'Donos' do Pacaembu ansiosos e confiantes para a final da Libertadores

'Donos' do Pacaembu ansiosos e confiantes para a final da Libertadores

A grama está milimetricamente aparada. Os ajustes e retoques nas pinturas foram feitos nas arquibancadas. O espaço para o pódio do campeão já foi marcado. Luzes testadas e aprovadas. O Pacaembu está pronto para receber a finalíssima da Libertadores.

Foto: Reginaldo Castro / Agência O Dia

'A nossa casa está preparada para o dia mais marcante para os corintianos. Estou cuidando de tudo', confirma Luiz Afonso de Andrade, de 65 anos - o funcionário mais antigo do charmoso estádio, que receberá o duelo entre Corinthians e Boca Juniors, nesta quarta-feira.

'Ser corintiano e trabalhar no Pacaembu é uma grande honra. Ter a alegria de ver o meu time na minha segunda casa é outra. E ter a certeza de que deixei tudo pronto para a festa do nosso primeiro título da Libertadores é uma felicidade sem tamanho', prossegue ‘Seu Luizão’, como é carinhosamente conhecido, com 42 anos de trabalho no estádio municipal e atualmente com o cargo de assessor da diretoria. Não é só ‘Seu Luizão’ que aguarda ansiosamente a partida.

'Espero esse dia há muito tempo', conta Gracinda Rodrigues, 68 anos, desde 1972 como funcionária do Pacaembu. 'E esse dia chegou. Nem acredito. Vi todos os jogos nesse estádio e só faltava esse', emenda a auxiliar administrativa do estádio, orgulhosa de um feito: não faltou a nenhum jogo no Pacaembu desde que começou a trabalhar no local. 'Vi tanta coisa boa aqui. É a minha casa.'

Ser corintiano, trabalhar no Pacaembu e estar presente em todos os jogos do Timão no estádio é um privilégio para poucos. Porém, nem tudo é alegria.

'A gente trabalha aqui, faz tudo para receber o Corinthians bem, mas mal consegue ver o jogo. O trabalho não deixa. Só comemoro depois que o juiz apita', revela Elias Rodrigues, 44 anos, há 16 anos como segurança do local. 'Pelo menos não preciso faltar ao trabalho. Na quarta-feira vou ficar aqui o dia inteiro. Vou começar a trabalhar às 7h e sair daqui, com o título da Libertadores, só às 4h. Tudo com muita alegria', diz Elias.

O trabalho dos três funcionários não se limita apenas a cuidar de todos os preparativos do Pacaembu para receber o Corinthians na grande final. 'Tenho que secar o Boca desde o momento que entrarem no estádio. E olha que eu não falho (risos)', brinca Elias. 'Não gosto de estrangeiros na minha casa', acrescenta Gracinda.

'Não podemos deixar esses argentinos estragarem a festa justamente na minha casa. Tenho certeza de que vou colocar na minha memória mais uma coisa boa desse estádio depois da final', finaliza Seu Luizão.  

Reportagem de André Pires e Felipe Piccoli

Fonte: Marca Brasil

Veja Mais:

  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes
  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Maycon conta com o aval de Oswaldo de Oliveira para retorno

    Retorno de Maycon minimiza necessidade por contratação de volante no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes