FPF reconhece erro e isenta Corinthians no 'caso Petros'

FPF reconhece erro e isenta Corinthians no 'caso Petros'

Por Larissa Emanuelle

Erro no contrato de Petros foi causado por uma falha da FPF, não do Timão

Erro no contrato de Petros foi causado por uma falha da FPF, não do Timão

A polêmica envolvendo o contrato do meia Petros parece ter chegado ao seu fim. Denunciado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva e correndo o risco de perder pontos no Campeonato Brasileiro, o Timão foi isentado pela FPF, que assumiu a falha no 'caso Petros'.

Em entrevista concedida ao site da ESPN, Marco Polo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, confirmou que aconteceu um erro de uma funcionária e afirmou que a entidade é a responsável pela problema.

"A entidade errou, e nós temos que encarar o problema. A funcionária errou a data. Se tivesse perguntado a mim ou ao Reinaldo (vice da FPF), isso não teria acontecido. Mas faz parte e temos que assumir isso".

"Não sei como isso vai entrar no resultado do julgamento, isso eu não sei. Sei que erramos, e vamos assumir - completou o presidente."

Com a confirmação do erro da entidade e não do Timão, o clube paulista não deve perder pontos no Campeonato Brasileiro, tendo em vista que não foi o autor do erro. O Corinthians ainda será julgado pelo STJD.

Veja Mais:

  • Bruno Alves se desligou do Figueirense na Justiça

    Zagueiro anunciado pelo rival foi oferecido antes ao Corinthians

    ver detalhes
  • Vantagem do Timão caiu um ponto em relação à 20ª rodada; equipe tem um jogo a menos

    Confira a distância do Corinthians para os principais concorrentes ao título brasileiro

    ver detalhes
  • Moisés, que deve ser titular contra a Chape, com Pedrinho durante treino no CT

    Liberação de Marciel no Corinthians não deve alterar substituto de Arana em Chapecó

    ver detalhes
  • Corinthians é líder mundial nas redes sociais

    Corinthians é a entidade esportiva com melhor performance nas redes sociais do mundo, diz estudo

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes