Libertadores: Após queda, zagueiro do Corinthians evita apontar má-fé do árbitro

Libertadores: Após queda, zagueiro do Corinthians evita apontar má-fé do árbitro

Libertadores: Após queda, zagueiro do Corinthians evita apontar má-fé do árbitro

Libertadores: Após queda, zagueiro do Corinthians evita apontar má-fé do árbitro

Um dia após a dolorosa queda na Copa Libertadores, Paulo André admitiu suspeitar de uma eventual má-fé do árbitro Carlos Amarilla na conduta do jogo do Corinthians contra o Boca Juniors, na noite de quarta, pelas oitavas de final. O time brasileiro empatou por 1 a 1 e acabou sendo eliminado da competição.


Ao fim do jogo, torcida, jogadores e até o técnico Tite reconheceram que os erros do árbitro foram decisivos para o resultado do confronto. Alguns chegaram a apontar uma atitude premeditada do juiz ao anular um gol legítimo do Corinthians e deixar de marcar dois pênaltis.

Paulo André admitiu a suspeita sobre o juiz, mas evitou se estender sobre o assunto. 'É complicado, não tenho provas e ninguém deve ter. Não posso acusar sem provas, isso foge da minha esfera', disse, antes de citar algumas falhas do juiz. 'Tudo foi esquisito: deu um cartão para o Emerson e depois outro para o goleiro [por cera]. E depois não deu mais nada. A postura foi esquisita', afirmou.

Cauteloso, o zagueiro mediu as palavras na tentativa de evitar futuras punições. 'Ele foi ruim, não posso acusar de que foi por querer. Quem entende futebol sabe que ele errou, mas o que eu disser pode prejudicar a mim e ao clube. No momento certo, as coisas podem vir à tona'.

Sem esconder a indignação com a atuação do árbitro, Paulo André pediu punição a Amarilla. 'Não alivia [a revolta], mas é o mínimo que pode ser feito. Agora, só isso não basta, outras medidas devem ser tomadas', comentou o defensor. 'Estamos todos chateados, pensando no 'se', se o juiz tivesse dado o pênalti, se tivesse dado o gol do Romarinho, se o Pato tivesse feito aquele gol', lamentou.

O zagueiro ainda isentou o goleiro Cássio, adiantado no lance em que Riquelme marcou o gol do Boca, no primeiro tempo. 'Acho injusto [apontar o goleiro como culpado]. Foi uma bola indefensável. O Riquelme foi cruzar, ele olha para baixo. Ou seja, o Cássio estava posicionado para um cruzamento, não teve culpa, é opinião unânime.'

Para Paulo André, a queda aumentou a expectativa sobre a final do Paulistão. Uma vitória seria considerada 'uma volta por cima' do time. 'Seria uma volta por cima dessa equipe. O título seria justo, se a gente conseguir encaixar um melhor jogo.'

Fonte: Futebol Interior

Veja Mais:

  • Minds Idiomas segue na manga da camisa corinthiana em 2018

    Com até bolsa de estudos a jogadores, Corinthians renova com patrocinador para manga da camisa

    ver detalhes
  • Renê Júnior, Zé Rafael e Juninho Capixaba: Corinthians de olho em trio do Bahia

    Novo presidente do Bahia é eleito, e Corinthians deve definir ao menos três negociações

    ver detalhes
  • Ronaldo não tem interesse em trabalhar com futebol no Brasil

    Ronaldo admite apoio a Andrés, mas nega vontade de assumir cargo no Corinthians

    ver detalhes
  • Meia pode ser envolvido em troca por jogadores do atual plantel alvinegro

    Segundo jornalista, Corinthians lidera briga com rivais paulistas por meia do Fluminense

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes