Caso de racismo pode excluir Paraná da Copa do Brasil

Caso de racismo pode excluir Paraná da Copa do Brasil

Caso de racismo pode excluir Paraná da Copa do Brasil

Caso de racismo pode excluir Paraná da Copa do Brasil

Curitiba, PR, 11 (AFI) - O caso de injúria racial por parte de dois torcedores do Paraná contra o lateral Marino, do São Bernardo, na noite de quinta-feira, em Curitiba, pela Copa do Brasil, após a vitória do time da casa, pode complicar a situação do Paraná e não está descartada a sua exclusão da competição. Em entrevista à Rádio Banda B, o procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt disse que o caso será avaliado, mas o clube deverá ser punido.


'Se houver provas que isso aconteceu realmente, vamos avaliar. Aí sim poderá ser feita a denúncia. A pena depende da gravidade. São várias penas previstas: perda de mando, perda de pontos e até exclusão', afirmou. Dois torcedores, que segundo a polícia têm entre 40 e 65 anos chamaram o atleta de 'macaco', após ele ser expulso no final da partida.

A diretoria jurídica do clube espera pela prisão dos acusados ao mesmo tempo em que prepara a defesa para eventual punição por parte da CBF. 'O clube está dando todo o apoio para a polícia. Temos interesse na investigação do caso, pois o Paraná não compactua com esse tipo de atitude', informou a assessoria.

O clube já entregou as imagens das câmeras de segurança para a polícia, que instaurou um inquérito e está investigando o caso. Segundo o delegado Fábio Lopes, eles podem ser penalizados com um a três anos de prisão. 'Já foram ouvidas algumas pessoas e inclusive temos a informação de que uma delas teria entre 40 e 45 anos e outra entre 60 e 65 anos. Com o auxílio das câmeras faremos essas identificações'.

No âmbito jurídico, o Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que prevê a exclusão da competição do clube, vai se basear no relatório da Procuradoria, além do relato do árbitro Rodrigo D' Alonso Ferreira que poderá ser usado no Tribunal.

O presidente do Paraná, Rubens Bohler, chegou a ir ao vestiário se desculpar com o jogador. O clube também colocou em sua página oficial na internet uma mensagem dirigida a Marino, além de mensagens antirracismo. A Federação Paranaense de Futebol informou, por meio da assessoria, que faz uma campanha sistemática contra a discriminação racial com campanhas durante o campeonato estadual e possíveis punições ao clube não caberiam, pois a Copa do Brasil está sob a responsabilidade da CBF.

Para o jogador Marino, a atitude dos torcedores foi condenável e se iniciou depois de sua expulsão. 'Um começou a me chamar de macaco, até joguei um copo de água, mas depois veio outro e começou também a me chamar de macaco. Fui para o vestiário e comecei a chorar', lamentou.

Fonte: Futebol Interior

Veja Mais:

  • Jô, pivô de polêmica nesta semana, está confirmado ante os argentinos

    Em treino na Argentina, Carille 'dribla' falta de energia e ensaia Corinthians com três mudanças

    ver detalhes
  • Carille conduziu trabalho do Timão no estádio Presidente Perón

    Carille explica mudanças no Corinthians e pede 'jogo inteligente' por vaga

    ver detalhes
  • Jô falou com a imprensa nesta terça-feira já na Argentina

    Jô admite toque no braço, nega trapaça e abre o jogo sobre polêmica no Corinthians

    ver detalhes
  • Apresentadora Renata Fan fez analogia infeliz com polêmica envolvendo Jô

    Renata Fan compara Jô a 'ladrão' e revolta torcida do Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes