Corinthians até o fim...

Fórum do Corinthians
Tópico Lendário Entenda as regras

Edson #8.000 @dicobola em 11/09/2019 às 14:49

Eu, com 17 anos e meu querido pai na várzea paulistana, em 1965...

...

...

Jogando campeonato bancário, pelo 'Banco Mercantil de S/P', em 1969...

Tenho 71 anos, nasci na 'MOCA'.

Meus pais (falecidos), quatro irmãos e todos corinthianos.

Desde a infância, eu dormia com a bola ao meu lado na cama.

Joguei na 'várzea paulistana' por mais de cinco anos em campos que na maioria das vezes (foto) não tinha nenhuma grama, chão duro, de terra batida, cheios de ondulações e nunca reclamava...

Jogava de zagueiro, (beque central na época) e vestia com orgulho a camisa número três.

Cheguei a ogar na lateral direita (3X), de volante (2X) e centro-avante (3X)...

Volante é muito cansativo, pois quando o time avança, temos que acompanhar e quando é atacado, temos que ajudar a defesa.

Lateral, na minha época era moleza, pois não podíamos passar do meio de campo.

Agora, centro-avante é complicado, se ficar parado (Gustagol), a bola não chega.

Se sair da área (Love) para buscar a bola, fica muito cansativo e na hora que tiver uma chance de chutar a gol, ficamos sem pernas.

Por isso, meus amigos de 'sofrimento', fica fácil criticar estando do lado de fora.

Pra encurtar, na minha opinião, quando jogamos contra times mais fracos (Avaí, Ceará...etc), deveriam jogar os dois, com Gustagol centralizado na área e o Love se movimentando.

Já fizeram esta dupla e funcionou. Mas o nosso treinador é muito temeroso.

Hoje, com 71 anos (cadeirante), vivo de lembranças.

Corintiano e sofredor (como sempre).

Abraços do 'Edson'.

2.930 visualizações e 67 respostas neste tópico

Avaliação do tópico:

Responder tópico

Melhores respostas

Lucas Pereira Da Silva #39 @lucas.ps.timao em 11/09/2019 às 17:22

No começo da década passada eu jogava bola na rua descalço, na chuva, algumas vezes na lama(Depois asfaltaram a rua kkkk), no sol de meio dia e também não reclamava. Mas que cansava, cansava kkkk, eu ia dormir todo dia umas 22:00 da noite.

Hoje as coisas mudaram muito, se eu conseguir dormir 02:00 da manhã já dou graças a Deus, crianças infelizmente cada vez mais estão ficando presas dentro de casa, presas a um 'mundinho eletrônico', Campos de várzea estão se tornando cada vez mais relíquias.

Mas enfim;

Linda História a sua.

Nalata Memu #2.678 @nalata.memu em 12/09/2019 às 08:39

Realmente cansa mas hoje tem nutricionista, preparador, chuteira material da nasa, etc. Jogava tbem por horas, cansei de arrancar tampão do dedo. Hoje a geração arranca tbem o tampão mas do dedo da mão jogando 'preisteixon'. Kkkkkk

Últimas respostas

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 19/09/2019 às 23:51

Coincidência! Quando mudamos da 'Moca', fomos morar na 'Casa Verde'...

Eu sempre digo p/a minha 'Esposa' (no dia 02/09, completamos 47 anos de casados)...tive uma excelente 'infância e adolescência'...

Futebol de rua, carrinho de rolimã, jogar taco, bolinhas de gude, rodar pião, soltar pipa (papagaio na nossa época), correr atrás de balões, andar de patinete, bicicleta, trocar figurinhas e bater abafo, etc, etc, etc...

Realmente...só quem viveu naquela época, sabe o quanto éramos felizes...

Boa lembrança dos caminhões 'pau de arara'...rsrsrs...era uma festa...

Hoje...com 71 anos...infelizmente estou com problemas de 'mobilidade'...e uso cadeira de rodas...

Estou morando com minha família em 'Praia Grande'...

Melhor parar...pois caiu um 'cisco' no meu olho e saíram lágrimas...

Um grande abraço à você 'José Carlos' e Família...

'Edson'

José Carlos Hilda #4441 @jose.carlos.hilda.go em 19/09/2019 às 20:04

" "

Um abraço Edson eu morava na casa verde e naquele tempo nos íamos ao Pacaembu em cima de caminhões os chamados pau de arara kkkkk nós eramos felizes infância sadia juventude sadia e um clube que amamos até hoje essas fotos me traz de volta a lembrança de grandes times que nós tivemos um abraço deste corintiano de 72 anos que não deixa de acompanhar o Corinthians

Publicidade

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 19/09/2019 às 23:04

Abraço...

'Edson'

Américo #2834 @americo.jorge em 19/09/2019 às 22:15

" " Desculpe a demora, mas vamos lá. Realmente você tem razão quanto aos vários ídolos que tivemos. Só não citei pra não alongar, um abração e que Deus te abençoe.

Américo Jorge #2.834 @americo.jorge em 19/09/2019 às 22:15

Desculpe a demora, mas vamos lá. Realmente você tem razão quanto aos vários ídolos que tivemos. Só não citei pra não alongar, um abração e que Deus te abençoe.

Edson #8000 @dicobola em 15/09/2019 às 22:05

" "

Amigo...'Américo'...

Concordo contigo...

Também acompanho o Timão desde a infância, sete/oito anos.

Lembro de todas as fazes (faz me rir...lembra?).

Quem entrava em campo, suava a camisa e sangue (Zé Maria)...

Realmente, foi justo nessa época que a torcida 'cresceu', pois o Povão sofrido, tinha que batalhar p/a sobreviver e se identificava com os jogadores 'guerreiros' que davam o sangue em campo.

Tínhamos 'orgulho' do nosso Corinthians, mesmo levando de 7X1 da 'Luza', mesmo contra o 'Pelé', nada derrubava o nosso amor pelo Timão...

Além do Gilmar e Cabeção, tínhamos:

(Goiano, Olavo, Idário, Homero, Roberto, Claudio, Luizinho, Baltazar, Rafael e Nonô)... O que acho 'estranho' é ninguém (mídia escrita, falada, televisiva, etc.) comentar sobre uma das maiores conquistas do Timão... 'O IV CENTENÁRIO DA CIDADE DE SÃO PAULO' Em 1954...portanto um título que vale por cem anos!... O próximo só em : 2054... (Goiano, Olavo, Idário, Homero, Roberto e Gilmar.Agachados: Claudio, Luizinho, Baltazar, Rafael e Nonô)... É MOLE?... Abraço... 'Edson'

José Carlos Hilda Godoy #4.441 @jose.carlos.hilda.go em 19/09/2019 às 20:04

Um abraço Edson eu morava na casa verde e naquele tempo nos íamos ao Pacaembu em cima de caminhões os chamados pau de arara kkkkk nós eramos felizes infância sadia juventude sadia e um clube que amamos até hoje essas fotos me traz de volta a lembrança de grandes times que nós tivemos um abraço deste corintiano de 72 anos que não deixa de acompanhar o Corinthians

Edson #8000 @dicobola em 19/09/2019 às 18:39

" "

Grato!...José Carlos...

Realmente não dá para comparar...

Mano...fomos muito felizes naquela bela 'época'...

Eu tinha 6 anos, quando ganhamos o 'IV CENTENÁRIO DA CIDADE DE SÃO PAULO'...meu Pai (Húngaro) chorava de alegria...

Morávamos na Rua do Oratório...Moca-S/P...e foi uma tremenda festa nas ruas...

É uma 'pena', o nosso próprio 'Corinthians' não valorizar um título que só é disputado à cada 'cem anos'...o próximo só em '2054'...

Porque não 'lançar' uma camisa, em comemoração à esse título tão 'valioso'...

O Campeonato Paulista foi a competição mais relevante para os clubes do Estado até meados da década de 80. Mas houve uma edição em especial que gerou uma maior repercussão da imprensa e torcida. Em 1954 a capital paulista estava em festa pois era o ano do IV Centenário da cidade e esse aniversário dava ares históricos ao Campeonato Paulista, despertando a cobiça em todos os clubes. Estava no auge o chamado espírito bandeirante, paulista e, consequentemente, brasileiro, patriótico. Vencer aquela edição do torneio era algo eterno e que só seria possível repeti-lo depois de 100 anos. Esse era o título mais desejado desde o Campeonato Paulista de 1922 (o do Centenário da Independência do Brasil), vencido pelo próprio Corinthians. Dessa vez eram 14 clubes disputando em sistema de pontos corridos com turno e returno. O Corinthians, como o maior clube e maior campeão do Estado não poderia deixar escapar aquele título. O campeonato começou em meados de agosto e só terminou em fevereiro de 1955. E o esquadrão alvinegro começou atropelando seus adversários: passou o primeiro turno com 10 vitórias, 2 empates e uma derrota, se isolando na liderança. Depois mais sete vitórias e três empates deixaram o título bem próximo. Faltando três rodadas para terminar o campeonato o Corinthians foi à Vila Belmiro precisando de uma vitória sobre o Santos para se tornar campeão. Mas o time foi surpreendido pelo rival e perdeu por 4 a 1. Com essa derrota o Timão viu o Palmeiras se aproximar na tabela. A diferença caiu para três pontos e o adversário seguinte era justamente o time alviverde. O Palmeiras precisava vencer aquela partida e jogar a decisão para a última rodada (naquela época a vitória valia 2 pontos). Por isso o presidente palmeirense consultou um “pai-de-santo” que determinou que o time jogasse o Derby com camisas azuis. Logo no começo do jogo, aos 9 minutos do primeiro tempo, Luizinho abriu o placar para o Corinthians após cruzamento de Cláudio. Com a vantagem no placar o Timão se armou na defesa jogando com sabedoria. O Palmeiras empatou aos 6 minutos do segundo tempo e precisando da virada partiu para o ataque. Mas o Corinthians tinha o goleiro Gylmar, que fez defesas milagrosas, e o valente Idário que defendeu com a cabeça uma bomba do palmeirense Jair Rosa e chegou a desmaiar no gramado. Com a brava atuação de seus mosqueteiros o Corinthians garantiu o empate e conquistou o título do IV Centenário. No último jogo, contra o São Paulo, o time alvinegro recebeu as faixas de campeão e venceu o rival por 3 a 1. A campanha corintiana foi de 18 vitórias, seis empates e duas derrotas. Com esse título o Corinthians foi reconhecido como o “Campeão dos Centenários”.

https://img.meutimao.com.br/_upload/forumtopico/2017/12/12/Item+de+colecionador Meu Tim?o - Notícias do Corinthians Meu Tim?o - Notícias do Corinthians Notícias do Corinthians, vídeos do Corinthians, jogos e resultados do Corinthians você encontra no Meu Timão. img.meutimao.com.br !.jpg' data-blogger-escaped- />

Luizinho além de marcar o gol do título foi o artilheiro da equipe com 14 gols e Gylmar foi proclamado como o “Supremo Guardião do Campeão do Centenário”. O time base era formado por: Gylmar (Cabeção), Homero e Alan (Olavo), Idário, Goiano e Roberto; Cláudio, Luizinho, Baltazar (Nonô), Rafael (Paulo) e Simão.

O Campeonato Paulista do IV Centenário foi a competição mais prestigiada da década de 50 e foi talvez a edição mais importante da história da competição. Por conta disso é um dos títulos mais importantes da história do Corinthians e merece um destaque especial. Seu prestígio foi tamanho que os compositores Alfredo Borba e Orlando Ribeiro fizeram uma música para homenagear esse grande feito, chamada “Campeão do IV Centenário”:

Abraço...meu amigo!...

'Edson'

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 19/09/2019 às 18:39

Grato!...José Carlos...

Realmente não dá para comparar...

Mano...fomos muito felizes naquela bela 'época'...

Eu tinha 6 anos, quando ganhamos o 'IV CENTENÁRIO DA CIDADE DE SÃO PAULO'...meu Pai (Húngaro) chorava de alegria...

Morávamos na Rua do Oratório...Moca-S/P...e foi uma tremenda festa nas ruas...

É uma 'pena', o nosso próprio 'Corinthians' não valorizar um título que só é disputado à cada 'cem anos'...o próximo só em '2054'...

Porque não 'lançar' uma camisa, em comemoração à esse título tão 'valioso'...

O Campeonato Paulista foi a competição mais relevante para os clubes do Estado até meados da década de 80. Mas houve uma edição em especial que gerou uma maior repercussão da imprensa e torcida. Em 1954 a capital paulista estava em festa pois era o ano do IV Centenário da cidade e esse aniversário dava ares históricos ao Campeonato Paulista, despertando a cobiça em todos os clubes. Estava no auge o chamado espírito bandeirante, paulista e, consequentemente, brasileiro, patriótico. Vencer aquela edição do torneio era algo eterno e que só seria possível repeti-lo depois de 100 anos. Esse era o título mais desejado desde o Campeonato Paulista de 1922 (o do Centenário da Independência do Brasil), vencido pelo próprio Corinthians. Dessa vez eram 14 clubes disputando em sistema de pontos corridos com turno e returno. O Corinthians, como o maior clube e maior campeão do Estado não poderia deixar escapar aquele título. O campeonato começou em meados de agosto e só terminou em fevereiro de 1955. E o esquadrão alvinegro começou atropelando seus adversários: passou o primeiro turno com 10 vitórias, 2 empates e uma derrota, se isolando na liderança. Depois mais sete vitórias e três empates deixaram o título bem próximo. Faltando três rodadas para terminar o campeonato o Corinthians foi à Vila Belmiro precisando de uma vitória sobre o Santos para se tornar campeão. Mas o time foi surpreendido pelo rival e perdeu por 4 a 1. Com essa derrota o Timão viu o Palmeiras se aproximar na tabela. A diferença caiu para três pontos e o adversário seguinte era justamente o time alviverde. O Palmeiras precisava vencer aquela partida e jogar a decisão para a última rodada (naquela época a vitória valia 2 pontos). Por isso o presidente palmeirense consultou um “pai-de-santo” que determinou que o time jogasse o Derby com camisas azuis. Logo no começo do jogo, aos 9 minutos do primeiro tempo, Luizinho abriu o placar para o Corinthians após cruzamento de Cláudio. Com a vantagem no placar o Timão se armou na defesa jogando com sabedoria. O Palmeiras empatou aos 6 minutos do segundo tempo e precisando da virada partiu para o ataque. Mas o Corinthians tinha o goleiro Gylmar, que fez defesas milagrosas, e o valente Idário que defendeu com a cabeça uma bomba do palmeirense Jair Rosa e chegou a desmaiar no gramado. Com a brava atuação de seus mosqueteiros o Corinthians garantiu o empate e conquistou o título do IV Centenário. No último jogo, contra o São Paulo, o time alvinegro recebeu as faixas de campeão e venceu o rival por 3 a 1. A campanha corintiana foi de 18 vitórias, seis empates e duas derrotas. Com esse título o Corinthians foi reconhecido como o “Campeão dos Centenários”.

https://img.meutimao.com.br/_upload/forumtopico/2017/12/12/Item+de+colecionador Meu Tim?o - Notícias do Corinthians Meu Tim?o - Notícias do Corinthians Notícias do Corinthians, vídeos do Corinthians, jogos e resultados do Corinthians você encontra no Meu Timão. img.meutimao.com.br !.jpg' data-blogger-escaped- />

Luizinho além de marcar o gol do título foi o artilheiro da equipe com 14 gols e Gylmar foi proclamado como o “Supremo Guardião do Campeão do Centenário”. O time base era formado por: Gylmar (Cabeção), Homero e Alan (Olavo), Idário, Goiano e Roberto; Cláudio, Luizinho, Baltazar (Nonô), Rafael (Paulo) e Simão.

O Campeonato Paulista do IV Centenário foi a competição mais prestigiada da década de 50 e foi talvez a edição mais importante da história da competição. Por conta disso é um dos títulos mais importantes da história do Corinthians e merece um destaque especial. Seu prestígio foi tamanho que os compositores Alfredo Borba e Orlando Ribeiro fizeram uma música para homenagear esse grande feito, chamada “Campeão do IV Centenário”:

Abraço...meu amigo!...

'Edson'

José Carlos Hilda #4441 @jose.carlos.hilda.go em 12/09/2019 às 18:58

" "

Edson o importante é que emoções você viveu mano um abraço nesse coração corintiano somos da mesma geração e vivemos as mesmas alegrias e tristezas naqueles tempos do faz me rir amigo mas nuca tivemos time medroso e retranqueiro como temos hoje saudades do velho Osvaldo Brandão

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 19/09/2019 às 17:59

Grato! Dorival...

Parabéns à você também...

Abraço...

'Edson'

Dorival #3203 @dorival.messias em 12/09/2019 às 19:30

" "

Parabéns isso é ser corinthiano

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 15/09/2019 às 22:05

Amigo...'Américo'...

Concordo contigo...

Também acompanho o Timão desde a infância, sete/oito anos.

Lembro de todas as fazes (faz me rir...lembra?).

Quem entrava em campo, suava a camisa e sangue (Zé Maria)...

Realmente, foi justo nessa época que a torcida 'cresceu', pois o Povão sofrido, tinha que batalhar p/a sobreviver e se identificava com os jogadores 'guerreiros' que davam o sangue em campo.

Tínhamos 'orgulho' do nosso Corinthians, mesmo levando de 7X1 da 'Luza', mesmo contra o 'Pelé', nada derrubava o nosso amor pelo Timão...

Além do Gilmar e Cabeção, tínhamos:

(Goiano, Olavo, Idário, Homero, Roberto, Claudio, Luizinho, Baltazar, Rafael e Nonô)... O que acho 'estranho' é ninguém (mídia escrita, falada, televisiva, etc.) comentar sobre uma das maiores conquistas do Timão... 'O IV CENTENÁRIO DA CIDADE DE SÃO PAULO' Em 1954...portanto um título que vale por cem anos!... O próximo só em : 2054... (Goiano, Olavo, Idário, Homero, Roberto e Gilmar.Agachados: Claudio, Luizinho, Baltazar, Rafael e Nonô)... É MOLE?... Abraço... 'Edson'

Américo #2834 @americo.jorge em 12/09/2019 às 22:21

" "

Amigo, sou três mais velho que você. Acompanho o Timão desde meus oito anos e já passei por várias fases desse time. Hoje temos muito salário e pouco, muito pouco futebol. Passamos por uma fase (grande) sem títulos ou claques renomados. Mas quem entrava em campo suava a camisa. Porisso que nossa torcida só cresceu nessa época. Nossos ídolos eram Gilmar e Cabeção, dois goleiros. Hoje querem a bola nos pés e correm igual uma vaca brava, e tem muito chororó.

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 14/09/2019 às 15:04

Grato! 'Roberto'...

Após ler suas belas palavras, fiquei 'emocionado' e por 'coincidência', caíram 'ciscos' nos meus dois olhos...

Pelo que pude sentir, você deve gostar muito do seu 'Pai'...que 'bonito'! Os jovens de hoje não têm paciência com os 'Idosos', o que é muito ruim...pois temos muita experiência de vida.

Eu e meu Filho (de 36 anos), somos verdadeiros 'amigos', desde os 7 anos de idade ele me faz companhia nos jogos do 'Timão', e tem guardados mais de 200 comprovantes de ingressos...

Conversamos muito e trocamos ideias...

Tem que ter paciência com a repetição das 'mesmas historias' que costumamos contar...Mas é muito importante para nós.

Você só descobrira essa importância, quando chegar a sua vez...

'PARABÉNS! Por ser esse Filho tão dedicado...

E...aproveite a companhia de seu Pai, enquanto puder...

Tenho a certeza, que vocês também irão comemorar 'juntos', muitos títulos do nosso 'amado' CORINTHIANS!

Abraços à 'ambos'...

Fiquem em paz!

'Edson''

Roberto #72 @roberto.bidetti.cesa em 12/09/2019 às 19:44

" "

Cara, que emoção. Parabéns pelo texto maravilhoso. Meu pai, ainda vivo, também jogou na várzea paulistana. Jogava no Itororó. Você deve conhecer. Coincidências incríveis. Meu pai, também cadeirante, jogava de zagueiro, e fazia seus golzinhos. Corti muito naquele campo com 8,9 anos de idade. Não sou religioso, mas que Deus o abençoe. Que possa ter uma vida ainda mais longa e se tudo conspirar a favor, comemorando muitos títulos do Timão. Muito obrigado por reviver esses momentos. Caiu um cisco no olho aqui.

Abraços

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 14/09/2019 às 10:32

Grato!...Sandra...

PARABÉNS!...pelo nosso 109 'ANIVERSÁRIO'...

PARABÉNS!...também... Ao time 'Feminino'', que está jogando um futebol muito 'bonito' e 'Invicto', sem derrotas ou empates...31 vitórias seguidas!...

Recorde 'MUNDIAL', avaliado pela 'FIFA'...

Abraço

'Edson'

Sandra #1 @sandra.lima4 em 11/09/2019 às 15:32

" "

Corinthians até o último suspiro.

Edson Gyaraki #8.000 @dicobola em 14/09/2019 às 03:50

'Flavio'...

Fico 'lisonjeado' pela honra de seu comentário e o 'Parabenizo' também, pela sua história bem mais 'rica' e importante. Pois ser 'diretor' de times 'amadores' e sem 'remuneração' é necessário muita dedicação...

Há uma imensa dificuldade em manter a disciplina e organização...

Conheço bem a várzea e sei que 'lidar' com os jogadores é uma dificuldade...Além das viagens, material esportivo, e a parte financeira...

Meu 'Irmão' mais velho (falecido), jogou no 'Parque da Moca', e sempre me contava as histórias...

Nosso falecido 'Pai' era 'Húngaro' e gostava muito de futebol, sempre nos contava sobre aquela famosa 'Seleção Húngara' de 1954 e sobre o 'Puskas'.

...

Lembro também, da época boa, quando a 'T.V.' transmitia os jogos do futebol 'Varzeano'...

O 'Desafio ao Galo' a 'Copa Kaiser', etc...

'PARABÉNS'...novamente!

E...'GRATIDÃO'!

Abraço...

'Edson'

flavio #165 @botaguaianases em 12/09/2019 às 22:36

" "

Parabéns pela história. Sou diretor do Botafogo de Guaianazes há mais de 39 anos e fizemos vários jogos bons contra os times da 'Moca'. Principalmente o Parque da Mooca que já nem existe mais. Já estive em diversas decisões do futebol varzeano. Finais do campeonato amador da federação Paulista de 87/88 e 89. Final da copa Kaiser 1997, final dos metropolitanos de 2005 e 2006 capital e grande São Paulo, final da copa bifarma 2016, final dos jogos da Cidade 2017 e vários outros grandes jogos na cidade inteira. Essa é a verdadeira essência do futebol.