Empresa promete reforçar segurança para reiniciar obras na Arena Corinthians

Empresa promete reforçar segurança para reiniciar obras na Arena Corinthians

Empresa promete reforçar segurança para reiniciar obras na Arena Corinthians

Empresa promete reforçar segurança para reiniciar obras na Arena Corinthians

A Fast Engenharia, empresa terceirizada que executa obras nas arquibancadas da Arena Corinthians, se comprometeu a atender as exigências feitas pelo Ministério do Trabalho e Emprego e aguarda o aval para o reinício das obras no estádio. As obras foram paralisadas após a morte do operário Fabio Hamilton da Cruz, no último sábado.

A superintendência fará uma vistoria às 14h desta quinta, junto com representantes da Fast, para analisar a segurança do local. O estádio ainda não tem previsão de liberação; caso os requisitos sejam cumpridos, as obras poderão ser reiniciadas na próxima semana.

São quatro procedimentos exigidos pelo MT, que serão bancados pela empresa: as instalações de um guarda-corpo - uma estrutura que protege o operário de um possível desequilíbrio -, cabos de aço longitudinais e redes de proteção e a presença de um técnico de segurança em cada andar das obras.

Como as redes ainda não foram instaladas, as obras ainda não poderão ser retomadas após a vistoria de hoje à tarde. Os representantes da Fast, no entanto, devem detalhar ao MT a maneira com que elas estarão dispostas.

'Concluímos de maneira positiva a reunião com a empresa, que se comprometeu a atender as normas de segurança solicitadas. Faremos uma nova avaliação às 14h e, caso essas solicitações sejam realmente atendidas, acredito que na próxima semana o trabalho no estádio deverá ser reiniciado', explicou Luiz Antônio Medeiros, superintendente do MT.

A Fast Engenharia, responsável pelas arquibancadas provisórias que darão 20 mil lugares a mais ao estádio na abertura, está impedida de operar nas alas Norte e Sul da Arena Corinthians.

A morte de Fabio Hamilton da Cruz aconteceu na manhã de sábado. O operário caiu de uma plataforma a cerca de sete metros de altura. Ele foi levado a um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos e morreu algumas horas depois.

Cruz era funcionário da WDS Construções, empresa contratada pela Fast para trabalhar na obra do estádio. No dia do acidente ele havia concluído um curso sobre segurança no trabalho e uso de talabartes.

Fonte: Terceiro Tempo

Veja Mais:

  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Sala de cabines de TV da Arena passa a ser chamada Lilácio Pereira Jr.

    Corinthians batiza sala de transmissões da Arena em tributo a vítima de acidente

    ver detalhes
  • Golaço de Marlone sobre Cobresal rendeu a ele indicação ao Puskás

    Marlone supera Messi e Neymar e vai à final do Prêmio Puskás da Fifa

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes