Corinthians não descarta rompimento, mas se esforça para manter a Caixa

Corinthians não descarta rompimento, mas se esforça para manter a Caixa

Corinthians não descarta rompimento, mas se esforça para manter a Caixa

Corinthians não descarta rompimento, mas se esforça para manter a Caixa

Por Gustavo Franceschini e Mauricio Duarte
Do UOL, em São Paulo


O Corinthians se esforça para manter a boa relação com a Caixa e vai propor soluções para o impasse jurídico que atrapalha a parceria, mas não descarta um rompimento no futuro. Impossibilitado de receber o valor que lhe cabe de sua patrocinadora, o clube tenta minimizar o impacto financeiro do imbróglio sem ameaçar o contrato que vai até o fim deste ano.

'A gente projeta uma situação boa, uma situação mediana e uma situação ruim. Na situação ruim, se isso tudo caminhar para um desfecho ruim é possível que a gente tenha de abrir a discussão de patrocínio com a Caixa e verificar alternativas. Hoje, a gente não está neste cenário ainda?, disse Ivan Marques, diretor de marketing do clube alvinegro, em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

O Corinthians não recebe sua parcela de R$ 2,5 milhões, de um total de R$ 31 milhões do contrato assinado no ano passado, há dois meses. A Caixa teve de suspender o pagamento para atender a ordem da Justiça Federal do Rio Grande do Sul, que concedeu uma liminar ao advogado gaúcho Antônio Beiriz, que no ano passado entrou com uma ação civil pública alegando que o acordo pode causar danos ao erário.

O problema, para o Corinthians, é que a decisão judicial só obriga a Caixa a suspender o pagamento. O clube, no entanto, segue tendo de exibir a logomarca da empresa por força de contrato. Consequentemente, a diretoria alvinegra fica impedida de substituir a receita por outra empresa e começa a sentir os efeitos em sua saúde financeira.

'Vai ser a segunda parcela de um total de 12 que não receberemos. Começa a ficar mais preocupante? Claro que sim. Existem medidas sendo pensadas antes da terceira parcela vencer? Claro que sim, mas em nenhuma delas está a possibilidade de sentar e rediscutir a possibilidade do patrocínio?, disse Ivan Marques.

As sugestões do Corinthians serão apresentadas em breve à Caixa. Entre elas estão a produção de produtos voltados para o torcedor que poderiam gerar receita para o clube, como um cartão especial para o associado, ou um financiamento a juros especiais até que a Justiça tome uma decisão definitiva sobre o assunto. Marques cogita até empenhar algumas propriedades da Arena Corinthians como garantias.

Tudo para que o Corinthians siga recebendo o valor que lhe cabe de um patrocínio que julga ser totalmente legal. Em sua ação pública, o advogado Antônio Beiriz argumenta que a Caixa, como banco público, não teria necessidade de fazer propaganda em uma entidade privada.

'Se você concorda com essa tese, a gente corre o risco de imaginar um país onde tudo passa por um controle do Estado na economia. Porque se uma empresa que tem capital estatal, mas compete no mercado privado, não pode comunicar sua marca onde ela bem entender, você abre uma discussão sem precedente?, avalia o diretor, acrescentando possíveis novos alvos de ações do tipo.

'Onde isso vai parar? Se o Corinthians não pode, por que o Atlético-PR pode? Por que o Avaí pode? Por que a TV Globo pode? Por que a Band e o SBT podem? Está aberta a discussão?, completou.

Foto: UOL

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Guilherme foi o destaque da atividade coletiva pelo segundo dia consecutivo

    Dupla volta, e Oswaldo vê time titular brilhar em treino do Corinthians; veja a escalação

    ver detalhes
  • Wagner pode reforçar o Corinthians em 2017

    Agente explica situação de Wagner e diz ter acerto contratual com Corinthians

    ver detalhes
  • Jabá sentiu dor na coxa e deixou o treino do Corinthians mais cedo

    Léo Jabá se machuca em treino do Corinthians e deixa campo com dores na coxa

    ver detalhes
  • CT Joaquim Grava ganhou novidades

    Corinthians 'aposenta' decoração do centenário e dá cara nova ao CT Joaquim Grava

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes