Todos contra o Corinthians

Marco Bello

Setorista do Corinthians desde 2009 pela Rádio Transamérica, Marco Bello acompanha o dia a dia do clube

ver detalhes

Todos contra o Corinthians

Coluna do Marco Bello

Opinião de Marco Bello

54 mil visualizações 165 comentários Comunicar erro

Todos contra o Corinthians

O árbitro deste domingo estará no olho do furacão

O clássico contra o Palmeiras na Allianz Arena neste domingo será talvez o maior desafio da carreira do árbitro Raphael Claus. Sim, o mesmo árbitro que esteve envolvido em uma polêmica envolvendo o Corinthians no passado: o famoso caso Petros. O volante do Timão deu uma trombada no juiz, na partida contra o Santos na Vila Belmiro, e acabou cumprindo uma pena de 3 jogos de suspensão, após recurso do clube, depois do STJD inicialmente punir o atleta com 180 dias fora dos gramados.

Raphael Claus está pressionado para apitar CONTRA o Corinthians. Pressionado pelos dirigentes de Atlético Mineiro, Fluminense e Atlético Paranaense, por grande parte da imprensa gaúcha, mineira, carioca e até mesmo por parte da imprensa paulista. Pressionado por torcedores dos outros 19 clubes que disputam a série A do Campeonato Brasileiro.

As reclamações e insinuações começaram depois do clássico contra o São Paulo no dia 9 de agosto, no Morumbi, quando o árbitro Leandro Pedro Vuaden não viu um toque de mão do lateral Uendel dentro da área, lance que configuraria pênalti para o São Paulo. O clássico terminou empatado em 1 a 1 e, de lá pra cá, as insinuações não cessaram.

No último mês, ocorreram muitos erros de arbitragem no Campeonato Brasileiro, em praticamente todas as partidas da competição. Mas um time se destacou, o Corinthians. Venceu a grande maioria dos jogos e assumiu a liderança isolada do campeonato. Com muitos erros a favor. Mas também com erros contra. E, principalmente, jogando muito. É impossível liderar um campeonato como o Brasileiro, com sete pontos de vantagem sobre o segundo colocado, apenas com erros de arbitragem.

Após o último jogo do Corinthians, contra o Fluminense, o técnico Tite foi inundado com perguntas sobre a arbitragem, após impedimento mal sinalizado em lance que terminaria em um gol de Cícero a favor da equipe do Rio de Janeiro. Nada do bom futebol de Jadson, da ótima estreia de Marciel. A pressão chegou ao ponto máximo.

“O campeonato está comprado”, disseram muitos. Os erros que aconteceram na partida entre os Atléticos, Mineiro e Paranaense, em Minas Gerais, se juntaram ao erro do árbitro da Arena do Timão, em uma grande conspiração para favorecer o time do Parque São Jorge. Dirigentes e ex-dirigentes do Atlético Mineiro e Fluminense vieram a público protestar. Parte da imprensa destilou suas teorias.

“A Rede Globo quer o Corinthians na frente, por causa da boa audiência.” Mas então a Globo não queria audiência nos dois últimos anos, com o Cruzeiro campeão? “A CBF vendeu o Brasileiro” Mas o presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, é inimigo público de Andres Sanchez, o superintendente de futebol do Timão. Foi por dinheiro? O Corinthians está com parte dos direitos de imagem dos jogadores atrasado e pagaria uma fortuna à CBF pela conquista da competição? Por que clubes com mais dinheiro em caixa, como o Palmeiras, por exemplo, não cobririam a oferta corinthiana?

As teorias morrem antes mesmo de começarem. Não tem fundamento algum. Há os que defendem os seus clubes, caso das manifestações de alguns presidentes. Há os que procuram satisfazer o seu público, caso de parte da imprensa mineira, gaúcha e carioca. E há a imprensa de São Paulo, sempre dividida entre o apoio e a vociferação contra o clube de maior torcida no estado.

O Corinthians é líder. Seria líder sem os erros de arbitragem? Muito provavelmente. Seria líder com tantos pontos de vantagem sobre o Atlético Mineiro? Provavelmente não. Erros acontecem e acontecerão até o final dos tempos, enquanto estiver um ser humano no apito.

Há corrupção e má intenção no futebol? Já houve casos comprovados, como por exemplo nos jogos anulados de 2005, do árbitro Edilson Pereira de Carvalho, que aliás acabaram por beneficiar o Corinthians, campeão naquele ano. Quem não se lembra do argentino Javier Castrilli, que favoreceu o Corinthians contra a Portuguesa no Paulistão de 1998. Ou do paraguaio Carlos Amarilla, que prejudicou o Corinthians contra o Boca Juniors na Libertadores de 2013.

A dúvida é se há interesse em que os erros parem de acontecer, ou se o interesse é que o clube dito mais beneficiado com eles seja também o mais prejudicado a partir de agora.

A dúvida será desfeita neste domingo. Será uma arbitragem imparcial, limpa? Ou todo o ódio visto e ouvido nas últimas semanas estará canalizado no árbitro do confronto? A pressão é grande e a resposta virá após o apito inicial de Raphael Claus.

Coluna do Marco Bello

Por Marco Bello

Marco Bello é jornalista, apresentador e repórter da Rede Transamérica de Rádio, setorista do Corinthians desde 2009

O que você achou do post do Marco Bello?