Grazi
Grazi

de São Paulo

Grazi Meroe

Torcedora do site número: 662.187, cadastrada desde 17/10/2018

O maior do mundo jamais pode se apequenar. É grande por natureza!!!

female

Acessos no Meu Timão

Último acesso em 21/10/2019

Atividade no Meu Timão

Ranking do Fórum

Faltam 13 posts para a Grazi entrar no ranking do Fórum

Ver Ranking

Ranking de comentários

Faltam 31 comentários para a Grazi entrar no ranking

Ver Ranking

19 Comentários

100% de aprovação

7 Posts

100% de aprovação

7 Tópicos

5.155 Visualizações

2.578 Views por tópico

Última atividade no site em 21/10/2019 às 21h49

Atividades da Grazi no Meu Timão

Última interação no site em 20/06/2019 às 22h09

  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "Por uma nova invasão corintiana para fazer história"

    há 7 meses

    LONGO, MAS DE IMPORTANTE REFLEXÃO PARA AÇÃO

    Os títulos encobriram verdades 'ainda' não descobertas. Só incompetência? Corrupção? Verdade é que, dentro e fora de campo, a realidade está nítida para quem quer ver: O Corinthians rola ladeira abaixo sem freio. Culpados? Precisam ser identificados, se possível, criminalmente e condenados por seus crimes a serem 'ainda' descobertos. Se eles existem? Parece óbvio que sim. Enquanto do outro lado a lavanderia financeira favorece um clube e deprecia o povo, do lado de cá a depreciação ocorre contra O clube e O povo que é DONO desse clube. Segundo provérbio que aqui bem se enquadra: 'Há algo de podre no reino da Dinamarca'. Adaptando: No Reino do Corinthians.

    Apontar a problemática nítida e ocultada parece óbvio. Mas não é... Isso porque no Brasil se aceita tudo por um punhado de migalhas. Segundo a lenda, certo líder nazista mostrou a seus companheiros como é fácil dominar um povo. E a título de experiência depenou cruelmente uma galinha. Depois disso, com um punhado de milho em mãos passou a ser seguido pelo animal já quase desfalecido. Alguma semelhança com o que acontece por aqui? Seja na política nacional ou na esfera do Maior Clube do mundo, a história se repete. Literalmente se legitima as atrocidades contra si em troca de migalhas.

    Mas como mudar esse cenário? Primeiro: despertar para ele. Segundo: descobrir-se em poder de mudança. Terceiro e último: agir pela mudança. Na vida individual é mais fácil. Na coletiva, um desafio maior, porém, possível. Imaginem, por exemplo, se pelo menos um milhão de corintianos invadissem os entornos da Arena Corinthians em um dia de jogo. Um jogo em que não entrasse um único torcedor no estádio, mas em que a lotação de fora fosse a maior da história do futebol. Todos em prol de uma única coisa: AÇÃO PARA MUDANÇA. Isso seria ou não Um Agir com repercussão nacional e mundial?

    Independente das ideologias, creio que absolutamente todos os corintianos estão insatisfeitos com a condição não hegemônica do Corinthians, ao menos, no cenário nacional. Como o clube com maior e mais apaixonada torcida do mundo não é hegemonia absoluta em seu país? Aqui a referida insatisfação absoluta é também inconsciente. Isso porque, sabendo conscientemente ou não, todo corintiano sabe que Corinthians é hegemonia absoluta no mundo em termos de torcida. É ou não é?

    Mas a insatisfação absoluta e consciente de todos os corintianos é o que parece nítido a quaisquer olhos que vejam. De fato: o corintiano está sendo passado pra trás. Traduzindo: está sendo explorado na cara dura para beneficiar alguns 'espertos'. O corintiano há anos e hoje, mais do que nunca, se tornou (torna) poleiro para enriquecimento de dirigentes, empresários e jogadores. Tudo à custa de uma paixão.

    Não à toa a neurociência já comprovou a facilidade de dominar pessoas por meios emocionais. E o povo não sabe disso, mas os larápios... Ah, esses sabem muito bem. Porém, o despertar da consciência também está vindo à tona com cada vez mais força. E com ele a descoberta da verdade ou das verdades propositadamente ocultadas pelos 'espertos'.

    Chegou a hora de os corintianos (independente de classe e ideologia), aqueles que amam de fato o clube e o bancam, unirem-se em prol de um objetivo comum: MUDANÇA NO CORINTHIANS. E que este post seja disseminado pelos milhões de corintianos ou escritos e compartilhados com outras palavras. De preferência, sem assinatura de ninguém. Apenas com: Assinado: Corintiano/ Corintiana.

    VAMOS INVADIR FORA DA ARENA E GRITAR, DENTRE TANTOS CÂNTICOS, FORA Andrés! E DUALIBI nunca mais! Cartazes contra jogadores acomodados e empresários sanguessugas também seriam de bom tom.

    Lembre-se: nós que somos os patrões desses caras porque nós quem os pagamos para trabalhar para nós. E como donos da empresa temos de fazer valer os nossos propósitos.

    #invasaohistorica #maiordomundo #foraandres #dualibinuncamais #avelarnao #vaicorinthians #nossomossadiferença

    Assinado: CORINTIANA

    detalhes do post
  • Grazi

    Grazi comentou na notícia: "Carille lamenta erros de passes e admite foco de trabalho na parte ofensiva durante parada"

    há 7 meses

    'Fomos infelizes ao tomar o gol'? Infelicidade é do corintiano ao assistir a esse 'time' jogar. Infelicidade é saber que se paga caro para esses caras ganharem muito e acharem que está tudo bem.

    Como seria legal se eles tivessem a infelicidade de ganhar dois salários mínimos, serem escravos de um sistema seis ou sete dias por semana e ainda torcerem para o Corinthians com esse 'time'.

    detalhes do comentário
  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "Ganhar pra quê... Pra eles já tá tudo ganho"

    há 7 meses

    700 mil é o que esse treinador ganha? Sério?

    E os mais de trinta milhões de corintianos? Quanto ganham para ver essa humilhação?

    Realmente, assistir a jogos do Corinthians tem sido humilhante. Inda mais contra times pequenos e sem torcida. A diferença de vontade de ganhar é nítida nos menores.

    E não é de hoje... Mesmo nos títulos recentes. A vergonha está às claras faz tempo.

    Enquanto isso, mais jogadores sem talento e sem vontade são contratados para agradar a empresários.

    E o maior do mundo em torcida continua na mesma.

    Ah se fossem outros tempos... A torcida do passado estaria em cima nos dias de hoje.

    Mas eu que sou dos anos 80 já virei nutella. Antigamente era salário de pinga, pão com mortadela e terrão para jogar bola. Os caras comiam a lama e, se não comessem, ainda eram pressionados até pedirem para sair.

    Hoje: caviar, mimos, mínimo comprometimento e proteção infinita.

    Vontade de vencer pra quê desse jeito... Já está tudo ganho mesmo.

    Torcida que banca aceita tudo: salários exorbitantes para treinador e jogadores sem talento e vontade, corrupção à vontade e descarada até em time de 'aspirantes', mamatas de empresários para todo lado e infinitos etc.s que dariam uma enciclopédia.

    Mas está tudo bem. Vamos continuar pagando fortunas a TV fechada da fechada para não ter de acompanhar o Corinthians na rádio em pleno século XXI, bancando ingressos de primeira para futebol de última, comprando produtos caríssimos feitos de material barato e etc. Tudo para bancar essa farra. Reclamar? Sem chance... Porque se formos a qualquer propriedade do clube dizer alguma coisa, certamente seremos expulsos com vontade. Se bobear até por outros torcedores. A menos que sejamos da torcida organizada que hoje faz parte desse complô 'criminoso' contra o torcedor de bem.

    Enfim, hoje o torcedor é usurpado às claras e ainda acha que está tudo certo. Aí fica realmente impossível mudar alguma coisa. Fato

    detalhes do post
  • Grazi

    Grazi comentou na notícia: "Ficha técnica: Santos 1 x 0 Corinthians"

    há 7 meses

    700 mil é o que esse treinador ganha? Sério?

    E os mais de trinta milhões de corintianos? Quanto ganham para ver essa humilhação?

    Realmente, assistir a jogos do Corinthians tem sido humilhante. Inda mais contra times pequenos e sem torcida. A diferença de vontade de ganhar é nítida nos menores.

    Enquanto isso, mais jogadores sem talento e sem vontade são contratados para agradar a empresários.

    E o maior do mundo em torcida continua na mesma.

    Ah se fossem outros tempos... A torcida do passado estaria em cima nos dias de hoje.

    Mas eu que sou dos anos 80 já virei Nutella. Antigamente era salário de pinga, pão com mortadela e terrão para jogar bola. Os caras comiam a grama e, se não comessem, ainda eram pressionados.

    Hoje: caviar, mimos, mínimo comprometimento e proteção.

    detalhes do comentário
  • Grazi

    Grazi comentou na notícia: "Fagner garante Corinthians de 'cabeça erguida' após derrota e fala em resultado normal na Arena"

    há 8 meses

    Quando vi essa entrevista, nem acreditei. Hoje virou normal jogador do Corinthians achar normal empatar ou perder em casa. Não deveria ser normal nem empatar e perder fora de casa quando se trata de Corinthians. Quanto menos em casa e com ingressos tão abusivos. Inda mais quando se ganha rios de dinheiro só para jogar futebol. E com estrutura de primeiro mundo para fazer isso. Sem contar o fato de ser bancado por milhões que não ganham, em sua maioria, nem dois salários mínimos em média. Uma vergonha um jogador do Corinthians afirmar isso. Mesmo sendo o Fagner. Queria ver esses caras na pele do torcedor para sentir o que é normal na vida deles. Vergonhoso. Da próxima vez seria melhor não falar nada. Ou assumir a responsabilidade é dizer que é vergonhoso jogadores que jogam no Corinthians jogarem um futebol tão ridículo. Seria muito mais digno.

    detalhes do comentário
  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "O torcedor deve refletir sobre como torcer para times como "esse"..."

    há 8 meses

    Sou dos anos 80. O futebol mudou muito. Antigamente, ganhava-se bem menos e se jogava muito mais. Hoje, com altos salários e estrutura de primeiro mundo, não se joga nada. Todos querem ser jogadores para ganhar dinheiro. O resultado é esse aí... Cara que não tem talento nem vontade de jogar futebol ganhando fortunas porque só quer ganhar fortunas e ponto. Isso enquanto os patetas emocionais dos torcedores, que ganham em sua maioria dois salários mínimos, bancam essa farra sem nada contestar. E ainda há torcedor que legítima isso. E pior... Torcedor das antigas. Ninguém pode ganhar quase meio milhão de reais ou mais para jogar futebol e fazer este papelão. Inda mais se representar a maior e mais apaixonada torcida do mundo. Quanto menos num futebol pífio como o praticado no Brasil. Independente da incompetência e corrupção no Corinthians, hoje é certamente um dos clubes com melhor estrutura para jogadores. Isso num país em que vários clubes ainda têm estrutura de anos 90. Inclusive o tal milionário que se diz com a maior torcida da nação. Ademais, um treinador não pode ganhar 700 mil reais e fazer um time jogar (não jogar) desse jeito. É uma vergonha. O torcedor precisa cobrar sim. É obrigação desses caras, nos dias de hoje, ganhar todos os jogos com futebol de primeira linha. Obrigação e ponto. Do contrário, merecem até ser linchados. Problemas com pressão? Há milhares de tratamentos para lidar com isso e melhorar o desempenho profissional. Para quem ganha tanto dinheiro, certamente esses tratamentos caros e eficientes não serão problema. Mas a verdade é que eles não estão nem aí para o torcedor. Assim como os políticos, grandes empresários e banqueiros também não estão nem aí para o povo. Fato. A quem torce é preciso ter consciência para não se sujeitar mais a tanta indiferença criminosa. O futebol, mais do que nunca, é uma distração social para os poderosos dominarem e manipularem tudo da maneira como bem entendem.

    detalhes do post
  • Grazi

    Grazi comentou na notícia: "Ficha técnica: Bahia 3 x 2 Corinthians"

    há 9 meses

    Já deveria ser normal golear times pífios e ser hegemonia absoluta no Brasil.
    Mas...
    Enquanto não houver competência absoluta dentro e fora do campo, será assim.
    Pela torcida que tem, deveria ser obrigação ganhar tudo e com sobra.
    Inda mais num país com tantos times pequenos com torcidas irrelevantes.
    Diante disso, se as vitórias não acontecem com sobra, os caras devem sim ser criticados. Afinal, quem ganha rios de dinheiro para jogar futebol? E com mordomias ímpares? O jogador ou o torcedor que banca essa farra toda?
    O Corinthians tem sim de ter time e elenco de ponta e golear em todo jogo. Inda mais se for contra times minúsculos. É obrigação.
    A torcida merece não passar raiva um jogo sequer. Merece sorrir, e muito, todo jogo.
    Com competência dentro e fora de campo, pela torcida que tem, é assim que já deveria ser o Corinthians.

    detalhes do comentário
  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "Tudo que vai tem de voltar"

    há 11 meses

    Muito se fala em padrão tático e condicionamento físico para se ter bons rendimentos no esporte. Mas, como a ciência vem demonstrando nos últimos séculos, tudo é mental.

    Além disso, existe algo muito mais forte do que a força da gravidade. No caso, o campo eletromagnético. Ou seja, tudo que vai tem de voltar seja em pensamento, sentimento, ação, omissão e etc. Tudo porque todos são responsáveis por suas criações.

    Notório, há tempos, a fragilidade mental de jogadores dentro do Corinthians. Isso porque os caras estão com a vida ganha. Ou seja, não possuem preocupações a limitarem seus rendimentos. Ainda assim, notam-se completamente frágeis emocionalmente.

    De outra forma, há muitos que aparentam não estar nem aí para nada. Tipo: lasque-se o torcedor. Nesse caso, desconhecem a força do campo eletromagnético. Não se trata de punição, mas justiça. Quem ganha uma fortuna dessa e não está nem aí para quem paga... Certamente há de pagar por essa conta um dia (de forma correspondente). Inda mais levando em conta o grande abismo social entre jogador e torcedor. E, claro, a grande dependência emocional do torcedor ao clube (independente da situação).

    A solução, dentro da avançada ciência atual, seria criar um departamento de psicologia, neurociência e física da realidade. Assim, cada jogador seria avaliado individualmente para se ter uma noção do padrão emocional que possui. Tal padrão não é avaliado com relação ao físico? Por tudo ser mental, seria ainda mais importante a avaliação psicológica.

    Fora isso, em turno de trabalho, os jogadores deveriam ser sujeitos à constelação familiar. No caso, com acompanhamento de especialistas, seriam colocados para viver na pele dos torcedores. Isso poderia ser feito, inclusive, de forma prática com cada jogador vivendo alguns dias a rotina de um torcedor. Imagine cada jogador, por exemplo, vivendo alguns dias a rotina de um corintiano catador de lixo. Seria uma experiência incrível para se tomar vergonha na cara e jogar mais bola.

    Futebol é diversão. E os caras fazem isso de forma profissional. Além disso, jogando no Corinthians e com estrutura de primeiro mundo. Fora as mordomias e os salários completamente aquém à realidade dos torcedores que os pagam. Então, o mínimo, é ter brio para fazer isso com mínima dignidade. Sempre sendo lembrados, cientificamente, de que tudo que vai tem de voltar em algum momento.

    detalhes do post
  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "Bora investir no Banco Corinthians/BMG"

    há 12 meses

    Amigos fieis, é preciso entender a sistemática do mundo para entender a parceria Corinthians/BMG. No atual estágio da humanidade, todo o sistema é dominado pelos bancos. Ou alguém vive sem ter, no mínimo, uma conta bancária? Tudo porque eles, bancos, literalmente são os dominadores de tudo. Tanto que fazem dinheiro a partir de dinheiro sem lastro. Ou seja, emprestam 50 só tendo 10 e recebem 40 mais um 'x' absurdo de juro abusivo. Isso porque se uma pessoa física fizer o mesmo, será criminalizada como agiota. É ou não é surreal?

    De qualquer forma, levando em conta o patrocínio/parceria, não há nada ruim. O banco, como tal, deseja fazer dinheiro em cima das pessoas. O Corinthians, por sua vez, acrescentar patrimônio para o clube. Isso, claro, sem considerar eventuais interesses pessoais de dirigentes corruptos.

    Fato é que essa parceria, em tese, tornou o Corinthians sócio de um grande banco. E, como escrito acima, banco domina o sistema fazendo dinheiro até sem base. Noutras palavras, o Corinthians, agora sócio de um banco, pode fazer dinheiro ilimitado a partir dos consumidores de Corinthians. Milhões de consumidores, aliás. Só aqui no site são quase um milhão deles.

    Entendo quando dizem sobre a não adesão à Caixa Econômica (à época do patrocínio) e ao próprio Fiel torcedor. Mas quais as vantagens desses planos para todos os torcedores? O Fiel torcedor, por exemplo, têm vantagens praticamente apenas para o torcedor que vai ao estádio. E mesmo assim, nada fora do comum. Também por isso, deveria ser repensado.

    No caso do BMG a história é outra... Completamente outra. Isso porque, conforme escrito no começo do texto, todas as pessoas têm, no mínimo, uma conta bancária. Ou seja, todo corintiano ou quase todos os corintianos possuem necessariamente uma conta bancária. Levando em conta este fato, por que não transferir essa necessidade para um banco que, pelo menos, contribuirá com uma paixão?

    Se temos de pagar para este sistema bancário surreal, então que façamos com algum real benefício para uma de nossas prioridades de vida: TORCER PARA O CORINTHIANS!

    Bora investir no Banco Corinthians/BMG!

    detalhes do post
  • Grazi

    Grazi postou em Bate-Papo da Torcida, no tópico "Conformismo a legitimar o ilógico"

    há 12 meses

    O futebol ser valorizado como é já se trata de algo ilógico. Valor no sentido de reconhecimento, inclusive financeiro.

    Não faz tanto tempo do real futebol de valor. Lembram-se de quando os caras não ganhavam tanto e jogavam muito? Não era nem questão só de talento, mas vontade.

    À medida que o futebol começou a se supervalorizar, o nível caiu bastante. E mesmo no alto nível, o valor exacerbado explodiu justamente pelo excesso de valor. Tudo bem o cara ser um craque com dom incrível de bola. Mas valer um bilhão e ganhar salários bilionários? Aí não dá.

    Qual a finalidade de tanto dinheiro para alguém jogar bola e competir por um time? Competir para ganhar e fazer todos os outros perderem? E sem nenhuma contribuição efetiva ao coletivo?

    Se não houvesse essa supervalorização, até seria bacana. Como no passado... Mas num mundo em que bilhões passam fome e outras profissões mais valoráveis socialmente são desvalorizadas, isso é completamente ilógico.

    De qualquer forma, a coletividade cria inconscientemente essa realidade. Isso, também, quando legitima esse sistema ao se conformar pacifica e passivamente com ele.

    Veja o nosso exemplo aqui. Com o tamanho e paixão da torcida do Corinthians, o time deveria ser um dos melhores do mundo em todos os sentidos (financeiro, estrutural, futebolístico e etc).

    Mas... Embora até tenha boa estrutura, é usado pelo sistema para fazer dinheiro. Isso porque se trata de um clube (sem fins lucrativos).

    Aproveitando-se da paixão do torcedor, empresários, dirigentes e jogadores se aproveitam para faturar alto. E, pior, sem necessária contraprestação a quem torce e paga caro por isso.

    Vendo os últimos anos, até times vencedores jogavam com freio de mão puxado. E para quem já jogou ou viu futebol de várzea, cara de 50 anos pançudo corre mais que muito profissional que jogou nesses times vencedores. Neste atual então? Nem se fala...

    Para ganhar o que ganha jogando bola, com toda a estrutura e reconhecimento que tem e vivendo em luxo, o cara teria de ter mínima vergonha na fuça. Mínima para fazer com primor e dedicação esse 'trabalho'.

    Hoje perderam para um time de série C? Neste supervalorizado futebol ilógico, quanto devem ganhar os caras desse time série C? Qual a estrutura que eles têm para trabalhar?

    Aí vem o o sujeito que joga no Corinthians fazer um papelão desses? Para quem joga no Corinthians e com a torcida que tem o Corinthians, ganhar é obrigação todo jogo. Ganhar? Passar por cima.

    Porém... No sistema ilógico de legitimação, a proteção a quem está em cima é grande. Isso porque quem está embaixo, em conformismo, sempre legitima. Criticar? Vira Nutella. Dar uns tapas nas orelhas dos caras também não pode, pois vira criminoso. Do jeito que anda este futebol supervalorizado sem base para tanto, o melhor jeito será parar de torcer.

    Sofrer por nada não dá. Esses caras não merecem ser legitimados pelo valor que não possuem. Pelo valor que não dão a quem os supervaloriza. Fato! Eles, que deveriam fazer milhões sorrir, só movimentam energias de raiva e angústia. A euforia deveria ser um direito de torcedores que pagam tão caro para torcer. Todo jogo, independente até de vitória, deveria, no mínimo, ser um grande espetáculo de talento, dedicação e arte. São profissionais de um entretenimento supervalorizado, certo? Seria o justo e minimamente lógico dentro desta sistemática já tão ilógica.

    detalhes do post
`