Com medo de boicote, organizador de torneio de base pede que São Paulo se manifeste

Com medo de boicote, organizador de torneio de base pede que São Paulo se manifeste

670 visualizações 2 comentários Comunicar erro

Com medo de boicote, organizador de torneio de base pede que São Paulo se manifeste

Com medo de boicote, organizador de torneio de base pede que São Paulo se manifeste

Mauricio Duarte
Do UOL, em São Paulo

O primeiro campeonato de base a ser boicotado pelos clubes que não querem disputar competições em que o São Paulo estiver é a Copa 2 de Julho sub-17, que será realizado de 1º a 13 de julho, na Bahia. Em contato com a reportagem do UOL Esporte, Sinval Vieira, coordenador de Excelência Esportiva da Sudesb e responsável pelo torneio, fez um apelo ao clube paulista para se esforçar por um acordo com os rivais, que o acusam de aliciamento de jovens.

'Para a situação se resolver, precisa de uma iniciativa do São Paulo. Acho que se eles reconhecerem, pode resolver. Vou conversar com eles', afirmou, complementando que o clube tricolor é um grande parceiro e que conta com sua estima. 'Eles sempre participaram, estão sempre presentes'.

De acordo com Sinval, embora ainda não tenha recebido nada oficial, diversos clubes já o alertaram informalmente que não participarão da competição caso o São Paulo esteja presente. 'Alguns clubes me ligaram para saber como vai ficar. É uma coisa ruim. Inicialmente estou me reservando, mas sabemos que esse movimento tem fundamento. Estou torcendo para uma reconciliação', disse.

A organização garante, no entanto, que o torneio não corre risco. Mesmo esvaziado, irá acontecer sua sétima edição neste ano. Como o torneio é uma iniciativa do Governo do Estado da Bahia e não uma competição oficial, os clubes podem optar por não participar.

Assédio aos pais dos atletas

Os clubes acusam o São Paulo de assediar os pais dos atletas de outras equipes. Um contrato profissional só pode ser feito a partir dos 16 anos. Para segurar jovens com idade inferior a 16, os clubes afirmam existir 'código de ética', controlando transferências.

Um caso emblemático envolve o meia Lucas, atualmente no PSG. O Corinthians alega que o time tricolor ofereceu enorme quantia aos pais do atleta, que na época não tinha vínculo profissional com o Corinthians.

Foto: UOL

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Corinthians de Fagner não conseguiu estufar as redes do Barradão nesta quarta

    Corinthians aposta na defesa, sai ileso do Barradão e segue vivo na Copa do Brasil

    ver detalhes
  • Ralf deixou campo aos prantos no Barradão

    Ralf sofre luxação no Corinthians, e cirurgia não está descartada

    ver detalhes
  • Jadson teve atuação aquém na estreia do Corinthians na Copa do Brasil

    Jadson, Clayson, Carille... Empate em Salvador rende notas vermelhas a corinthianos

    ver detalhes
  • Roger vai viajar a Belo Horizonte

    Treinador do Corinthians confirma Roger na viagem a Belo Horizonte, mas faz uma ressalva

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes