Mudanças pontuais podem transformar a próxima partida entre Corinthians e Flamengo

Ana Paula Araújo

Engenheira de formação, mas corinthiana de alma. Deixei a profissão para fazer parte dessa família desde 2013.

ver detalhes

Mudanças pontuais podem transformar a próxima partida entre Corinthians e Flamengo

Coluna da Ana Paula Araújo

Opinião de Ana Paula Araújo

4.2 mil visualizações 40 comentários Comunicar erro

Mudanças pontuais podem transformar a próxima partida entre Corinthians e Flamengo

Corinthians e Flamengo se reencontram neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro

Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

Tenho visto um clima de apreensão entre os torcedores, e com razão, é claro. A próxima partida é diante um dos melhores times do Brasil e postulante ao título.

Porém, antes de começar de fato, quero deixar claro aqui que eu não considero ter tomado 5 a 1 do Flamengo no primeiro turno um vexame. O Corinthians não se encolheu. Foi pra cima, tentou jogar. O problema é que o adversário é indubitavelmente mais qualificado. Aquele 4 a 1, em 2019, sim, foi um vexame. Isso porque a equipe paulista não se impôs, sequer tentou.

Levo como mantra essa frase do Tite: "O Corinthians não faz igual ao Chelsea, não faz anti-jogo, não enfia a bunda lá atrás e fica esperando um gol achado", sobre um comparação entre as equipes em 2012.

E é isso, se ficar acuado e não tentar jogar, pode perder de 1 a 0 que, para mim, aí sim, será vexame. Esse é meu critério, pode não ser o seu e eu entendo.

Então, dito isso, vamos lá!

Depois de assistir ao jogo desta quarta-feira, entre Corinthians e Athletico-PR, tive um pequeno vislumbre do embate do próximo domingo, contra o Flamengo, e acho que a chance de se repetir aquilo que foi a partida do primeiro turno é grande.

O Corinthians fez com o Athletico, o que fez com o Flamengo: atacou, deu trabalho para o goleiro, mas se abriu demais e falhou defensivamente.

A equipe de Mancini vem provando ter melhorado na criação, mesmo sem Cazares, mas demonstrando que a defesa segue falha. Foram 13 gols sofridos em dez jogos. Mais de um gol por partida.

O Flamengo tem o melhor ataque do campeonato, com 63 balançadas de rede. Só de saldo eles possuem 19 tentos e não é porque não tomam gols, eles tomam. Tomaram até mais que o Corinthians se levarmos em conta todo o campeonato: 44 vezes foram vazados. Só nos últimos dez jogos levaram dez.

Mas o que chama a atenção são os dois últimos duelos contra o Flamengo. O Corinthians levou sonoros nove gols da equipe rubro-negra e fez apenas dois.

Se Mancini não agir, a tendência é que o Timão sofra muitos gols novamente.

Mas vamos nos atentar ao último embate, onde a criação melhorou bastante.

Deu certo

Obviamente o que deu certo não foi a defesa, que tomou cinco gols, mas as investidas contra à meta do Flamengo mostraram que o Corinthians melhorou seu poderio ofensivo.

O Timão conseguiu chegar ao gol do adversário através de cruzamentos na área. E ainda pode ser esse o caminho para vazar o goleiro deles. Que, diga-se de passagem, trabalhou muito na outra partida.

Tanto que foi pelo alto que Gil fez dois gols, mas apenas um validado.

Foram 19 finalizações, sete em direção à meta rubro-negra. Isso dá esperança de que, apesar da diferença entre elencos, é possível competir e até vislumbrar uma vitória em cima da equipe carioca.

O placar nem de longe expressa o que realmente foi o jogo. O Corinthians merecia ter feito mais gols pela competitividade que impôs, principalmente, no segundo tempo.

Deu errado

A defesa toda bateu cabeça contra o Flamengo naquela oportunidade. Entretanto, a parte física também prejudicou bastante o Corinthians.

Tanto que a equipe de Mancini começou em alta intensidade, dando susto neles, mas logo perdeu a força física e foi aí que eles impuseram seu jogo.

Na etapa final, se lançar ao ataque era mais que a obrigação.

Mas se lançar ao ataque sem um físico condicionado e nem jogadores cientes da sua função tática é suicídio e foi.

Como melhorar

Mudanças pontuais podem ser a solução. A busca por um equilíbrio entre setores é primordial para o sucesso domingo, mas o que vai definir o resultado é a concentração da equipe.

Goleiro

Uma boa defesa começa com um bom goleiro, não é? Cássio é um goleiro ruim? Não! Mas a fase dele não é das melhores. Já há algum tempo eu acredito que ele deveria ter cedido seu lugar a Walter.

E não estou aqui colocando as derrotas e os gols sofridos exclusivamente na conta do arqueiro, mas acho que Walter está mais confiante e se encaixaria melhor nesse momento, passando maior segurança para o restante dos defensores.

Melhor alguém debaixo das traves que dê opção de passe, em vez do jogador de linha optar por mandar a bola pela lateral.

Na verdade, penso que Mancini deixou escapar a oportunidade de ter deixado Cássio no banco. Contra o próprio Flamengo, a escalação pedia por Walter. O goleiro reserva vinha de uma grande atuação diante o Athletico-PR, era o momento-chave para deixar Cássio no banco sem causar qualquer mal estar no vestiário.

Defesa

A defesa é um grande problema para Vagner Mancini. E quando eu falo em defesa, eu não me refiro apenas aos jogadores cuja função principal é a marcação. Porque, quando o Corinthians perde a bola, a obrigação de marcar é de toda a equipe.

Assim como se espera que o lateral suba na hora do ataque, esperamos que os pontas voltem na hora de defender para auxiliar à zaga.

Isso não tem acontecido com o Corinthians.

Muito mais que trocar zagueiro x por zagueiro y, é treinar para que haja compactação na hora de defender. E que as funções fiquem claras para cada jogador. Dessa forma ninguém fica sobrecarregado.

Isso é treino, gente. Treino.

Pontaria

É fato que o Corinthians melhorou demais na criação, mas falta ainda aquela eficiência.

Para vocês terem uma ideia, enquanto o Corinthians chutou ao gol do Flamengo por 19 vezes, apenas oito foram em direção à meta, uma convertida. Eles, por sua vez, finalizaram em seis oportunidades, cinco foram convertidas.

Seria um erro muito grande não colocar esse time jogar para Gustavo Silva. Desperdiçar a boa fase do jogador não é uma opção.

Escalação ideal

Sem o volante Gabriel, a oportunidade seria para Xavier. E pensando bem, Xavier vai cumprir a função melhor. O que não sabemos, porém, é se Mancini vai manter Cantillo como primeiro volante e deixar Xavier livre, ou não. Há também uma chance de Ramiro ocupar a vaga. Mas penso que seja mais remota.

De toda forma, qualquer um que entrar no lugar de Gabriel, não estará no mesmo ritmo. Pode ser uma desvantagem.

É incrível como o Corinthians não tem uma dupla de volantes definida. O que foi, por muitos anos, o ponto forte da equipe, agora é um problema.

A escalação que eu proponho é pouco provável, mas, na minha concepção seria ideal, levando em conta as peças de que o time dispõe.

Montagem/Meu Timão

Walter não deve entrar e Cazares não deve começar jogando. A tendência é que Araos seja o titular na vaga do equatoriano. E o garoto não tem ido mal, na verdade.

Se pensarmos no jogo dos 5 a 1, Cazares entrou durante a partida e foi bem.

Mais que os 11 que ocuparão as vagas iniciais, a postura é o que definirá a história do jogo. O Corinthians não pode se lançar ao ataque desordenadamente; precisa se defender com mais consciência. Se algum jogador corinthiano se sobrecarregar na defesa, é caixa, infelizmente.

Além disso, desperdiçar oportunidades não é uma opção. Quando tiver a chance, precisa converter.

É uma tarefa muito difícil. A disparidade técnica entre os planteis é enorme, não tem como negar. Mas, se naquela primeira oportunidade, o Corinthians incomodou o Flamengo, por que agora não o faria?

São praticamente apenas dois dias para treinar. Pouco. Apesar disso, eu acredito. A equipe flamenguista é boa, mas não é imbatível.

Mancini já mostrou que pode colocar esse time competindo e domingo espero ver isso mais uma vez.

Veja mais em: Campeonato Brasileiro e Escalação do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna da Ana Paula Araújo

Por Ana Paula Araújo

Engenheira de formação, mas corinthiana de alma. Deixei a profissão para fazer parte dessa família desde 2013.

O que você achou do post da Ana Paula Araújo?

x