Corinthians puxa mercado de lojas no futebol brasileiro

Corinthians puxa mercado de lojas no futebol brasileiro

Em um mercado dominado por negociações de patrocínio, vendas de direitos de transmissão e, nos melhores casos, bilheterias, o futebol brasileiro começa a atentar para outra fonte de receita. Os licenciamentos ganham maior participação no faturamento dos principais clubes do país, e a principal razão está no surgimento de redes de lojas sob o formato de franquias.

O melhor exemplo é o Corinthians, campeão do último Campeonato Brasileiro e dono do maior faturamento do país. De 2007 para 2011, segundo consta nos balanços financeiros anuais, a verba levantada com produtos licenciados saltou de R$ 300 mil para R$ 14 milhões. Esse período coincide com a estruturação da “Poderoso Timão”, como são chamadas as lojas da equipe paulista.

O segredo corintiano foi depositar nas mãos de uma empresa especializada na área a responsabilidade de administrar o projeto. A SPR Franquias, constituída em 2008 para atuar com a produção de vestuário, viu a oportunidade de estar nas duas pontas do processo: de um lado, fabricaria camisetas, entre tantos outros produtos, e de outro montaria uma rede de lojas para escoá-las.

Quando a companhia chegou ao Corinthians, encontrou como fornecedora oficial de materiais esportivos do clube a Nike, dona dos direitos sobre qualquer peça que tivesse a marca da equipe. “Havia uma empresa com exclusividade e uma enorme demanda reprimida por moda casual, roupas com preços menores, para usar no cotidiano”, explica Pedro Grzywacz, diretor da SPR.

A solução foi acertar acordo com dirigentes e executivos da fabricante de materiais esportivos norte-americana: a Nike concordaria em deixar a nova parceira fazer linhas de produtos unbranded, isto é, sem a marca da fabricante, e assim a SPR teria melhores condições para administrar uma rede de franquias, que acabaria aumentando as vendas tanto dela quanto da Nike.

As lojas começaram a ser abertas em outubro de 2008. Até o fim daquele ano, eram 12 unidades. No fim de 2011, esse número subiu para 113, e a “Poderoso Timão” registrou faturamento de R$ 178 milhões. Esses resultados fizeram com que a SPR expandisse o modelo de negócios para Vasco e São Paulo, inicialmente, e depois para Botafogo, Cruzeiro e Internacional.

Atuação nacional

Uma das grandes vantagens de abrir franquias está no fator geográfico. Para clubes com torcedores espalhados por todo o país, como Corinthians e Vasco, eles representam consumidores em potencial de produtos licenciados, e portanto precisam ser alcançados de algum modo. Foi com essa mentalidade que os cariocas começaram o processo para montar a “Gigante da Colina”.

“Nós temos a intenção clara de expandir para o Norte e o Nordeste, porque o Vasco tem quase 50% dos torcedores fora do Estado do Rio de Janeiro. E fora daqui há muita pirataria, então vamos dar preços acessíveis e uma oferta maior de produtos oficiais, com selo de autenticidade”, explica Marcos Blanco, diretor de marketing do time cruzmaltino, cuja receita tem se expandido.

Em 2008, por exemplo, licenciamentos renderam aos cofres vascaínos R$ 350 mil, número que subiu para R$ 7,9 milhões em 2011. A meta consiste em abrir 100 lojas durante os cinco anos de contrato, atualmente no segundo deles, e chegar a regiões como Manaus, Brasília, Natal, João Pessoa, Vitória entre tantas outras cidades com alta concentração de torcedores da equipe.

Modelo em expansão

A fórmula praticada com sucesso pela SPR e anteriormente testada por outras empresas com péssimos resultados, como a Roxos e Doentes, começou a ser replicada a partir do segundo semestre de 2011. A Meltex, companhia com know-how em gestão de produtos licenciados, decidiu expandir a atuação e partir para as lojas de clubes de futebol da elite brasileira.

A empresa conseguiu assinar contrato com o Grêmio em setembro do ano passado e abriu a primeira unidade em maio deste ano, após meses de estudos sobre hábitos de consumo dos gaúchos, locais adequados para abrir franquias, entre outros detalhes. O objetivo é fazer com que a rede tricolor possua 70 estabelecimentos em funcionamento em cinco anos.

Aos poucos, as lojas são aperfeiçoadas e ganham novos papéis. No Rio Grande do Sul, a Meltex pretende abrir dois modelos: um intitulado Grêmio Mania Express, na qual haverá apenas a venda de produtos licenciados, e a Center, um local no qual, além do comércio regular, haverá planos de associação disponíveis e ambientes feitos para reunir e aconchegar fãs.

Além dos gaúchos, a companhia também acertou acordos preliminares com Santos e Palmeiras. No primeiro caso, falta costurar o negócio com Nike e Netshoes, parceiras santistas, e no segundo ainda há problemas de ordem política com dirigentes palmeirenses. Até porque, no futebol, a gestão ainda não é tão profissional quanto casos como Corinthians e Vasco sugerem.

Fonte: Época NEGÓCIOS

Veja Mais:

  • Romero será um dos titulares na última partida do ano

    Libertadores, vingança e tributo: Corinthians encara Cruzeiro neste domingo

    ver detalhes
  • Patch de homenagem a Chapecoense na camisa do Corinthians

    Veja imagens da camisa do Corinthians com o patch da homenagem a Chapecoense

    ver detalhes
  • Marinho vem sendo pedido por torcedores do Corinthians para 2017

    Pedido pela torcida do Corinthians, Marinho admite deixar Vitória em 2017

    ver detalhes
  • Simi passou sete anos no Corinthians

    Simi reclama de saída do Corinthians e projeta 'final às avessas' da LNF no Parque São Jorge

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes