Sobre o Sr. Juca Kfouri

Fórum do Corinthians
Tópico Épico Entenda as regras

Arthur @arthur.malteca em 17/02/2016 às 15:10

Caros,

Vejo muitos aqui descendo a lenha nesse cidadão (sé é que se pode assim considerar).

O que muitos não sabem e que se soubessem entenderiam sua postura é que esse cara foi filiado a uma organização terrorista chamada ação libertadora nacional.

https://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7%C3%A3o_Libertadora_Nacional

Como chamar uma pessoa que participou disso?

Como chamar uma pessoa que prega o socialismo e mora confortavelmente em higienópolis?

1.953 visualizações e 68 respostas neste tópico

Avaliação do tópico:

Responder tópico

Melhores respostas

Tati Moura #479 @tatimoura999 em 17/02/2016 às 15:55

Vai para atrás das grades nove dedos...

Agora para aqueles que estiverem defendendo o socialismo, não existe qualquer empecilho para você ir para Venezuela, por exemplo.

Pedro Paulo Amaral #5.847 @pedroamaral em 17/02/2016 às 16:23

Nunca antes na história desse país os banqueiros ganharam tanto dinheiro... Nunca antes na história desse país as relações entre grandes empresários(Construtoras, Montadoras, Varejo e etc) e o Governo Federal foram tão prosmicuas... Ver um comedor de mortadela distribuida com o meu dinheiro falar de história é engraçado. Ao invés de falar do crash do sistema financeiro deveria falar sobre o legado da URSS em que os amigos do poder estão pelo mundo gastando as fortunas que foram roubadas do povo(já ouviu falar no Abramovich? ). A grande múmia de Cuba, que lhes serve de guia espiritual (ops, desculpa, vocês não acreditam em Deus) vive em situação idêntica ao povo da Ilha? Vai dar uma olhada na situação que o Macri encontrou a Argentina, olha a situação da Venezuela. Sempre fui e continuo sendo contra o governo militar, mas achar que Dilmas, Jucas e Chicos defendem a democracia é como acreditar no coelhinho da Páscoa...

Últimas respostas

Jeremias Jalkh #6.263 @jeremias.jalkh em 17/02/2016 às 21:44

Excelente!

Sergio #9704 @sergio.tebas em 17/02/2016 às 19:22

" "

Esse terrorista miserável, cheio de filosofias marxista, e sofismático, explora sempre o lado negativo dos fatos relacionados ao Corinthians com a intenção de denegrir a sua imagem. Pensa que a torcida corinthiana é composta de ignorantes e iletrados; ledo engano, aqui tem de tudo, porque somos grandes...uma nação, estabelecida e firmada sobre um nobre sentimento de amor e fraternidade, dentro de um esporte que congrega milhões de pessoas no mundo todo. Esse esnobe não tem noção do que isso significa; portanto não compartilha conosco da mesma emoção. Pseudo corinthiano, não tem a menor afinidade com a 'nação', nunca foi Corinthians e nunca será (graças a Deus). E que morra pelo próprio veneno que destila. O que eu quero? Eu quero que o Juca K furi. Aqui é CORINTHIANS!

Publicidade

Jeremias Jalkh #6.263 @jeremias.jalkh em 17/02/2016 às 21:36

Primeiro, Obrigado por não ter me xingado, geralmente o pessoal de Esquerda aqui só me chama de Burro, Ignorante pra Baixo! Rsrsrs
Enfim... Acho que o Regime Militar BR, não pode ser comparado com os 17 anos de Governo do PINOCHET. Como constei anteriormente, tivemos 5 Presidentes Militares para um Período de pouco mais de 20 anos!

O Governo de João Goulart não era uma ameaça COMUNISTA?

O Povo nas ruas pedindo a Saída de João Goulart, com medo da 'Ameaça Vermelha'. 500 mil brasileiros nas ruas... (http://www.infoescola.com/historia/marcha-da-familia-com-deus-pela-liberdade/)

'A maior parte das vítimas da repressão política não eram militantes da luta armada, e sim operários, camponeses, estudantes, artistas e intelectuais, a maioria de classe popular ou média, que lutavam pacificamente por seus direitos e ideais.' Que MENTIRA! 90 % eram guerrilheiros e morreram em Confronto com as Forças Armadas! A maior prova disso, foram as Manifestações Pacíficas 'Diretas Já' (Essas sim, visando uma abertura política e não uma Luta por Ditadura Comunista). Aliás, vários desses Guerrilheiros que Sobreviveram não foram Presos por Corrupção?! Dirceu, Genoíno, Lula está quase, Dilma vai chegar lá também... Estou vendo por que Democracia tanto lutaram! E todos Presidente Militares morreram Pobres né!?

E pra finalizar: Meu discursinho manjado? E esse teu discurso? CTRL+C e CTRL+V? Próxima vez, procura um 'TUTORIAL DE DEFESA IDEOLÓGICA' melhor que essa tua 'FONTE' (http://www.revistaforum.com.br/mariafro/2013/06/25/38713/) É UM LIXO!

Abraços e Saudações Alvinegras! #VAICORINTHIAS #BRASILACIMADETUDO

Alexander #284 @alexdugan em 17/02/2016 às 18:06

" "

Sõ no Brasil existe essa bipolaridade ridícula, qualquer um que aponta a hipocrisia, burrice, desonestidade intelectual ou falta de claridade no discurso da mídia vira comunista, ao mesmo tempo que temos apologistas da ditadura que vem da classe operária, um contrassenso absurdo, falta muita educação mesmo por aqui...

Mas sobre o teu discursinho manjado, não venha espalhar mentiras:

O governo brasileiro na época era constitucional e democraticamente eleito. O presidente João Goulart, o “Jango”, não era, nem jamais foi, um marxista ou anticapitalista. Fora ministro de Getúlio Vargas e Jucelino Kubtschek, o que mostra sua ligação com o populismo e o nacionalismo de centro-esquerda. O partido comunista foi banido em 1948, e distanciava-se do stalinismo desde os anos 1950. A influência dos comunistas limitava-se a alguns setores estudantis, intelectuais e sindicais. Mas mesmo que Jango fosse um marxista declarado, aliado ao partido comunista e buscando a implantação do socialismo, o golpe de Estado contra um regime democrático seria ainda uma conduta criminosa, ainda mais por sido apoiado por oligarquias corruptas e governos estrangeiros. Salvador Allende era um marxista declarado, seu partido socialista era aliado do partido comunista, e o golpe que derrubou seu governo e instaurou os 17 anos de ditadura de Pinochet foi um crime Pode-se discordar de Allende ou Jango, mas eles foram escolhidos pelo povo e governaram de acordo com as leis. Não havia, portanto, qualquer ameaça de “ditadura de esquerda”.

Jango era um presidente carismático, e a campanha da legalidade, antigolpista, conseguiu mobilizar amplos setores. O movimento golpista, por outro lado, conseguia mobilizar apenas uma classe média conservadora, fração diminuta da população brasileira. O principal trunfo dos golpistas era o auxílio imperialista, tanto do governo estadunidense quanto dos empresários associados ao capital transnacional. Estes dois setores possuíam recursos, influência e organização superior para apoiar os militares reacionários e usurpadores.

A ditadura iniciou-se em 1964, e as ações armadas de resistência começaram apenas alguns anos depois, após o endurecimento do terrorismo estatal, com o AI-5 (1968). Nenhum verdadeiro exército oposicionista foi constituído, no entanto. A guerrilha urbana baseava-se na doutrina da “propaganda pela ação”, tentando estimular uma rebelião popular massiva contra a ditadura por meio de ações “exemplares” de resistência armada. A guerrilha rural foi esmagada antes de organizar um exército camponês.

É preciso distinguir guerrilha de terrorismo. Este último baseia-se na estratégia de intimidação geral, com ataques violentos e politicamente motivados a civis desarmados e não combatentes, visando um efeito psicológico coletivo. A guerrilha, pelo contrário, é um exército irregular que luta diretamente contra forças armadas regulares, visando a sua derrota militar e política. Aplicando estes conceitos aos fatos históricos, concluímos que quem praticava o terorismo era o próprio governo autoritário, enquanto que a oposição usava a guerrilha como instrumento de resistência, sequestrando embaixadores de Estados imperialistas que apoiavam a ditadura para exigir a sua troca por prisioneiros políticos e assaltando bancos para financiar essas atividades. Sem dúvida os guerrilheiros falharam no seu objetivo maior, a deposição revolucionária da ditadura e do capitalismo, e quase todos acabaram torturados, mortos ou “desaparecidos”. Mas é inegável que salvaram centenas de militantes da esquerda das guarras dos torturadores.

E os índios e quilombolas, alvos de obscuras campanhas de extermínio e deslocamento forçado? E os trabalhadores favelados e camponeses, submetidos ao terror dos bandos armados urbanos e rurais (esquadrão da morte, jagunços, etc.)? A política da ditadura em relação a grupos étnicos e sociais marginalizados e politicamente desorganizados é ainda pouco conhecida. Certamente a escala quantitativa do terrorismo estatal a que foram submetidos vai muito além daquilo que sofreram os militantes organizados em partidos clandestinos.

E mesmo que houvesse uma guerra civil real, os desaparecimentos e torturas de dissidentes ideológicos jamais poderiam ser justificados. A maior parte das vítimas da repressão política não eram militantes da luta armada, e sim operários, camponeses, estudantes, artistas e intelectuais, a maioria de classe popular ou média, que lutavam pacificamente por seus direitos e ideais.

A frente de oposição contra a ditadura reivindicava uma anistia para todos os presos, exilados e cassados por motivos políticos, acusados de “subversão” segundo a Lei de Segurança Nacional de 1969. A intensa pressão interna e externa pela anistia foi respondida por um “jeitinho brasileiro”: por meio de um decreto-lei de 1979, o governo autoritário anistiou não apenas todos os crimes políticos de todos os brasileiros, como também anistiou os seus próprios crimes não-políticos (tortura, homicídio, etc.) contra os prisioneiros políticos. O aparelho de repressão político-ideológica, porém, continuou atuando na Operação Condor, como foi provado por investigações independentes tanto no Brasil quanto na Argentina e Uruguay. As milícias direitistas continuaram cometendo atrocidades na cidade e no campo, inclusive com uma campanha de atentados à bomba contra a oposição. Nenhum agente da repressão política ou terrorista de direita foi preso pelos seus crimes pós-1979.

Os militantes da guerrilha derrotada, em compensação, continuaram presos por causa dos assaltos à bancos e trocas de tiros contra as forças da ditadura.

A constituição de 1988, define o crime de tortura como imperdoável (inafiançável, imprescritível, etc.). Essa constituição não apenas é a lei máxima, à qual todas as leis se submetem. É também a lei legítima, escrita por uma Assembléia Constituinte eleita pelo povo brasileiro pelo voto universal, secreto e direto, e não decretado por um ditador covarde, como a lei de anistia de 1979. Mesmo o texto desta lei não menciona os crimes comuns, e sim os “crimes políticos e conexos”. É apenas a interpretação da anistia como impunidade para os agentes da repressão que é mantida, em virtude de um obscuro pacto político e apesar dos protestos das famílias das vítimas e dos movimentos de direitos humanos nacionais e internacionais.

A lei de anistia de 1979, portanto, não pode ser uma garantia de impunidade. A anistia das vítimas da repressão é uma coisa. A impunidade dos serial killers à serviço da ditadura é outra.

As ditaduras golpistas de 1937-45 e de 1964-88, reviveram os horrores da escravidão e da inquisição, desta vez contra todos aqueles identificados como “comunistas” e “classes perigosas”. Estes dois termos, na linguagem dos fascistas assumidos ou enrustidos, possuem um sentido bastane amplo. “Comunistas” seriam todos os sindicalistas independentes, militantes dos direitos humanos, artistas inconformistas, professores e escritores marxistas, religiosos progressistas, feministas, antirracistas, estudantes politizados, etc. As “classes perigosas” são as populações socialmente excluídas e discriminadas pela sua pobreza e etnia, sempre suspeitas de quaisquer crimes que aconteçam ou que poderiam acontecer.

Avelino Manuel Gomez Balboa #613 @avelinogb em 17/02/2016 às 20:01

Então eu sendo socialista não posso ter uma TV, um celular etc, muitos aqui nem sabem o que é socialismo, só falam mantras, como explicar então que a medicina no Canada, Espanha, Inglaterra, França, Suiça, Escandinávia, etc, etc é socialista. Também falam muito em países comunistas e esse regime nunca existiu, era uma meta cujo caminho, que sabiam ser muito longo, teria que passar pelo socialismo, é só ver as metas a serem alcançadas antes pelo socialismo e depois no comunismo, isso está no manifesto do partido comunista que a maioria aqui nem leu e é um dos documentos mais importantes da nossa história.

PS: Nos objetivos a alcançar sobre o pagamento do trabalho no nível socialista está, 'de acordo com a produtividade', já alcançando o sistema comunista está 'de acordo com sua necessidade', ou seja o único povo que vi praticando o comunismo são nossos índios, antes da mistura.

Jeremias Jalkh #6.263 @jeremias.jalkh em 17/02/2016 às 19:31

Falou tudo! Infelizmente, a Mídia se vendeu para o Governo há muito tempo e sempre enfiou essa Historinha de Ditadura Militar e nunca explanaram a Verdade... Mas é de se esperar, o Maior cliente dos Veículos de Comunicação é a MÁQUINA PÚBLICA! E onde há boa parte dos 'profissionais' de Esquerda. MEC nem se diga... Infelizmente a História do Brasil está sendo contada através APENAS de um lado e por Mentiras! Vamos nos livrar desses Comunistas sim... ABraço Amigo!

Jose #943 @stormnuken em 17/02/2016 às 19:16

" "

Boa ter postado estes vídeos cara.

Pior são os metidos a historiadores daqui, querer contrariar os próprios autores dos atentados, conforme os vídeos. Ora, querem enfiar historinha da carochinha, falando de golpe militar, sendo que os próprios participantes confessam que queriam sim, implantar uma ditadura de esquerda no país!

O que houve no Brasil foi um contra golpe! Onde quem cassou Joao Goulart foi o CONGRESSO NACIONAL, e que dias depois, foi votado no próprio CONGRESSO NACIONAL quem seria o presidente do Brasil, sendo escolhido Castelo Branco para isso.

O Congresso atendeu a vontade da maioria do povo brasileiro, que saiu às ruas, juntamente com a igreja católica à época.

Graças a Deus nos livramos dessa podridão comunista. E vamos nos livrar de novo! Se Deus quiser!

Sergio Teixeira Bastos #9.704 @sergio.tebas em 17/02/2016 às 19:22

Esse terrorista miserável, cheio de filosofias marxista, e sofismático, explora sempre o lado negativo dos fatos relacionados ao Corinthians com a intenção de denegrir a sua imagem. Pensa que a torcida corinthiana é composta de ignorantes e iletrados; ledo engano, aqui tem de tudo, porque somos grandes...uma nação, estabelecida e firmada sobre um nobre sentimento de amor e fraternidade, dentro de um esporte que congrega milhões de pessoas no mundo todo. Esse esnobe não tem noção do que isso significa; portanto não compartilha conosco da mesma emoção. Pseudo corinthiano, não tem a menor afinidade com a 'nação', nunca foi Corinthians e nunca será (graças a Deus). E que morra pelo próprio veneno que destila. O que eu quero? Eu quero que o Juca K furi. Aqui é CORINTHIANS!

Jose I #943 @stormnuken em 17/02/2016 às 19:16

Boa ter postado estes vídeos cara.

Pior são os metidos a historiadores daqui, querer contrariar os próprios autores dos atentados, conforme os vídeos. Ora, querem enfiar historinha da carochinha, falando de golpe militar, sendo que os próprios participantes confessam que queriam sim, implantar uma ditadura de esquerda no país!

O que houve no Brasil foi um contra golpe! Onde quem cassou Joao Goulart foi o CONGRESSO NACIONAL, e que dias depois, foi votado no próprio CONGRESSO NACIONAL quem seria o presidente do Brasil, sendo escolhido Castelo Branco para isso.

O Congresso atendeu a vontade da maioria do povo brasileiro, que saiu às ruas, juntamente com a igreja católica à época.

Graças a Deus nos livramos dessa podridão comunista. E vamos nos livrar de novo! Se Deus quiser!

Jeremias #6263 @jeremias.jalkh em 17/02/2016 às 16:56

" "

Legal essa História Digna de MEC/Globo. Um Regime Militar de 20 anos com 5 Presidentes chamado de Ditadura e uma Ditadura Cubana chamada de 'Regime Comunista Cubano'. O Regime Militar foi um Contragolpe, sendo o Presidente João Goulart cassado pelo CONGRESSO NACIONAL . O Povo pedia os Militares no Poder: Igreja Católica; Ruralistas; Empresários e até a mídia na época! Grupos Terroristas, financiados por 'Países Democráticos' como CUBA e URSS, entraram em confronto com a FFAA, lógico que vários guerrilheiros e militares morreram. Não esqueçamos que o Mundo vivia sob a Guerra-Fria, Capitalismo x Comunismo. A verdade é que NUNCA Lutaram por Democracia e sim por uma Ditadura do Proletariado...

O pior é o Rapaz aqui dizendo que é um Vergonha torcer pelo time da Democracia Corinthiana e ser à favor do Período do Regime Militar! Por favor né?! Os Militares saíram assim como entraram no Poder 'Pelas Mãos do Povo', através de Vários MOVIMENTOS POPULARES (Como a Democracia Corinthiana) e não através do Terrorismo ou Luta Armada! Outra coisa, houve a ANISTIA mas só pros COMUNISTAS... Os militares até hoje são Demonizados!

E se é SOCIALISTA tem que, pelo menos, se dar o Exemplo! Falam tão mal do Capitalismo mas não vivem sem as Obras do Capitalismo... Seus MACBOOK, IPHONE, um BMW... Ou vocês acham que em Países Socialista a população tem condições de ter isso? Não precisa ir tão longe, olhe aí do Lado a VENEZUELA! Onde falta até CREME DENTAL! Então, pra ele é fácil ficar defendendo essas Merdas mas sem viver ou ter vivido nisso... Juca é HIPÓCRITA SAFADO!

Caboclo 1977 #182 @caboclo1977 em 17/02/2016 às 19:10

Cara, com todo respeito, acho que é off-topic. Discussão política não deveria ser trazida aqui para o fórum do Corinthians.

Tiago Leal #7.477 @tiago.leal em 17/02/2016 às 19:02

Engraçado que todo mundo que vota/votou no PT é tachado de bandido/ladrão/comunista, como se fosse responsável pelos desvios de conduta desse partido/governo. Contra a ditadura militar e suas mazelas tinha-se que lutar mesmo, não era admissível ver e sofrer toda aquela repressão e ficar de braços cruzados. Teve excessos, teve sim, com certeza, mas o ideal de liberdade era o norte que guiava as pessoas, na tentativa de fugir as botas dos militares. Muito me assusta um povo que ainda defende os ditadores e buscam desculpinhas para justificar seus atos. Um povo sem memória esta fadado ao fracasso!

Alexander #284 @alexdugan em 17/02/2016 às 18:06

" "

Sõ no Brasil existe essa bipolaridade ridícula, qualquer um que aponta a hipocrisia, burrice, desonestidade intelectual ou falta de claridade no discurso da mídia vira comunista, ao mesmo tempo que temos apologistas da ditadura que vem da classe operária, um contrassenso absurdo, falta muita educação mesmo por aqui...

Mas sobre o teu discursinho manjado, não venha espalhar mentiras:

O governo brasileiro na época era constitucional e democraticamente eleito. O presidente João Goulart, o “Jango”, não era, nem jamais foi, um marxista ou anticapitalista. Fora ministro de Getúlio Vargas e Jucelino Kubtschek, o que mostra sua ligação com o populismo e o nacionalismo de centro-esquerda. O partido comunista foi banido em 1948, e distanciava-se do stalinismo desde os anos 1950. A influência dos comunistas limitava-se a alguns setores estudantis, intelectuais e sindicais. Mas mesmo que Jango fosse um marxista declarado, aliado ao partido comunista e buscando a implantação do socialismo, o golpe de Estado contra um regime democrático seria ainda uma conduta criminosa, ainda mais por sido apoiado por oligarquias corruptas e governos estrangeiros. Salvador Allende era um marxista declarado, seu partido socialista era aliado do partido comunista, e o golpe que derrubou seu governo e instaurou os 17 anos de ditadura de Pinochet foi um crime Pode-se discordar de Allende ou Jango, mas eles foram escolhidos pelo povo e governaram de acordo com as leis. Não havia, portanto, qualquer ameaça de “ditadura de esquerda”.

Jango era um presidente carismático, e a campanha da legalidade, antigolpista, conseguiu mobilizar amplos setores. O movimento golpista, por outro lado, conseguia mobilizar apenas uma classe média conservadora, fração diminuta da população brasileira. O principal trunfo dos golpistas era o auxílio imperialista, tanto do governo estadunidense quanto dos empresários associados ao capital transnacional. Estes dois setores possuíam recursos, influência e organização superior para apoiar os militares reacionários e usurpadores.

A ditadura iniciou-se em 1964, e as ações armadas de resistência começaram apenas alguns anos depois, após o endurecimento do terrorismo estatal, com o AI-5 (1968). Nenhum verdadeiro exército oposicionista foi constituído, no entanto. A guerrilha urbana baseava-se na doutrina da “propaganda pela ação”, tentando estimular uma rebelião popular massiva contra a ditadura por meio de ações “exemplares” de resistência armada. A guerrilha rural foi esmagada antes de organizar um exército camponês.

É preciso distinguir guerrilha de terrorismo. Este último baseia-se na estratégia de intimidação geral, com ataques violentos e politicamente motivados a civis desarmados e não combatentes, visando um efeito psicológico coletivo. A guerrilha, pelo contrário, é um exército irregular que luta diretamente contra forças armadas regulares, visando a sua derrota militar e política. Aplicando estes conceitos aos fatos históricos, concluímos que quem praticava o terorismo era o próprio governo autoritário, enquanto que a oposição usava a guerrilha como instrumento de resistência, sequestrando embaixadores de Estados imperialistas que apoiavam a ditadura para exigir a sua troca por prisioneiros políticos e assaltando bancos para financiar essas atividades. Sem dúvida os guerrilheiros falharam no seu objetivo maior, a deposição revolucionária da ditadura e do capitalismo, e quase todos acabaram torturados, mortos ou “desaparecidos”. Mas é inegável que salvaram centenas de militantes da esquerda das guarras dos torturadores.

E os índios e quilombolas, alvos de obscuras campanhas de extermínio e deslocamento forçado? E os trabalhadores favelados e camponeses, submetidos ao terror dos bandos armados urbanos e rurais (esquadrão da morte, jagunços, etc.)? A política da ditadura em relação a grupos étnicos e sociais marginalizados e politicamente desorganizados é ainda pouco conhecida. Certamente a escala quantitativa do terrorismo estatal a que foram submetidos vai muito além daquilo que sofreram os militantes organizados em partidos clandestinos.

E mesmo que houvesse uma guerra civil real, os desaparecimentos e torturas de dissidentes ideológicos jamais poderiam ser justificados. A maior parte das vítimas da repressão política não eram militantes da luta armada, e sim operários, camponeses, estudantes, artistas e intelectuais, a maioria de classe popular ou média, que lutavam pacificamente por seus direitos e ideais.

A frente de oposição contra a ditadura reivindicava uma anistia para todos os presos, exilados e cassados por motivos políticos, acusados de “subversão” segundo a Lei de Segurança Nacional de 1969. A intensa pressão interna e externa pela anistia foi respondida por um “jeitinho brasileiro”: por meio de um decreto-lei de 1979, o governo autoritário anistiou não apenas todos os crimes políticos de todos os brasileiros, como também anistiou os seus próprios crimes não-políticos (tortura, homicídio, etc.) contra os prisioneiros políticos. O aparelho de repressão político-ideológica, porém, continuou atuando na Operação Condor, como foi provado por investigações independentes tanto no Brasil quanto na Argentina e Uruguay. As milícias direitistas continuaram cometendo atrocidades na cidade e no campo, inclusive com uma campanha de atentados à bomba contra a oposição. Nenhum agente da repressão política ou terrorista de direita foi preso pelos seus crimes pós-1979.

Os militantes da guerrilha derrotada, em compensação, continuaram presos por causa dos assaltos à bancos e trocas de tiros contra as forças da ditadura.

A constituição de 1988, define o crime de tortura como imperdoável (inafiançável, imprescritível, etc.). Essa constituição não apenas é a lei máxima, à qual todas as leis se submetem. É também a lei legítima, escrita por uma Assembléia Constituinte eleita pelo povo brasileiro pelo voto universal, secreto e direto, e não decretado por um ditador covarde, como a lei de anistia de 1979. Mesmo o texto desta lei não menciona os crimes comuns, e sim os “crimes políticos e conexos”. É apenas a interpretação da anistia como impunidade para os agentes da repressão que é mantida, em virtude de um obscuro pacto político e apesar dos protestos das famílias das vítimas e dos movimentos de direitos humanos nacionais e internacionais.

A lei de anistia de 1979, portanto, não pode ser uma garantia de impunidade. A anistia das vítimas da repressão é uma coisa. A impunidade dos serial killers à serviço da ditadura é outra.

As ditaduras golpistas de 1937-45 e de 1964-88, reviveram os horrores da escravidão e da inquisição, desta vez contra todos aqueles identificados como “comunistas” e “classes perigosas”. Estes dois termos, na linguagem dos fascistas assumidos ou enrustidos, possuem um sentido bastane amplo. “Comunistas” seriam todos os sindicalistas independentes, militantes dos direitos humanos, artistas inconformistas, professores e escritores marxistas, religiosos progressistas, feministas, antirracistas, estudantes politizados, etc. As “classes perigosas” são as populações socialmente excluídas e discriminadas pela sua pobreza e etnia, sempre suspeitas de quaisquer crimes que aconteçam ou que poderiam acontecer.

Alexander Dugan #284 @alexdugan em 17/02/2016 às 18:55

Permita-me discordar, e olha que não sou socialista, o fato dos bancos e grandes empresários continuarem lucrando como loucos no Brasil é só uma prova que o governo do PT é muito similar ao anterior, as grandes corporações continuam dando as cartas e fazendo as regras, a corrupção continua a mesma só que agora os jornais falam sobre isso, etc... No fundo é um governo com discurso de centro esquerda, com algumas políticas tímidas de inclusão social mas com todo o respaldo neoliberal, a estrutura política no Brasil continuará a mesma independente do governo que entre, sendo o Judiciário extremamente corrupto e tendencioso, o senado e a câmara dos deputados um antro de coleguismo e corrupção e o povo continua se dividindo e esgoelando pelos interesses dos que os controlam.

Em tempo, a única relação de Abramovich com a URSS foi o fato dele ter sido alistado no exercito, ele começou a fazer fortuna contrabandeando patos de borracha (sim, é verdade) e pagou os estudos em um reputado centro de estudos sobre petróleo, ficou rico prospectando para uma Holding Suíça com a abertura da Perestroika e virou milionário com a queda da união soviética fazendo império com petróleo e derivados, ou seja, do povo mesmo ele só roubou não pagando impostos e vendendo informação privilegiada para multinacionais estrangeiras, assim como a maioria dos super-milionários Russos, não é a toa que Putin, um projeto de ditador pró Kremlin adora perseguir esse povo. Ou seja, poderíamos dizer que Abramovich é um empreendedor :D

Moro na Argentina a oito anos e a situação não é tão ruim assim como você pensa, comprei meu apartamento aqui trabalhando com cinema e teatro, em São Paulo nunca poderia sonhar alcançar tal feito, nem sempre o que dizem os jornais é verdade, Cristina estava louca mas Macri é um mafioso populista ex presidente do Boca, ou seja um cartola virou presidente do País, ele vai vender muito jornal porque Clarin e lá Nacion adoram odiar os Kirchner e botar lenha na fogueira, mas para o povo mesmo não vai mudar muito, tanto que aqui

A Venezuela de Maduro não é um pais socialista, pois o povo não controla realmente os meios de produção e se estabeleceu um regime de exceção, hoje é uma ditadura populista onde a dita 'revolução bolivariana' caiu para terceiro plano.

Pedro #5847 @pedroamaral em 17/02/2016 às 16:23

" "

Nunca antes na história desse país os banqueiros ganharam tanto dinheiro... Nunca antes na história desse país as relações entre grandes empresários(Construtoras, Montadoras, Varejo e etc) e o Governo Federal foram tão prosmicuas... Ver um comedor de mortadela distribuida com o meu dinheiro falar de história é engraçado. Ao invés de falar do crash do sistema financeiro deveria falar sobre o legado da URSS em que os amigos do poder estão pelo mundo gastando as fortunas que foram roubadas do povo(já ouviu falar no Abramovich? ). A grande múmia de Cuba, que lhes serve de guia espiritual (ops, desculpa, vocês não acreditam em Deus) vive em situação idêntica ao povo da Ilha? Vai dar uma olhada na situação que o Macri encontrou a Argentina, olha a situação da Venezuela. Sempre fui e continuo sendo contra o governo militar, mas achar que Dilmas, Jucas e Chicos defendem a democracia é como acreditar no coelhinho da Páscoa...

Christopher Valiero #95 @christopher.valiero em 17/02/2016 às 18:53

Odeio aquele cara!