Clayson fala em esforço para aumentar resistência, melhorar finalização e evitar brigas

Clayson fala em esforço para aumentar resistência, melhorar finalização e evitar brigas

Por Andrew Sousa, Lucas Faraldo e Rodrigo Vessoni, no CT Joaquim Grava

3.5 mil visualizações 46 comentários Comunicar erro

Clayson tem trabalhado para melhorar fundamentos com e sem a bola

Clayson tem trabalhado para melhorar fundamentos com e sem a bola

Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Desde que chegou ao Corinthians, Clayson apresenta mais dificuldades físicas do que técnicas. Em 2017, inclusive, era substituído em grande parte dos jogos que iniciava, pelo cansaço de marcar e atacar pelos lados. Em 2018, a evolução do atacante foi notória, mas ele quer mais.

"Melhorei muito a questão da parte física desde que cheguei. É uma posição complicada, somos os que mais correm ali, junto dos volantes. Então desgasta muito, mas eu melhorei bastante. Minha finalização, meu término de jogada, venho trabalhando bastante para isso e espero evoluir cada vez mais e corresponder em alto nível e sempre podendo ajudar o Corinthians por 90 minutos", afirmou, durante media day nesta quarta-feira.

Leia também: Clayson assiste à final no Allianz Parque e manda recado: 'Sem o quê!? Sem Mundial'

As atividades diárias do atacante, é claro, não são voltadas apenas à parte física. Drible, passe e finalização, sobretudo, também são muito trabalhados. O chute a gol, inclusive, é um dos pontos mais questionados pela torcida. E o camisa 25 tem uma justificativa para o baixo aproveitamento.

"Se você pegar para analisar um treino de finalização aí, eu sou um dos caras que finaliza muito bem. Só que chega no jogo, corre pra lé e para cá, a perna está cansada, dá um drible e pega errado, mas eu estou evoluindo. Tem muitos momentos que não é força, é jeito", explicou.

Na final do Paulistão, não foi nem o cansaço e nem a finalização que chamou atenção negativamente: foi o destempero. Novamente envolvido em confusão, o atacante foi expulso e desfalcou a equipe na segunda partida diante do Palmeiras. O psicológico também tem sido trabalhado por Clayson, mesmo admitindo que dificilmente vá mudar.

"É verdade (preciso evoluir nisso). Mas ali dentro de campo eu vivo o jogo, vivo o momento. Eu sou um cara que não gosto de perder, defendo a minha camisa do começo ao fim, então se eu achar que tenho que brigar pelo que é certo dentro de campo, eu vou brigar sim. Mas é sempre procurando o melhor para o Corinthians", pontuou.

Veja mais em: Clayson.

Veja Mais:

  • Resta apenas o acerto dos jogadores com seus novos clubes para selar o negócio

    Corinthians e Atlético-MG se acertam por troca de atacantes; jogadores aceitam conversar

    ver detalhes
  • Uendel pode acertar retorno para o Corinthians em breve

    Empresário confirma que Corinthians deve acertar retorno de Uendel em janeiro

    ver detalhes
  • Ramiro assinou com o Corinthians nesta quinta-feira e é o quinto reforço para 2019

    Novo reforço do Corinthians, Ramiro se aproxima de Jadson e Luan em estatísticas do Brasileirão

    ver detalhes
  • Corinthians jogou boa parte da temporada sem estampa no espaço principal do uniforme

    Otimismo do Corinthians com patrocínio contrasta com fracasso inédito desde era Kalunga

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes