FIFA: Todos por um ao modo corintiano

FIFA: Todos por um ao modo corintiano

FIFA: Todos por um ao modo corintiano

FIFA: Todos por um ao modo corintiano

'Um por todos, todos por um?, o lema eternizado na obra 'Os Três Mosqueteiros? de Alexandre Dumas, certamente já foi associado ao Corinthians muitas vezes, considerando que a figura do espadachim é a sua mascote há décadas. Mas, pensando em 2012 e no time que chega para a disputa da Copa do Mundo de Clubes da FIFA, talvez realmente não haja mesmo uma citação literária mais apropriada para abordar o sucesso que a equipe tem desfrutado nos últimos dois anos.

São muitos os técnicos que se deleitariam em ter um elenco que siga piamente tal preceito, que muita vezes pode parecer banalizado por sua repetição exaustiva, mas que se manifesta de forma decisiva no trabalho de Tite. É um privilégio do qual o treinador pode se orgulhar na relação com seus atletas, que buscam o segundo título mundial do time, depois de terem vencido o Campeonato Brasileiro e a Copa Libertadores na sequência.

'O que acho mais bacana do nosso grupo é que a gente não se acomoda com nada, e lógico que o Tite tem 90% de mérito nisso. Ele sabe mexer bastante com os atletas. Entramos sempre com ambição', afirma o lateral Fábio Santos.

Unanimidade após a queda
Nas múltiplas entrevistas que o FIFA.com fez com os protagonistas corintianos durante o ano, o tema da união em torno do treinador foi uma constante, passando pelas mais diversas personalidades e posições em campo, do goleiro Cássio até Emerson, eleito o melhor jogador da Libertadores 'Acredito que a doação de todos os jogadores é o nosso diferencial. O foco é imenso, e isso é mérito do nosso treinador?, diz o atacante, antes de resgatar um ponto crítico na evolução da equipe.

Em fevereiro de 2011, ainda com os craques Ronaldo e Roberto Carlos em atividade, o Corinthians acabou eliminado pelo Deportes Tolima na fase preliminar. Uma derrota de bastante impacto. 'Grande parte deste elenco estava na Libertadores do ano passado e sofreu com aquela eliminação precoce?, avalia Emerson. A pressão foi forte, mas o treinador acabou prestigiado no cargo para ver as coisas mudarem, e muito, a partir dali.

Foi o que constatou Cássio, que se juntou ao clube apenas para a temporada 2012, vindo da Holanda. O arqueiro destaca uma coesão que causa impacto direto no que se vê dentro das quatro linhas, ajudada também pela continuidade de uma mesma base. 'Quando cheguei, fiquei muito surpreso', admite. 'Vi nos treinos um time que briga pela bola, se defendendo lá na frente, em que todo mundo volta. Para isso acontecer, precisa acreditar no treinador.'

Diante da aclamação do público e, mais importante, dentro do vestiário, o técnico naturalmente retribui ao destacar o comprometimento de seus jogadores, que encaram forte competição interna por uma das 11 vagas de titular, aceitando alguns sacrifícios inerentes na formação de um time campeão. 'É uma força própria da equipe', diz o técnico. 'Se você tiver um grupo extremamente vaidoso, é o primeiro passo para o insucesso. Mas não quer dizer que o atleta não vá aparecer. Eles compreenderam que a participação solidária iria fazer a equipe vencer e iria valorizar a individualidade.'

Vai além
Depois dos acontecimentos que marcaram o embarque do elenco rumo ao Japão, no qual uma multidão de corintianos compareceu ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, numa manifestação incrível, é impossível desassociar o time de seus seguidores também. Jogando no Pacaembu, o Corinthians venceu seis de sete partidas na Libertadores, com 16 gols marcados e apenas um sofrido. 'Esta torcida teve participação decisiva na nossa grande campanha da Libertadores?, diz Emerson. 'Ela nos carrega no colo.?

Agora, em Toyota e Yokohama, o time supostamente teria de se virar sem esse apoio fervoroso. Mas é claro que sua fiel torcida não permitiria que isso acontecesse. A procura por vistos japoneses no Brasil foi intensa. Em Nagoya, os jogadores foram recebidos já por centenas de torcedores na porta do hotel. Para os jogos, o clube aguarda milhares nas arquibancadas. Seriam milhares por um time.

Fonte: FIFA

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes
  • Luidy (boné) conheceu o CT Joaquim Grava na última quinta-feira

    Contratação do Corinthians vai ao CT pela primeira vez

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes