Gil pede união e fala: 'Hora de ficar quieto e trabalhar'

Gil pede união e fala: 'Hora de ficar quieto e trabalhar'

Gil pediu para elenco alvinegro continuar trabalhando, mas com hombridade

Gil pediu para elenco alvinegro continuar trabalhando, mas com hombridade

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

O zagueiro Gil não viveu uma boa noite em Porto Alegre. Além de ver sua equipe tomar três gols ainda no primeiro tempo da partida, o jogador levou um cartão amarelo por reclamação.

Com a terceira partida seguida sem vitória, o zagueiro acredita que agora é o momento de ficar quieto, de manter o foco no trabalho e, principalmente de união entre os jogadores. Gil também cobro mais hombridade do elenco.

"Ficar quieto e trabalhar, essa é a melhor solução. Todo mundo continuar se dedicando, a gente sabe que está em uma situação difícil, mas é ter hombridade", pediu o zagueiro. "Hora de nos unirmos ainda mais para conseguirmos as vitórias novamente", completou.

Com a derrota, o Corinthians perdeu três posições e agora ocupa o 11º lugar na tabela, com apenas sete pontos em cinco jogos do Campeonato Brasileiro. Os gols sofridos pelo Timão na noite dessa quarta também fizeram com que o saldo entrasse no negativo (-2).

Agora, Gil e seus companheiros entram em campo novamente no sábado, às 22h, contra o Joinville, que é o último colocado do Brasileiro e ainda não venceu nenhuma partida.

Veja Mais:

  • Corinthiano Luidy é o novo reforço do Figueirense

    Anunciado por clube da Série B, Luidy agradece Corinthians

    ver detalhes
  • Timão e Caixa não chegaram a acordo pela renovação

    Corinthians recebe ofertas, mas pode permanecer sem patrocínio master na decisão; veja imposições

    ver detalhes
  • Fagner não corre risco de perder finais do Paulistão

    Julgamento de Fagner por suposta agressão no Majestoso acontecerá só após finais do Paulistão

    ver detalhes
  • Jadson, com a 10, fez um dos gols contra a Universidad de Chile na Arena

    Corinthians vai devolver camisa 10 a Jadson; utilização na decisão ainda é incógnita

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes