Linha temporal dos deslizes de Carille no comando do Corinthians

Ana Paula Araújo

Engenheira de formação, mas corinthiana de alma. Deixei a profissão para fazer parte dessa família desde 2013.

ver detalhes

Linha temporal dos deslizes de Carille no comando do Corinthians

Coluna da Ana Paula Araújo

Opinião de Ana Paula Araújo

6.1 mil visualizações 49 comentários Comunicar erro

Linha temporal dos deslizes de Carille no comando do Corinthians

Carille na partida contra Athletico-PR, pelo Brasileirão

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Apesar de esboçar mudanças e uma discreta melhora no desempenho da equipe que enfrentou o Goiás na noite desta quarta-feira, Carille ainda balança no cargo e não há motivos para que permaneça na temporada 2020, na minha opinião. Não tem clima.

Após uma passagem de sucesso, muita gente deve se perguntar quando foi que o treinador começou a sua derrocada no comando do Corinthians. Eu mesma me questionei sobre e resolvi pensar um pouco. Não foi nesta temporada que tudo começou e muito menos com as desclassificações recentes. O início de tudo foi na maneira que ele saiu na temporada passada e foi para Arábia.

Fiz uma linha do tempo explicando meu ponto de vista sobre o momentos que foram preponderantes para a insustentabilidade do treinador no cargo.

Linha do tempo dos deslizes de Carille

Montagem/Meu Timão

Só aí temos:

  • 18 de maio de 2018 - promessas não cumpridas, quando diz que não vai sair e sai;
  • 21 de abril de 2019 - desmerecimento de um título tradicional;
  • 10 de maio de 2019 - outra promessa que ficou só na promessa mesmo;
  • 19 de setembro de 2019 - transferência de responsabilidade;
  • 21 de setembro de 2019 - justificativa injustificável;
  • 22 de setembro de 2019 - ironizando um protesto legítimo da torcida;
  • 30 de setembro de 2019 - fritando jogadores publicamente;
  • 10 de outubro de 2019 - transferindo, mais um vez, a culpa dos péssimos desempenhos;
  • 13 de outubro de 2019 - desmotivando ainda mais elenco e torcida.

Carille é uma pessoa comum, com qualidades e imperfeições, não ponho em xeque seu caráter, mas ele tem um defeito preocupante: fala antes de pensar.

Achei que esse período que passou em um país estrangeiro, além de uma boa assessoria, fossem fazer ele melhorar nesse aspecto, mas não, continua o mesmo. Talvez seja um defeito incorrigível, quem sabe? Todos nós temos. A longo prazo, certamente o fará ter muitos problemas na profissão.

Para mim, Fábio Carille - classificando ou não o time para Libertadores - deve deixar o Timão. Não há mais clima depois de tantas declarações controversas.

Fábio Carille morre pela boca.

Veja mais em: Fábio Carille.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna da Ana Paula Araújo

Por Ana Paula Araújo

Engenheira de formação, mas corinthiana de alma. Deixei a profissão para fazer parte dessa família desde 2013.

O que você achou do post da Ana Paula Araújo?

x