele era um jogo. Acabar com isso, sem Hillsborough, era impensável. Para se ter uma ideia, a capacidade do estádio do Tottenham é de 35 mil, mas eu me lembro de 50 mil pessoas ali. O estádio está maior com capacidade menor. Em compensação, o preço do ingresso aumentou.” Tim Vickery
    As consequências do Relatório Taylor é óbvia. Os ingressos aumentaram de preço, os hooligans foram sumindo dos estádios e a classe operária foi substituída pela burguesia. O futebol inglês foi o primeiro a ser capturado pelo “Mercado”.
    Mesmo após a divulgação do relatório sobre o Desastre de Hillsborough, que comprovou que a culpa não foi dos torcedores e sim de falha do esquema de segurança da polícia, Thatcher não se redimiu. Hoje, ninguém se lembra mais desse relatório. Para o povo, a culpa de mortes no futebol continua sendo dos hooligans.
    Margareth Thatcher faleceu em 2013. O futebol inglês continua rico e moderno. Porém, não por desejo dos seus torcedores. O Manchester United não realizou o minuto de silêncio em sua homenagem, o medo era de que os torcedores transformassem aquilo em um minuto de vaias.

    O “Futebol Moderno” em solo brasileiro
    Assim como na Inglaterra, o movimento do “Futebol Moderno” usou um desastre da arquibancada como alavanca inicial para os seus planos. Na Final da Copa João Havelange, cerca de 150 pessoas ficaram feridas após serem derrubadas — uma pela outra — das arquibancadas. Os relatos dos torcedores na época era que tudo começou com uma briga no meio da torcida.
    A partir de então a imprensa brasileira passou a condenar organizadas e a enaltecer a forma como o esporte era dirigido pelos europeus — nessa época o “Futebol Moderno” já era praticado em diversos países de lá. A Copa do Mundo de 2002 também contou com um esforço para demonstrar a beleza e grandiosidade dos estádios que só um futebol moderno poderia proporcionar.
    Porém, ao contrário da Inglaterra, o “Futebol Moderno” não se instalou de vez no país. Ainda hoje, 15 anos após a Final da João Havelange, ele ainda encontra resistências e dificuldades para se solidificar. O principal avanço veio após o anúncio de que o Brasil sediaria a Copa de 2014.
    A Copa foi um salto — para baixo — para o Brasil. Os principais estádios foram transformados em “Arenas”. As Gerais foram destruídas e em seu lugar, foram colocadas cadeiras. Os lugares foram todos numerados, as faixas de torcidas limitadas a certos setores, as bandeiras, sinalizadores e papéis, proibidos. E, lógico, isso veio acompanhado do aumento dos ingressos.
    Após a Copa de 2014, as torcidas enfrentam diariamente uma série de dificuldades para realizar a festa nas arquibancadas. Um sinalizador, por exemplo, pode gerar perda de mando para o clube.

    Quem se beneficia com a modernidade?
    “Ok. Você já falou desse tal de “Futebol Moderno. Mas onde você quer chegar com esse papo? ”
    Já te explico.
    É interessante para os cartolas brasileiros fazer com que o futebol dê lucro. Foram vários anos mamando na teta do governo, gerando dívidas milionárias sem a necessidade de pagar. Mas uma hora a conta chega. E chegou.
    Por conta do “Futebol Moderno”, os clubes europeus passaram a montar times galácticos com salários nunca antes imaginados. Ganhou os cartolas europeus, mas quem perde? O futebol brasileiro.
    Os clubes brasileiros passaram a não conseguir manter as grandes estrelas. Todo ano os clubes são obrigados a passar por um inferno chamado “Janela de Transferência Europeia”. As dívidas, inclusive, fazem com que jovens jogadores deixem o país a preços bizarramente baixos.
    A única saída para os cartolas foi se juntar ao futebol moderno. Do governo, veio a colaboração nas reformas dos estádios. Do Poder Judiciário, as ações contra as Torcidas Organizadas. Do Legislativo, um Estatuto do Torcedor que não garante nada.
    Acontece que o “Mercado” ainda não venceu um oponente, as torcidas organizadas. Sempre digo que “torcida organizada é resistência”, e é. Se pegarmos os preços dos ingressos de acordo com os setores, veremos que os setores das organizadas ainda são os mais baratos. Se formos em algum jogo, veremos que encontraremos, provavelmente, mais negros e pobres nos setores das organizadas.
    Assim, não é difícil de entender o motivo dos ataques às Torcidas Organizadas. Assim como os Hooligans, as Torcidas Organizadas brasileiras representam a camada popular da sociedade. A implantação do futebol moderno no Brasil passa por sua extinção, uma vez que esses não são “torcedores-consumidores”.

    Torcida Organizada: O Bode
    As grandes torcidas organizadas como Galoucura, Máfia Azul, Gaviões da Fiel, etc. Surgem no futebol com uma grande...

    detalhes do post
  • Gustavo

    Gustavo postou em Estádio do Corinthians, no tópico "Aumento da capacidade do setor Norte"

    há 4 anos

    Só isso que responde ao meu texto? HAHA, chega ser engraçado.

    detalhes do post
`