Aurélio Miguel, que tentou barrar a Arena do Timão só por ser São Paulino, é acusado de achacar Shoppings

Aurélio Miguel, que tentou barrar a Arena do Timão só por ser São Paulino, é acusado de achacar Shoppings

7.8 mil visualizações 36 comentários Comunicar erro

Aurélio Miguel abriu diversas ações contra as obras da Arena do Corinthians

Aurélio Miguel abriu diversas ações contra as obras da Arena do Corinthians

O Ministério Público Estadual (MPE) investiga um esquema de achaques supostamente praticados pelo vereador Aurélio Miguel (PR) durante a CPI do IPTU. Duas testemunhas ouvidas pelos promotores acusam o político, que presidiu a comissão, de ter tomado R$ 200 mil de cada shopping da cidade para omitir seus nomes do relatório final da CPI, que apurava "irregularidades, inconsistências ou ausências no lançamento" do imposto, segundo a definição da própria Câmara dos Vereadores.

O vereador nega as acusações e disse que vai processar seus acusadores. A denúncia contra Miguel foi feita durante as investigações sobre o possível enriquecimento ilícito de Hussain Aref Saab, ex-diretor do Aprov, o setor da Prefeitura responsável pela aprovação de empreendimentos com mais de 1,5 mil m² na cidade de São Paulo. Aref comprou 106 apartamentos durante o tempo que ocupou a direção do Aprov. Segundo o MPE, 95% do seu patrimônio foi adquirido durante esse período. Ele nega as acusações de corrupção e de enriquecimento ilícito.

As histórias de Aref e Miguel se cruzaram na investigação depois que a ex-diretora financeira do grupo Brookfield Gestão e Empreendimentos, Daniela Gonzalez, entregou aos promotores notas fiscais e e-mails que sustentariam sua acusação de que o grupo pagou R$ 1,6 milhão em propinas para liberar obras irregulares nos Shoppings Pátio Paulista e Higienópolis.

Segundo a BGE, a acusação feita por Daniela tem motivação financeira, pois a diretora processa a empresa para receber R$ 3,6 milhões e é acusada pelo grupo de desviar recursos da empresa. A BGE nega as acusações.

As novas testemunhas do caso confirmaram a denúncia de pagamento de propina e aumentaram o peso da acusação contra o vereador. As testemunhas foram ouvidas em sigilo pela promotoria. Elas trabalharam na empresa BGE a exemplo de Daniela Gonzalez - uma delas controlava pagamentos feitos pelo grupo. Elas entregaram aos promotores notas fiscais de empresas supostamente usadas pela BGE para esconder o pagamento de propina - ela seria dissimulada como se o dinheiro tivesse sido usado para pagar reformas.

Foi isso que teria ocorrido para disfarçar os supostos pagamentos a Miguel. Instaurada em março de 2009, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do IPTU foi presidida pelo vereador Aurélio Miguel (PR) e durou oito meses depois. A comissão, que investigou diversas obras em shoppings, mas terminou sem apontar existência de crime ou prática condenável.

Fonte: Site do Estadão

Veja Mais:

  • Goleada da Inglaterra inspirou memes de corinthianos

    Torcida do Corinthians usa goleada da Inglaterra para provocar São Paulo nas redes sociais

    ver detalhes
  • Bernard, Marinho e Sánchez são algumas sugestões da Fiel ao Corinthians

    Sete sugestões de contratação da Fiel ao Corinthians para o segundo semestre de 2018

    ver detalhes
  • Fagner deve atuar novamente como titular contra a Sérvia

    Feliz por oportunidade, Fagner se vê pronto para Copa como titular mesmo atuando no Brasil

    ver detalhes
  • Renan Areias (no centro) está no Corinthians desde os seis anos de idade

    Corinthians empresta capitão do Sub-20 para o Red Bull Brasil

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes